Resenha - VIDA; The Play Of Change - Imago Mortis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Eduardo Lema
Enviar Correções  

10


Fiquei realmente impressionado ao ouvir do cd "VIDA The Play Of Change" da banda Imago Mortis. Me veio ao pensamento: estamos falando do mais nacional produto, é um orgulho ter uma banda como o Imago Mortis no Brasil.

publicidade

Após a grande repercussão do primeiro álbum, o "Images From The Shady Gallery" que ficou entre os melhores álbuns brasileiros por três anos consecutivos, podemos nos deleitar com o "VIDA The Play Of Change".

O cd é totalmente conceitual e conta de forma arrepiante a história de alguém que está sofrendo de VIDA, uma doença terminal e incurável. Faixa a faixa é representado o estado que essa pessoa se encontra até a sua morte.

publicidade

Abrindo o cd já nos deparamos com a "Long River" onde é possível notar o belo trabalho de Alex Voorhees mandando super bem nos vocais. Vale lembrar que este é o primeiro trabalho em estúdio com Alex nos vocais após a saída de Fernando Sierpe (vocalista do primeiro CD).

Nas faixas seguintes como "Central Hospital" e "Three Parchae" o ouvinte já estará totalmente envolvido pela história de VIDA. De repente nos deparamos com "Pain", onde um dos grandes destaques, o Baixo de Fabio Barretto dá um tom todo especial para a música... sem dúvidas um dos pontos altos do cd. Mas adianto que é impossível focar-se em um só músico ou uma só faixa; todas as músicas e todos os músicos sem exceção são diferenciais.

publicidade

E o VIDA segue com "Envy", "Me and God", "The Silent King", "Insomnia", "Terminal Christ", "Unchained Prometheus" e "Saudade".

O que falar de "Envy"... a música é poderosa e divertida ao mesmo tempo, um misto de clássico com o nosso bom e velho Metal. Nesta música a estrela maior é o baterista André Delacroix; paradas, viradas, solinho, tudo o que um baterista deve fazer, só que com carga de emoção, técnica e muita garra. Posso afirmar que Delacroix em pouquíssimo tempo será um baterista de destaque internacional, porque nacional ele já é.

publicidade

"Me and God" é simplesmente maravilhosa, tanto na interpretação de Alex Voorhees (vocal) quanto na guitarra de Fabrício Lopes. Fabrício faz algo tão sublime e tão poderoso que não tem como deixar de notar toda a emoção e desespero descritos neste momento do cd.

"The Silent King" é o melhor hard metal rock que já ouvi. Uma pegada totalmente dançante que dá a maior vontade de chamar os amigos e fazer uma festinha em casa. Em determinado momento da música, existe um pequeno texto em francês e mais algumas palavras que não se podem identificar facilmente, algo realmente fascinante.

publicidade

"Insomnia" vem com toda a carga do momento em que o doente já esta bem próximo à morte. Conter as lágrimas é algo que provavelmente, quem ouvir esse cd com "ouvidos de arte", vai fazer. Mais uma vez a guitarra de Fabrício Lopes e o piano de Alex Guimarães nos emocionam ao extremo, sem contar o sussurro ao fundo da letra, nada mais nada menos que Shakespeare. Colada a "Insomnia" vem "Terminal Christ". É a hora em que o personagem morre.

publicidade

"Unchained Prometheus" representa o enterro do personagem, é um dos momentos, se não o momento mais tocante do cd. É um clássico. Alex Guimarães compôs uma passagem de piano completamente perfeita, não tem como você ouvir e não imaginar o enterro do personagem.

E então vem "Saudade", o momento mais sublime do cd, como o próprio nome da música. Expressa o verdadeiro sentimento, é terminantemente impossível ouvir a música sem sentir saudade de algo ou alguém, e como essa palavra só existe em nosso idioma, não poderia ser diferente, a pequenina letra da música é em português, apenas quatro frases cantada com maestria por Fabrício Lopes. Vale destacar que foi ele que executou a musica toda. Pena que só são quatro frases, ao meu ver o Imago Mortis é a única banda nacional que tem capacidade de compor e cantar músicas em português com qualidade; não descaracteriza, não soa ridículo, ao contrario fica perfeito.

publicidade

VIDA ainda conta com uma faixa interativa, "The Play Of Change - O Jogo da Mudança". Esse é um jogo de oráculo, baseado no tarot, i ching e outros jogos, e foi criado por Fábio Barreto.

Só posso terminar essa resenha com uma frase: "Imago Mortis, muito obrigado por nos presentear com tanto talento"

Line Up:
Alex Voorhees – Vocal
Fabrício Lopes – Guitarra e Backing vocal
Fabio Barretto – Baixo e Backing vocal
Alex Guimarães – Teclado, Órgão, Hammond e Backing vocal
André Delacroix - Bateria

Site: www.imagomortis.com.br

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Chico Buarque: a música que virou a cabeça do Rock NacionalChico Buarque
A música que virou a cabeça do Rock Nacional


Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo

Sepultura: Gloria Cavalera xinga e rebate Derrick Green após entrevistaSepultura
Gloria Cavalera xinga e rebate Derrick Green após entrevista


Sobre Eduardo Lema

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin