Resenha - 12:5 - Pain Of Salvation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Dutra
Enviar Correções  


O rock não morreu, muito menos é incapaz de apresentar novidades. Para azar ainda maior dos "mudernos" de plantão, o heavy metal é responsável pelo surgimento de bandas que, de uma maneira ou de outra, fazem diferença. Depois de quatro excelentes discos de estúdio, o Pain of Salvation apostou no formato acústico para o seu primeiro trabalho ao vivo e provou mais uma vez que é um dos grupos mais relevantes e criativos do rock pesado contemporâneo. Só isso já seria motivo suficiente para você comprar 12:5, mas o disco é mesmo primoroso.

Gravado em Eskilstuna, na Suécia, o CD é dividido em três partes - "Book I: Genesis", "Book II: Genesister" e "Book III: Genesinister" - e conta com músicas de todos os álbuns e novas composições: Brickwork Descend e Brickwork Ascend, cada uma dividida em duas partes. 12:5 abre com Leaving Entropia, que conta com os vocais sensacionais (e meio atormentados) de Daniel Gildenlöw e ficou ainda melhor que a versão original. O clima calmo é mantido com as curtas This Heart of Mine e Song for the Innocent - belíssimas e com um quê de Marillion - e Brickwork Descend 1.

publicidade

O show particular de Daniel continua na volta a Leaving Entropia e com Winning a War, numa ótima interpretação do guitarrista, vocalista e principal compositor do grupo sueco. Winning a War, aliás, ganhou uma melodia árabe na introdução, uma resposta aos que o criticaram por seu discurso contra o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush - não é necessário explicar as razões, certo? Reconciliation tem um belo tema de piano e, preciso fazer o registro, uma breve menção ao tema de Darth Vader em "Guerra nas Estrelas". Bom gosto a todo momento...

publicidade

O piano é novamente destaque na maravilhosa Dryad of the Woods, uma das músicas mais bonitas do Pain of Salvation, e na linda Undertown, esta pop e sombria ao mesmo tempo. Junto às ótimas Oblivion Ocean e Chainsling, esta com grandes backings e hamornias vocais, provam que a genialidade de Daniel como compositor tem o respaldo mais do que eficiente do restante da banda. O acústico acaba privilegiando os teclados de Fredrik Hermansson, mas Johan Langell (bateria), Kristoffer Gildenlöw (baixo) e Johan Hallgren (guitarra) há tempos já deram amostras suficientes de talento.

publicidade

As partes 1 e 2 de Brickwork Ascend abrem o "livro três" de maneira fenomenal, com um instrumental preciso destacando os violões na primeira e os teclados na segunda. Bonita e mais pop, conseqüentemente acessível, Second Love abre caminho para a excelente Ashes, com uma veia rock'n'roll bem Elvis Presley - não, você não leu errado - e outra na praia do soul. Brickwork Descend 2 fecha a apresentação num clima de jam espontâneo, com solos sensacionais de piano e violão sem descambar para o virtuosismo gratuito. Está esperando o que para comprar 12:5?

publicidade

Hellion Records: www.hellionrecords.com.br


Outras resenhas de 12:5 - Pain Of Salvation

Resenha - 12:5 - Pain Of Salvation




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Pain Of Salvation: Aquém, porém, ainda bom


Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Prog Metal: os 10 discos essenciais segundo o TeamRockProg Metal
Os 10 discos essenciais segundo o TeamRock


O Surto: Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in RioO Surto
"Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in Rio"

Andre Matos: o que ele faria se fosse mulher por um dia?Andre Matos
O que ele faria se fosse mulher por um dia?


Sobre Daniel Dutra

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin