Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemMorre Alan White, baterista do Yes e que gravou a clássica "Imagine", de John Lennon

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemIron Maiden: Bruce fala sobre groupies; "parei de transar com elas quando me apaixonei"


Resenha - Affair of Honour - Liar Symphony

Por Paulo Finatto Jr.
Em 08/06/03

Nota: 10

"Affair of Honour" é o primeiro disco da banda paulista de power metal Liar Symphony, originalmente lançado em 2000, sendo que anos depois saiu o segundo disco da banda: "The Symphony Goes On...". A banda formada por Villo Nolasco (vocal, não mais na banda), Pedro Esteves (guitarra, hoje também vocalista), Marcos Brandão (baixo), Vinicius Moure (teclado) e Miro Rocha (bateria) não conseguiu deslanchar no Brasil na época em que este ‘debut’ foi lançado, via Megahard Records. Porém, o Liar Symphony, graças ao licenciamento do mesmo no Japão, conseguiu ser um grande destaque no país do sol nascente, inclusive, tendo o guitarrista Pedro Esteves estampado na versão japonesa da revista Guitar Player – tratando apenas sobre assuntos relativos ao instrumento. E podem ter certeza, o mercado japonês é bem exigente...

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O power metal da banda consegue ser um pouco diferente da maioria, já que há uma dose maior de peso e agressividade por parte do guitarrista Pedro Esteves (o ponto mais alto da banda), e ainda, por Villo Nolasco possuir um timbre mais grave que a maioria dos vocalistas do estilo. Não há gritinhos, poucos riffs e bateria de bumbo duplo todo tempo, ou melhor, mal presentes estão características, e o Liar Symphony realmente se interessa por construir a sua identidade própria no estilo em que muita água já rolou... Outros pontos interessantes a citar são a ótima produção (ah, se não tivesse uma seria outra história) e ainda o bom encarte, que coloca as letras em formato de livro medieval.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Com uma introdução mais cadenciada, a música "Soldier’s Dream" é o primeiro petardo do disco, que logo em seguida desemboca em um rápido e pesado power metal, com direito a todo tipo de passagens de guitarra que se possa imaginar. "The Crowing of the Night" é outra grande faixa, com um jogo de vozes na hora do refrão e umas criativas entradas de teclado durante o seu andamento. Em uma linha mais próxima do heavy tradicional está "Negative Foresseing", sem tanto peso, e marcando a presença de bases melódicas e bem executadas. Depois da balada "Lonely Track" está a melhor música na minha opinião, "Doomsday", uma música que une todas as características do power metal: velocidade, uma ótima interpretação do vocalista (e sem coros no refrão!) e ainda algumas passagens mais melódicas e sem tanta velocidade. Perfeita! Novamente na linha mais cadenciada está a longa "Humanquiná", com direito a muitas partes com guitarra pesadíssima em tons de metal progressivo. Fechando, a pesada e certeira "The Winner", aliás, tão boa como todas as presentes no CD.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Já está na hora de todos conhecerem esta banda paulista, motivo não sei o qual, não conseguiu aparecer por todos os cantos do Brasil. O Liar Symphony realmente conseguiu fazer neste ‘debut’ o que muitas bandas almejam em toda a sua carreira.

Contatos: [email protected]

Line-up:
Villo Nolasco (vocal);
Pedro Esteves (guitarra);
Marcos Brandão (baixo);
Vinicius Moure (teclado);
Miro Rocha (bateria).

Track-list:
01. Soldier’s Dream
02. The Final Combat
03. The Crowning of the Night
04. Warning
05. Negative Foresseing
06. Lonely Track
07. Doomsday
08. Humanquiná
09. Die But Don’t Lose
10. The Winner
11. Victory

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Tempo total: 58:41

Material cedido por:
Megahard Records
Caixa Postal 41698, São Paulo/SP, Cep:05422-970
Site: www.megahard.com.br, e-mail: [email protected]
Fax: (11) 3224.8297. Telefone: (11) 3224.0709.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre

Mais matérias de Paulo Finatto Jr..