Resenha - Metal - C.O.E.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Haggen Kennedy
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


S. L. Coe, sem dúvida, tem um ótimo currículo para mostrar. Em 88 cantou no Angel Dust; em 90 estava no Scanner; em 95 pulou pro Reactor; em 97 já estava no Grosstadtindianer; e daí para o C.O.E., banda fundada pelo próprio em 99.

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Regis Tadeu: Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiro

A banda em si é boa. Os integrantes são bons músicos e apresentam músicas de relativa qualidade. "Iron Sword", a faixa que abre o disco, é bem interessante e mostra o estilo que a banda segue até o final do álbum. A segunda, "Warrior Don't Be Afraid", também possui uma melodia legal, com um pequeno segmento em violão bastante bonito.

"Open the Gate" e "Sargate" são metal puro. Mais do que elas, só "Have A Drink On Me", que começa de maneira monumental, destacando-se como a melhor do CD. Música que, aliás, foi composta como um bom "foda-se" aos que estão contra S. L. Coe.

Como último destaque das 12 faixas, há a décima, intitulada "Paradise City" (lhe lembra alguma coisa?). Pois é, cover do Guns 'n' Roses. Até aí tudo bem. O problema é ter que admitir que a versão com o Guns está (bem) melhor.

Em suma, "Metal" é um bom disco, e faz jus ao nome - você não vai encontrar outra coisa vindo dele. O que acontece é que, como grande parte das bandas atuais, vê-se pouca coisa que não tenha sido ouvida antes. Se o que você procura, entretanto, é o velho heavy, independentemente de ser datado ou não, esse álbum lhe caberá como uma luva.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Coe"


Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Regis Tadeu: Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiroRegis Tadeu
Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiro

Lemmy: tatuagens, política, strippers e atrizes pornôLemmy
Tatuagens, política, strippers e atrizes pornô

Mascotes de bandas: GigWise elege os 14 mais famososMascotes de bandas
GigWise elege os 14 mais famosos

Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyZakk Wylde e Dave Grohl
A treta por causa de canções para Ozzy

Immortal: achando que estava só, Abbath tentou registrar marcaImmortal
Achando que estava só, Abbath tentou registrar marca

Não culpe as gravadoras: você que é um tosco mesmo!Não culpe as gravadoras
Você que é um tosco mesmo!


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy no Whiplash.Net.