Resenha - Reveal - R.E.M.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Michael Stipe

Peter Buck
Mike Mills

A magistral apresentação do R.E.M. no Rock In Rio III, fez crescer a expectativa do público em torno do novo álbum do grupo. Porém, esse falatório e a responsabilidade que caiu sobre os ombros de Michael Stipe e seus companheiros, parecem não ter gerado bons resultados.

Mesmo com toda a experiência de décadas de carreira, a banda não soube administrar o peso de ser considerada por alguns, como o maior acontecimento do pop rock atual. Trocando em miúdos: "Reveal" não passa de um disco bom, com alguns momentos gloriosos. Para ser mais preciso, com quatro de doze composições valendo realmente a pena.

Se a primeira impressão ficasse, eu diria que este álbum estaria próximo à perfeição, já que a faixa de abertura, "The Lifting", e as três subseqüentes, "I've Been High", "All The Way To Reno (You're Gonna Be A Star) e "She Just Wants To Be", são sensacionais e figuram facilmente entre as melhores composições da carreira do R.E.M. No entanto, essa escrita não funciona e depois de eliminar o êxtase inicial, fica fácil notar que da quinta à última música, o disco caminha por pequenas montanhas e profundos abismos.

"Disappear", "Saturn Return" e "Beat A Drum" têm boas passagens, mas suas melodias vocais são demasiadamente repetitivas e alguns efeitos gênitos da modernidade as atrapalham bastante. Depois delas temos "Imitation Of Life", que é um caso a ser tratado a parte.

Fica óbvio que a escolha de "Imitation Of Life" como primeiro single e vídeo clip do novo álbum, é coisa de gravadora. Escolheram a música mais alegrinha, de instrumental mais simples e letra totalmente perdida, cheia de idéias desconexas jogadas para todos os lados. Tudo esperado e natural na era de Backstreet Boys e 'N Sync, mas, de toda forma, é lamentável constatar que nós, ouvintes, somos vistos como abestalhados dançantes, incapazes de ouvir algo mais reflexivo.

Na seqüência aparecem "Summer Turns To High", "Chorus And The Ring", "I'll Take The Rain" e "Beachball", que mostram mais uma vez um R.E.M. irregular, com muitos altos e baixos.

Os fãs com certeza vão curtir, já que o disco tem um direcionamento definido e a marca do R.E.M. estampada. Todavia, está longe de ser um trabalho que firme a banda no topo da vertente mais 'light' do rock. Outros conjuntos e o próprio grupo liderado por Michael Stipe, já lançaram coisas bem superiores.

Site Oficial - http://www.remhq.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "REM"


R.E.M.: música rara é lançada em prol das vítimas do furacão DorianREM: Monster ganhará edição super deluxe, com inéditas

R.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarR.E.M.
Banda é dona da faixa que mais faz o homem chorar

Time Magazine: os 100 maiores álbuns de todos os temposTime Magazine
Os 100 maiores álbuns de todos os tempos

R.E.M: Eddie Vedder conta como uma loja de discos ajudou a formar a bandaR.E.M
Eddie Vedder conta como uma loja de discos ajudou a formar a banda


Raul Seixas: Perguntas e respostas e curiosidades diversasRaul Seixas
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Pink Floyd: The Wall é uma obra de arte conceitualPink Floyd
The Wall é uma obra de arte conceitual

Fama: 5 bandas que são grandes no exterior e nem tanto no BrasilFama
5 bandas que são grandes no exterior e nem tanto no Brasil

Guns N' Roses: a família brasileira de Axl RoseGuns N' Roses
A família brasileira de Axl Rose

G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Velvet Revolver: Slash detalha seu período nas drogasVelvet Revolver
Slash detalha seu período nas drogas

Dream Theater: John Myung explica porque usa um baixo de seis cordasDream Theater
John Myung explica porque usa um baixo de seis cordas


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClioIL