Resenha - Dr. Sin II - Dr. Sin

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando De Santis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Seguindo os mesmos passos que o cantor Lobão, a banda Dr. Sin fez o lançamento nacional do seu novo disco, "Dr. Sin II", nas bancas de jornais. Segundo a própria banda, essa é uma maneira para que mais pessoas tenham acesso ao novo disco deles, porém, dá para perceber também que é uma "jogada" para se evitar a pirataria de CDs (afinal, quem iria piratear um CD que é vendido em bancas de jornais por um preço baixo?). Ainda na compra do CD vem uma revista da banda, com uma série de fotos das gravações do disco, entrevista com a banda, comentários de todas as faixas, além das letras das músicas.

Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuHeavy Metal: as piores capas dos grandes artistas do gênero

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro fato que marca esse novo disco é a mudança na formação. A banda deixou de ser um trio e passou a ser um quarteto. O famoso vocalista Michael Vescera (ex-Malmsteen, Obsession, Loudness, e que recentemente havia gravado o disco solo de Roland Grapow) assumiu os vocais que eram de Andria Busic.

O disco começa com a música "Time After Time", que tem um certo peso, mas tem cacoete de rock progressivo. Logo de cara o vocal de Michael Vescera mostra sua potência. Sem dúvida alguma, um grande reforço para a banda. Essa música conta com uma participação mais do que especial: Roland Grapow (guitarrista do Helloween) gravou dois solos nessa música, os quais, segundo a própria banda, Roland inventou no momento da gravação (e ficaram perfeitos). A segunda faixa, "Danger", demonstra um metal mais simples, porém muito interessante. Destaque para o vocal impecável de Mr. Vescera e para os solos de Eduzinho, que beiram a perfeição, provando ser um dos maiores guitarristas brasileiros da atualidade (se não for o maior).

A belíssima balada "Eternity" é um dos pontos altos do álbum, porém, é o único momento no disco em que a banda não vem com "peso total". A música "Miracle" traz uma lembrança do primeiro álbum da banda, o "Dr. Sin", com um som bem semelhante a algumas composições que eles fizeram em 1993. A música "Same Old Story" é uma composição antiga de Edu, de 1991, que sofreu algumas modificações e acabou entrando nesse disco. A música ainda conta com a participação do guitarrista Sergio Buss (que tocou com Steve Vai em alguns shows), fazendo os solos da música. Destaque para a música "Pain", que não chega a ser tão rápida ou pesada, mas consegue agradar em cheio, pois tem um belíssimo refrão, e destaque também para "Devil Inside", com um estilo diferente das demais músicas, algo mais "funky", com uma batida diferente e riffs marcantes.

Uma nova fase para a banda Dr. Sin, que já era muito competente. Agora, com esse belíssimo disco e a ajuda do vocal de Michael Vescera, a banda tem tudo para "estourar" no exterior e se tornar a banda brasileira de maior expressão mundial.


Outras resenhas de Dr. Sin II - Dr. Sin

Dr. Sin: Eles provaram que quando se quer, se consegue




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dr Sin"


Dr.Sin: acabou-se a magia da espera de um discoDr.Sin
"acabou-se a magia da espera de um disco"

Dr. Sin: Agora todo mundo lamenta? Vão se foder!, diz Regis TadeuDr. Sin
Agora todo mundo lamenta? Vão se foder!, diz Regis Tadeu


Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuAnos 80
Bandas nacionais que o tempo esqueceu

Heavy Metal: as piores capas dos grandes artistas do gêneroHeavy Metal
As piores capas dos grandes artistas do gênero


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336