Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemHalford relembra o dia que caiu em pegadinha armada por Tony Iommi e Geezer Butler

imagem"Éramos nós contra o mundo" relembra Bill Ward, sobre o início do Black Sabbath

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira


Airbourne 2022

Resenha - Dance of Death - Iron Maiden

Por Paulo Finatto Jr.
Em 17/09/03

Nota: 10

Depois de três anos sem lançar nenhum material inédito de estúdio, mas em compensação, tendo lançado, além do duplo ao vivo "Rock in Rio" (em DVD também), a coletânea "Edward the Great", o DVD com todos os clipes ("Visions of the Beast") e um box trazendo raridades em versões ao vivo ("Eddie’s Archive"), o Iron Maiden voltou com força total em 2003 trazendo a todos o seu décimo terceiro álbum inédito, com o título de "Dance of Death".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Gravado em Londres no primeiro semestre deste ano, novamente sob a produção de Kevin Shirley, o disco apresenta como inovações muitas orquestrações, algo nunca feito antes – uma faixa totalmente acústica, além de todas as velhas características dos trabalhos do Maiden. Além de um encarte muito bem estruturado (apesar da capa que não é das melhores), o disco apresenta uma nova tecnologia – não podendo rodar em alguns aparelhos (a exemplo de alguns computadores), dificultando assim a sua cópia ilegal e gravação em MP3. O melhor modo para avaliar um disco do porte de "Dance of Death" é faixa por faixa, o que é feito:

01. Wildest Dreams (3:52, Smith/Harris): Típica música de abertura dos discos do Maiden (em exceção do "The X Factor"). Uma composição direta, não apresenta muitas variações, típico hard/heavy com um refrão empolgante, mas, pode ser um pouco chatinha para quem sempre gostou das longas e épicas faixas da Donzela. "Wildest Dreams" é o primeiro single, lançado em 01/09/03, já com clipe aparecendo na TV, Internet, etc.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

02. Rainmaker (3:48, Murray/Harris/Dickinson): Esta música poderá pegar alguns fãs de surpresa, isso por ela se parecer um tanto com o que era feito na fase solo de Bruce Dickinson vide "Balls to Picasso". A música não chega a apresentar riffs muitos pesados, mas em compensação tem uma ótima melodia na voz de Bruce Dickinson. Mesmos sem muito peso, na hora de aparecer, as três guitarras se destacam durante o solo.

03. No More Lies (7:21, Harris): A primeira de tantas faixas com orquestrações. Uma bela composição de Steve Harris, começando cadenciada ao estilo que víamos no "The X Factor", mas encabeçando muito peso e uma ‘performance’ fenomenal de Bruce Dickinson. Música perfeita para os fãs presentes nos futuros shows da Donzela agitarem e cantarem junto. Agora, resta esperar se a banda conseguirá repetir a dose das orquestrações ao vivo...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

04. Montségur (5:50, Gers/Harris/Dickinson): Nossa! Candidata a um dos hits do disco, pesadona, melodias fortes para a voz do Bruce. Épica, "Montségur" deverá agradar os fãs de "Powerslave" e "Seventh Son of a Seventh Son"; com refrão perfeito, aquela típica música para ir no show e ficar apenas observando a banda executar algo tão bem composto.

05. Dance of Death (8:36, Gers/Harris): A mais longa música do CD, com uma letra bem interessante. A música começa cadenciada. Demora cerca de três minutos até passar para a fase do peso mesmo, novamente com muitas orquestrações. Outra série candidata a melhor do disco, realmente uma linda composição – e que agradará todos que adoram "Alexander the Great", presente no disco "Somewhere in Time".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

06. Gates of Tomorrow (5:12, Gers/Harris/Dickinson): Novamente uma inovação, em nenhum outro momento de sua carreira a banda havia investido em melodias mais próximas ao AC/DC e do rock 70’ em uma introdução como a desta música. Alguns poderão torcer o nariz no início, ainda mais ao ouvir algumas partes vocálicas dobradas (ou seja, duas vozes cantando ao mesmo tempo – ambas de Bruce Dickinson). Outra das minhas favoritas, a banda acertou em cheio quanto a inovações. Ah, possui um refrão encantador.

07. New Frontier (5:04, McBrain/Smith/Dickinson): Depois de quase vinte anos, Nicko McBrain pela primeira vez assina uma composição para o Maiden. "New Frontier" é outra típica faixa para a abertura do álbum, mas esta, um pouco mais longa. Sem muitas firulas e passagens técnicas, outra música que já começa puramente com peso e mantendo o pique até o final.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

08. Paschendale (8:27, Smith/Harris): Outra forte candidata a hit, e mais uma longa e épica composição. Falando sobre alguma batalha francesa do século XIX, "Paschendale" apresenta diversas melodias e partes distintas com peso, teclado (sim, teclado), orquestrações e momentos cadenciados. Se esta não é a melhor de todas (pra mim é) será uma das preferidas de nove entre dez ‘maidenmaníacos’. Uma das poucas músicas que passa a quem escuta energia suficiente para se sentir dentro da estória lírica da mesma.

09. Face in the Sand (6:31, Smith/Harris/Dickinson): Começando à lá "Blood Brothers", "Face in the Sand" desfila novamente mais momentos orquestrados, bateria com pedal duplo (acredito que pela primeira vez em uma música do Iron aparecendo tão "abertamente") e muito peso tratando-se de riffs de guitarra. Digamos que uma composição um tanto quanto atmosférica tratando-se de Iron Maiden.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

10. Age of Innocence (6:10, Murray/Harris): Começando cadenciada, "Age of Innocence" faz parte do recorde pessoal de Dave Murray, que pela primeira vez contribui em um disco com três composições. Esta música na hora em que o peso aparece, possui um refrão bem melodioso, mas os riffs e a levada dela são dignos para quem curte "bater uma cabeça" enquanto ouve uma música ao fundo. Para mim, uma música interessante e bem representativa desta nova fase da banda.

11. Journeyman (7:06, Smith/Harris/Dickinson): Pela primeira vez uma música sem guitarras elaborada pela banda. De novo, orquestrações ao longo da música. Inclusive, podemos comparar esta música um pouco com as baladas da fase solo de Bruce Dickinson, especialmente em uma bem parecida presente no seu disco "Accident of Birth" (a última do mesmo, "Arc of Space"). Bela composição, mas nunca deverá ser tocada durante a turnê Dance of Death 2003/04.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Este foi apenas um review faixa por faixa deste disco, que felizmente não consegue se resumir em palavras. Nada melhor que cada um que gosta deste ícone do heavy metal adquirir um e tirar suas próprias conclusões do que merece elogios ou críticas. Finalizando, quero deixar claro para todos que não é nada fácil ouvir um disco do Iron Maiden e fazer a sua resenha correspondente, ainda mais sendo lançamento e possuindo composições de tão alto gabarito.

Site oficial: www.ironmaiden.com

Line-up:
Bruce Dickinson (vocal);
Dave Murray (guitarra);
Adrian Smith (guitarra);
Janick Gers (guitarra);
Steve Harris (baixo);
Nicko McBrain (bateria).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tempo total: 68:05


Outras resenhas de Dance of Death - Iron Maiden

Resenha - Dance Of Death - Iron Maiden

Resenha - Dance Of Death - Iron Maiden

Resenha - Dance Of Death - Iron Maiden

Resenha - Dance of Death - Iron Maiden

Resenha - Dance of Death - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Eduarda Henklein: Aos 4 anos, AC/DC, GNR e Iron Maiden na bateria

Veja SP: show do Iron Maiden eleito como "pior de 2009"


Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre

Mais matérias de Paulo Finatto Jr..