Resenha - Dance of Death - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Depois de três anos sem lançar nenhum material inédito de estúdio, mas em compensação, tendo lançado, além do duplo ao vivo "Rock in Rio" (em DVD também), a coletânea "Edward the Great", o DVD com todos os clipes ("Visions of the Beast") e um box trazendo raridades em versões ao vivo ("Eddie's Archive"), o Iron Maiden voltou com força total em 2003 trazendo a todos o seu décimo terceiro álbum inédito, com o título de "Dance of Death".

Bruce Dickinson: vocalista do Iron Maiden confirma palestra no BrasilPlágio ou coincidência: trechos semelhantes no rock/metal

Gravado em Londres no primeiro semestre deste ano, novamente sob a produção de Kevin Shirley, o disco apresenta como inovações muitas orquestrações, algo nunca feito antes - uma faixa totalmente acústica, além de todas as velhas características dos trabalhos do Maiden. Além de um encarte muito bem estruturado (apesar da capa que não é das melhores), o disco apresenta uma nova tecnologia - não podendo rodar em alguns aparelhos (a exemplo de alguns computadores), dificultando assim a sua cópia ilegal e gravação em MP3. O melhor modo para avaliar um disco do porte de "Dance of Death" é faixa por faixa, o que é feito:

01. Wildest Dreams (3:52, Smith/Harris): Típica música de abertura dos discos do Maiden (em exceção do "The X Factor"). Uma composição direta, não apresenta muitas variações, típico hard/heavy com um refrão empolgante, mas, pode ser um pouco chatinha para quem sempre gostou das longas e épicas faixas da Donzela. "Wildest Dreams" é o primeiro single, lançado em 01/09/03, já com clipe aparecendo na TV, Internet, etc.

02. Rainmaker (3:48, Murray/Harris/Dickinson): Esta música poderá pegar alguns fãs de surpresa, isso por ela se parecer um tanto com o que era feito na fase solo de Bruce Dickinson vide "Balls to Picasso". A música não chega a apresentar riffs muitos pesados, mas em compensação tem uma ótima melodia na voz de Bruce Dickinson. Mesmos sem muito peso, na hora de aparecer, as três guitarras se destacam durante o solo.

03. No More Lies (7:21, Harris): A primeira de tantas faixas com orquestrações. Uma bela composição de Steve Harris, começando cadenciada ao estilo que víamos no "The X Factor", mas encabeçando muito peso e uma 'performance' fenomenal de Bruce Dickinson. Música perfeita para os fãs presentes nos futuros shows da Donzela agitarem e cantarem junto. Agora, resta esperar se a banda conseguirá repetir a dose das orquestrações ao vivo...

04. Montségur (5:50, Gers/Harris/Dickinson): Nossa! Candidata a um dos hits do disco, pesadona, melodias fortes para a voz do Bruce. Épica, "Montségur" deverá agradar os fãs de "Powerslave" e "Seventh Son of a Seventh Son"; com refrão perfeito, aquela típica música para ir no show e ficar apenas observando a banda executar algo tão bem composto.

05. Dance of Death (8:36, Gers/Harris): A mais longa música do CD, com uma letra bem interessante. A música começa cadenciada. Demora cerca de três minutos até passar para a fase do peso mesmo, novamente com muitas orquestrações. Outra série candidata a melhor do disco, realmente uma linda composição - e que agradará todos que adoram "Alexander the Great", presente no disco "Somewhere in Time".

06. Gates of Tomorrow (5:12, Gers/Harris/Dickinson): Novamente uma inovação, em nenhum outro momento de sua carreira a banda havia investido em melodias mais próximas ao AC/DC e do rock 70' em uma introdução como a desta música. Alguns poderão torcer o nariz no início, ainda mais ao ouvir algumas partes vocálicas dobradas (ou seja, duas vozes cantando ao mesmo tempo - ambas de Bruce Dickinson). Outra das minhas favoritas, a banda acertou em cheio quanto a inovações. Ah, possui um refrão encantador.

07. New Frontier (5:04, McBrain/Smith/Dickinson): Depois de quase vinte anos, Nicko McBrain pela primeira vez assina uma composição para o Maiden. "New Frontier" é outra típica faixa para a abertura do álbum, mas esta, um pouco mais longa. Sem muitas firulas e passagens técnicas, outra música que já começa puramente com peso e mantendo o pique até o final.

08. Paschendale (8:27, Smith/Harris): Outra forte candidata a hit, e mais uma longa e épica composição. Falando sobre alguma batalha francesa do século XIX, "Paschendale" apresenta diversas melodias e partes distintas com peso, teclado (sim, teclado), orquestrações e momentos cadenciados. Se esta não é a melhor de todas (pra mim é) será uma das preferidas de nove entre dez 'maidenmaníacos'. Uma das poucas músicas que passa a quem escuta energia suficiente para se sentir dentro da estória lírica da mesma.

09. Face in the Sand (6:31, Smith/Harris/Dickinson): Começando à lá "Blood Brothers", "Face in the Sand" desfila novamente mais momentos orquestrados, bateria com pedal duplo (acredito que pela primeira vez em uma música do Iron aparecendo tão "abertamente") e muito peso tratando-se de riffs de guitarra. Digamos que uma composição um tanto quanto atmosférica tratando-se de Iron Maiden.

10. Age of Innocence (6:10, Murray/Harris): Começando cadenciada, "Age of Innocence" faz parte do recorde pessoal de Dave Murray, que pela primeira vez contribui em um disco com três composições. Esta música na hora em que o peso aparece, possui um refrão bem melodioso, mas os riffs e a levada dela são dignos para quem curte "bater uma cabeça" enquanto ouve uma música ao fundo. Para mim, uma música interessante e bem representativa desta nova fase da banda.

11. Journeyman (7:06, Smith/Harris/Dickinson): Pela primeira vez uma música sem guitarras elaborada pela banda. De novo, orquestrações ao longo da música. Inclusive, podemos comparar esta música um pouco com as baladas da fase solo de Bruce Dickinson, especialmente em uma bem parecida presente no seu disco "Accident of Birth" (a última do mesmo, "Arc of Space"). Bela composição, mas nunca deverá ser tocada durante a turnê Dance of Death 2003/04.

Este foi apenas um review faixa por faixa deste disco, que felizmente não consegue se resumir em palavras. Nada melhor que cada um que gosta deste ícone do heavy metal adquirir um e tirar suas próprias conclusões do que merece elogios ou críticas. Finalizando, quero deixar claro para todos que não é nada fácil ouvir um disco do Iron Maiden e fazer a sua resenha correspondente, ainda mais sendo lançamento e possuindo composições de tão alto gabarito.

Site oficial: www.ironmaiden.com

Line-up:
Bruce Dickinson (vocal);
Dave Murray (guitarra);
Adrian Smith (guitarra);
Janick Gers (guitarra);
Steve Harris (baixo);
Nicko McBrain (bateria).

Tempo total: 68:05


Outras resenhas de Dance of Death - Iron Maiden

Iron Maiden: Berço de clássicos em Dance Of DeathResenha - Dance Of Death - Iron MaidenResenha - Dance Of Death - Iron MaidenIron Maiden: O gigantesco "Dance of Death"Resenha - Dance of Death - Iron Maiden




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Bruce Dickinson: vocalista do Iron Maiden confirma palestra no BrasilBruce Dickinson
Vocalista do Iron Maiden confirma palestra no Brasil

Iron Maiden: Dennis Stratton quer gravar versão original de "Phantom Of The Opera"

Iron Maiden: Nicko McBrain passou por problemas de saúde recentementeIron Maiden
Nicko McBrain passou por problemas de saúde recentemente

Iron Maiden: brasileiro já pediu autógrafo em caveira a Nicko McBrain, que recusouIron Maiden
Brasileiro já pediu autógrafo em caveira a Nicko McBrain, que recusou

Torture Squad: Invadindo camarim do Iron Maiden por engano (vídeo)Torture Squad
Invadindo camarim do Iron Maiden por engano (vídeo)

Iron Maiden: Nicko McBrain tende a tocar mais rápido quando está cansadoIron Maiden
Nicko McBrain tende a tocar mais rápido quando está cansado

Iron Maiden: Nicko McBrain trocou a marca de sua bateriaIron Maiden
Nicko McBrain trocou a marca de sua bateria

Iron Maiden: Steve Harris não descarta possível turnê com Judas PriestIron Maiden
Steve Harris não descarta possível turnê com Judas Priest

Arch Enemy: Jeff Loomis fala qual a primeira música que aprendeu a tocar

Iron Maiden: a despedida de Paul e a chegada de Adrian em Killers (vídeo)Iron Maiden
A despedida de Paul e a chegada de Adrian em Killers (vídeo)

Bruce Dickinson: ele ficou surpreso quando Blaze Bayley entrou no Iron MaidenBruce Dickinson
Ele ficou surpreso quando Blaze Bayley entrou no Iron Maiden

Iron Maiden: Rodriguinho, dos Travessos, em cover inusitadoIron Maiden
Rodriguinho, dos Travessos, em cover inusitado


Plágio ou coincidência: trechos semelhantes no rock/metalPlágio ou coincidência
Trechos semelhantes no rock/metal

Uruca: Os 9 mais azarados da história do RockUruca
Os 9 mais azarados da história do Rock


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

adGooILQ