Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemEvanescence anuncia a saída da guitarrista Jen Majura

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemVinte excelentes músicas do Iron Maiden escritas pelo "chefe" Steve Harris

imagemSe vira nos 30: Andre Matos tomou cano de produtor e fez milagre pra agradar fãs

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen


Resenha - War Games - Grave Digger

Por Fernando De Santis
Em 07/01/05

Nota: 8

Quase duas décadas após o lançamento original, a Century Media disponibiliza no Brasil, "War Games", disco que fora lançado em 1986, após o bem sucedido "Witch Hunter". Na ocasião, o Grave Digger era formado por: C.F. Brank (baixo), Albert Eckardt (bateria), Chris Boltendahl (vocal) e Peter Masson (guitarra).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco aborda temas de guerra, como o nome do álbum já sugere. No encarte é possível ver imagens de guerra ou bombas, em gráficos no estilo vídeo game do tipo "Atari", fazendo uma referência ao título "War Games". Musicalmente, a banda soava muito mais crua em relação ao som que eles fazem atualmente. Tudo muito mais direto, guitarra com timbre no estilão heavy metal tradicional, vocal de Chris mais agudo e rasgado e composições menos complexas. "Keep on Rockin" é um metal direto, sem firulas, mas com um refrão bem grudento e com coro de vozes. "Heaven Can Wait" é aquela típica composição que começa com riff marcante e toda a melodia é baseada nele. Chega até soar um pouco como Judas Priest.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Love Is Breaking My Heart", pelo nome, já dá para perceber que é uma música meio que destoada das demais. Não só pela temática, mas pelo estilo. É uma baladinha romântica, mas muito interessante, com "piano" de fundo e um refrão muito bonito. Chris é o destaque na faixa "Paradise", que é outra composição construída em cima de um riff, mas que tem um refrão mais cadenciado. Destaque também para o belíssimo solo de Peter Masson, que não é virtuoso, mas é cheio de sentimento. "(Enola Gay) Drop The Bomb", volta a falar de guerra e bomba atômica e é o destaque do disco, por ser muito empolgante. Com certeza fez muitos garotos "baterem cabeças" nos anos 80 ao som dessa desse clássico. O álbum é encerrado com a faixa instrumental "The End", meio sombria, com sons explosões de background.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"War Games" não foi tão bem sucedido na época, mas carrega todo aquele clima de Heavy Metal tradicional dos anos 80. Som bem cru, mas muito empolgante, que é sempre bom ser revivido. Uma boa aproveitar esse relançamento da Century Media e coloca-lo na coleção.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre

Mais matérias de Fernando De Santis.