Resenha - Between Light and Darkness - Dark Moor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O Dark Moor sofreu um duro golpe com a saída da excelente vocalista Elisa Martin, do baixista Ana Kaddouri e do baterista Jorge Saez. Perdeu-se a excelente voz de Elisa e sua bela capacidade de escrever letras marcantes. Os membros remanescentes, os guitarristas Enrik Garcia e Albert Maroto, lançaram este cd como uma homenagem aos fãs, contendo músicas inéditas e bônus tracks que saíram em versões especiais de seus cd's, sendo realmente uma despedida da formação que gravou três cd's e teve sucesso pela Europa e Japão. Agora em 2003, com uma nova formação, a banda se prepara para lançar em breve seu novo cd, auto intitulado. Mas por enquanto vamos nos manter no passado e analisar este canto de cisne que chega ao Brasil via Rock Brigade Records.

Iron Maiden: a fotografia de "The Final Frontier"Ramones: Perguntas e respostas e curiosidades

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O cd abre com uma belíssima balada "Memories", orquestrada, com belos vocais de Elisa e uma levada emocionante, coisa de quem sabe mesclar a força do heavy com a beleza do erudito. "From Down to Dusk" segue o mesmo caminho, com uma sonoridade que se aproxima de leve com os italianos do Rhapsody, embora o Dark Moor seja mais contido nas partes clássicas. O mesmo pode-se dizer de "A Lament of Misery", que soa linda, com o arranjo de cordas e os vocais de Elisa.

As baladas se fazem bem presentes, com "Echoes of the Seas" (que mostra ao Lacrimosa como fundir erudito com heavy sem soar enjoativo) e "Mistery of Goddess", cuja mudança de andamento é impressionante. Momentos mais agitados podem ser conferidos em "The Shadow of The Nile", que ficou perfeita com as orquestrações e o belíssimo andamento, mesclando um som heavy com momentos quase pop. O cd termina com uma versão orquestrada para "Dies Irae", que ficou muito boa, com um andamento que não cansa e com uma orquestra contida, mas presente, dividindo bem o espaço com as guitarras, e a pesada "The Fall Of Madness", que é de longe o maior momento do cd.

O Dark Moor em muitas faixas abriu mão do peso que caracterizava seu som para enfocar mais as partes clássicas. Tal fato poderia gerar um cd cansativo, mas isto não ocorre. Surge um produto de alto nível, que foge ao rótulo de caça-níqueis, e que merece atenção. Tomara que a banda consiga manter o nível com seu novo cd.

Site Oficial: http://www.dark-moor.com

Material Cedido Por:
Rock Brigade Records/Laser Company
Http://www.rockbrigade.com.br
http://www.lasercompany.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Moor"


Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal


Iron Maiden: a fotografia de The Final FrontierIron Maiden
A fotografia de "The Final Frontier"

Ramones: Perguntas e respostas e curiosidadesRamones
Perguntas e respostas e curiosidades


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336