Resenha - Live In San Francisco - Joe Satriani

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Site Oficial - http://www.satriani.com

Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Joe Satriani (Guitarras & Vocais)
Stu Hamm (Baixo)
Eric Caudieux (Teclados & Guitarras)
Jeff Campitelli (Bateria)

Depois do polêmico e bom "Engines Of Creation", nada mais adequado que o lançamento deste "Live In San Francisco", CD duplo que aparece, provavelmente, como o melhor disco ao vivo de um guitarrista solo em toda a história.

Já chegando à idade de debutante, a carreira de Joe Satriani merecia e precisava de algo que representasse toda a sua grandeza. Conseguiu, fazendo uma limpa em todos os álbuns do professor de Steve Vai, através de vinte e cinco faixas e mais de cento e quarenta minutos de música.

A estrela principal vem apoiada por uma banda de dar "medo". Eric Caudieux não é tão requisitado quanto os outros, mas quando aparece, se sai muito bem. Jeff Campitelli é arrasador e impressiona durante todo o tempo. O que falar então de Stu Hamm? Além de atuações impecáveis durante as músicas ao lado de Satch, despeja um solo de baixo - "Bass Solo" - perfeito. Técnica, pegada, musicalidade, e tudo mais que você possa imaginar. Stu não esqueceu de nenhum detalhe.

Vai ter gente reclamando da ausência dessa ou daquela música, isso é inevitável. Porém, com "The Crush Of Love", "Flying In A Blue Dream", "Ice 9", "Summer Song", "One Big Rush", "Always With Me, Always With You", "Big Bad Moon", "Friends", entre tantas outras... alegar o que? Creio que até aqueles que odiaram e criticaram o último álbum de estúdio, são sérios candidatos a se apaixonarem pelas versões 'humanas' de "Borg Sex", "Devil's Slide" e "Until We Say Goodbye".

A 'aparição' de Satriani dispensa comentários. Execuções incríveis, domínio total de todos os instrumentos e efeitos, senso melódico absurdo, e produção intocável. O mestre conseguiu atingir o auge. É um mago, que faz o simples parecer complexo, e que sobrevive no foco principal há três décadas, sem em nenhum momento ter soado datado ou moderno demais. Palmas pra ele!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Joe Satriani"


Joe Satriani: a diferença entre dar aula pra Steve Vai e Kirk HammettJoe Satriani
A diferença entre dar aula pra Steve Vai e Kirk Hammett

Guitarra: 5 músicos que se destacam nas 7 cordasGuitarra
5 músicos que se destacam nas 7 cordas

Joe Satriani: os álbuns que mudaram a vida do guitarristaJoe Satriani
Os álbuns que mudaram a vida do guitarrista


Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar ParanoidBlack Sabbath
Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"

Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill WardBlack Sabbath
O dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Viking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

Woodstock: som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urinaWoodstock
Som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urina

G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Cliff Burton: obra do baixista é a principal renda da famíliaCliff Burton
Obra do baixista é a principal renda da família

Guns N' Roses: Em 1988, o mais trágico show da história da bandaGuns N' Roses
Em 1988, o mais trágico show da história da banda


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336