Santana e Hendrix: separados por uma "carreira"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fotoboard Tramparia, Fonte: Carlos Santana - Tom Universal
Enviar correções  |  Ver Acessos

Dois dinossauros da guitarra se encontraram na década de 60, CARLOS SANTANA, um novato mexicano cheio de swing e JAMES MARSHALL HENDRIX, um talentoso negro maluco americano.

Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoMax Cavalera: "Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

SANTANA estava lá para aprender, enquanto HENDRIX, para tocar, gravar e deixar seu mundo mais colorido com gotinhas lisérgicas.

Coleção Cifranegriana: Capa do 1º álbum da banda de CARLOS SANTANA, lançado em 1969. Com um piano limpo e suave de ouvir, começa a música Treat, presente no relançamento do trabalho, em 1999. Tal canção combina com festas ao ar livre, viagens e praia.

CARLOS nunca foi santo, mas sabia de seus limites, não perdeu para as drogas e persistiu no canto. Diferente de JIMI, que nunca aprendeu isso e acabou a sete palmos do chão.

Histórias à parte, agradecemos a ambos pelas obras-primas compostas, as quais poderão ser ouvidas, até chegar o momento de nos encontrarmos com HENDRIX.

Confira como foi o encontro épico de CARLOS e JAMES, no trecho retirado do livro Tom Universal, escrito por CARLOS SANTANA, Ashley Kahn e Hal Miller.

Local de Publicação: Rio de Janeiro| Ano: 2015 | Páginas: 608 | Editora BestSeller | Foto de Capa: Rubén Martín | Capa adaptada da original de Alisson J. Warner.

A primeira vez que JIMI HENDRIX e eu realmente nos falamos como músicos foi em agosto, em Bay Area, embora aquela não fosse a primeira vez que nos encontrávamos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 1967, uma semana depois de a nossa banda ter sido demitida por Bill por chegar atrasada, Caravello conseguiu, de alguma forma, fazer com que entrássemos naquele show do The Fillmore para conhecer HENDRIX.

Estávamos tentando nos esquivar de Bill, e não tínhamos nenhum dinheiro conseguimos entrar exatamente quando a passagem de som estava começando.

De qualquer maneira, Bill não iria se importar muito, porque ele estava mais ocupado com os amplificadores que não funcionavam.

Tudo estava dando microfonia, guinchando como se fossem porcos eletrocutados.

Finalmente, eles conseguiram consertar, e nós ficamos nos bastidores, pouco antes de a banda entrar. JIMI e eu não havíamos dito nada um ao outro, a não ser nos cumprimentado, e de repente todo mundo foi ao banheiro todo mundo.

Alguém disse: "Ei, cara, está afim de se juntar a nós?"

Eu era jovem, mas sabia o que eles iam fazer. "Não, cara. Não estou afim de cheirar cocaína."

"Tem certeza? É do Peru muito boa."

"Vá em frente, cara. Eu já estou legal".

Foi quando comecei a usar o meu mantra em relação aos excessos de tais celebrações.

"Eu já estou legal, cara. Não quero ir além disso".

E então JIMI tocou e os dois shows daquela noite foram incríveis. Eu não conseguia acreditar o modo como ele obrigava sua guitarra a produzir aqueles sons.

Já não soava mais como cordas e amplificadores seu som era intergaláctico, com frequências espectrais que vinham das notas, mas que resultavam em algo muito maior do que isso. As vezes, parecia o Grand Canyon gritando.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fiquei pensando: "Puta merda." GABOR também estava naquele programa, e naquela primeira noite seu som pareceu bom, mas tenho certeza absoluta de que GABOR nunca mais iria querer que HENDRIX abrisse um show seu novamente.

Foi ele quem me disse isso quando moramos na mesma casa por um tempo, em 1971, e quase lançamos uma banda juntos.

Este era o impacto de HENDRIX ele surgiu e atravessou o cenário como se fosse um conquistador empunhando sabres de luz e raios lasers, armas que ninguém nunca tinha visto ou ouvido antes.

Eu o assisti cerca de sete vezes no total, e aquela noite foi sensacional.

Mas nenhum show de HENDRIX superou o que eu o vi fazer em uma feira no condado de Santa Clara, em San Jose, em 1969. Nunca o ouvi se saindo melhor do que aquilo.

Essa matéria faz parte da categoria Trecharias BioRockers e da Biblioteca Cifranegriana - Portalblog cifranegramisterial.com

Faixa 2: Treat | Álbum - Lado B: Santana (1969) | Gravadora: Columbia Records | Produtores: CARLOS SANTANA, Brent Dangerfield

Contracapa livro CARLOS SANTANA - O Tom Universal

Faixa 10: Caravan* | Álbum: Jazz Raga (1966) | GABOR SZABO foi um guitarrista da Hungria | Produtor: Bob Thiele |* Música original composta pelo trompetista porto-riquenho JUAN TIZOL.

Faixa 1: Freedom | Lado A - Álbum: Cry Of Love (1968-1970) | Gravadora: Reprise Records | JIMI HENDRIX




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Santana"Todas as matérias sobre "Jimi Hendrix"


Slash: guitarrista fala sobre Jimi HendrixSlash
Guitarrista fala sobre Jimi Hendrix

Mofodeu: os 20 bateristas mais importantes dos anos 60 e 70Mofodeu
Os 20 bateristas mais importantes dos anos 60 e 70


Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoBandas Novas
10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco

Max Cavalera: Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!Max Cavalera
"Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"


Sobre Fotoboard Tramparia

Fotógrafo artístico que registra e cria cenários com objetos ligados a cultura pop/rock, como CDs, livros, camisetas etc. Edita textos, fotos e divulga bandas no Portalblog cifranegramisterial.com. Desde os tempos de guri, ouve Led Zeppelin, The Cult, Rush, AC/DC, Iron Maiden, Guns N' Roses, Alice In Chains, entre outras inúmeras lendas do rock/metal. Toca piano e teclado, pratica esportes e está sempre em busca de energia rock and roll e da natureza.

Mais matérias de Fotoboard Tramparia no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280