Resenha - Fiendish Regression - Grave

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos


Os suecos do Grave voltam com seu violento death metal "old school" apresentando seu oitavo registro, o rolo-compressor "Fiendish Regression", cuja inovação em relação aos trabalhos anteriores está no local onde foi gravado, pois onde antes era tradição gravar no Sunlight Studio, desta feita optaram por visitar o Abyss Studios, local já lendário e preferido por muitas bandas mais extremas.

Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasLoudwire: as dez melhores bandas da era Grunge

E o resultado final ficou soberbo, pois "Fiendish Regression", além de manter suas características tradicionais de agressividade sonora, se alternando entre a cadência e a velocidade, agora sua música ficou ainda mais encorpada com tal mudança de ares, pois os produtores e irmãos Tägtgren tem experiência de sobra neste estilo.

Encabeçados por Ola Lindgren nas vozes e guitarras e Jonas Torndal na outra guitarra, essa dupla são os responsáveis por todas as composições e realmente são mestres na elaboração de riffs de altíssima qualidade que percorrem todas as faixas deste álbum, riffs para literalmente quebrar pescoços. O baixista Fredrik Isaksson executa com muita competência sua função e Pelle Ekegren, novo membro que já havia tocado em apresentações ao vivo como músico convidado, adicionou vida e grooves para a estrutura clássica do Grave. Realmente dá gosto escutar esse músico tocar sua bateria, sendo que seu trabalho com os bumbos é de tirar o fôlego.

As letras são os tradicionais ataques à religião católica ou temas mais mórbidos, urrados escandalosamente, complementando toda a parte instrumental e com certeza atingem o objetivo de agredir e mostrar toda a violência do estilo aos não-avisados.

Grave e este seu trabalho provavelmente agradará os apreciadores mais tradicionais do estilo e há grandes chances de angariar ainda mais fãs, pois, mesmo sendo sua música considerada extrema, é de muito bom gosto e tem os instrumentos muito bem definidos, nos permitindo realmente apreciar sua proposta.

Grave - Fiendish Regression
2004 - Century Media

01. Last Journey
02. Reborn
03. Awakening
04. Breeder
05. Trial by fire
06. Out of the light
07. Inner voice
08. Bloodfeast
09. Heretic

http://www.intothegrave.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Grave"


Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasSlipknot
Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras

Loudwire: as dez melhores bandas da era GrungeLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME

Cults: 10 álbuns influentes que fracassaram nas vendasCults
10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas

Centúrias: como surgiu a placa No Posers?Centúrias
Como surgiu a placa "No Posers"?

Heavy Metal: a história do estilo em uma única músicaHeavy Metal
A história do estilo em uma única música


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336