Resenha - Dead Soul Men - Freak Kitchen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O Freak Kitchen é uma banda incomum que desafia dicionários, palavras, rótulos. Circundá-los num estilo, mesmo que por referência, seria um delito grave para com a criatividade e liberdade musical. Esta última é exatamente do que tratamos aqui: expansão, horizonte aberto, raciocínios à frente de nosso tempo, novas propostas.

Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenSupergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Logicamente tentarei situá-los, de maneira a possibilitar a formalização de uma certa idéia do que estes intrépidos músicos fazem. Provavelmente darei pistas, mas no todo fracassarei. Apesar disso, vale arriscar.

Desde o começo da carreira, com "Appetizer" (1994) - eleito o melhor debute lançado por um grupo sueco nos últimos vinte anos - Mattias IA Eklundh e seus companheiros trouxeram ao mundo letras agressivas e atrevidas, de bastante atitude, lembrando as bizarrices e loucuras do Faith No More.

No som, uma combinação experimental, esquisita, pesada, e que, aos poucos, evoluiu em termos melódicos, soando melhor aos ouvidos, como comprova "Dead Soul Men". Metal de peso e riffs estonteantes, emaranhados a passagens de jazz a'lá Allan Holdsworth, Shawn Lane & cia. Pegadas fortes, coalhadas de 'funk' e balanço ao nível de Extreme, Living Colour, King's X. Por fim, toques de metal técnico aqui e ali, os quais culminam em intensidade alucinante e ocupação mental total.

Tudo isso em mãos e mentes nitidamente conhecedoras de meios musicais diversos e que dominam vários destes assustadoramente. Obra de um trio excelente, liderado pelo fora de série Eklundh, quem, aliás, teve atuação fantástica na produção.

O incrível é finalizar a crítica de um disco tão essencial, e ter a certeza de que em futuro próximo haverá superação disso por eles próprios, num acerto ainda maior entre as variadas instrumentações mirabolantes e as melodias marcantes.

Site Oficial - http://www.freakkitchen.com

Line-Up:
Mattias IA Eklundh (Vocais - Guitarras - Teclados - Percussão)
Christian Gronlund (Baixo - Vocais)
Joakim Sjoberg (Bateria - Vocais)

Material cedido por:
Thunderstruck Productions 2000




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Freak Kitchen"


Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenFotos de Infância
Yngwie Malmsteen

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal HammerSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular Simple ManLynyrd Skynyrd
A história da espetacular "Simple Man"

Jared Leto: a reação ao se ver no papel do CoringaJared Leto
A reação ao se ver no papel do Coringa

Guitar Hero: veja como o jogo desgraçou uma geração inteiraGuitar Hero
Veja como o jogo desgraçou uma geração inteira

Silas Malafaia: pastor manda um stage-dive no meio da plateiaSilas Malafaia
Pastor manda um stage-dive no meio da plateia

Conceituais: 7 álbuns que fizeram história contando uma históriaConceituais
7 álbuns que fizeram história contando uma história


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336