The Beatles: 50 anos de uma revolução cultural

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel de Paiva Cazzoli
Enviar correções  |  Comentários  | 

Não sou o primeiro e nem serei o último a escrever sobre este álbum. Nada do que eu comentar aqui será novidade. Tudo já foi dito e revelado sobre o processo de composição, o conceito criado por PAUL MCCARTNEY, a arte da capa, as ousadias em estúdio... não há novidades.

171 acessosPaul McCartney e Bono: em vídeo, falando sobre aquecimento global5000 acessosFreddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação

Mas estou falando de algo eterno. Meio século. Cinco décadas. Cinquenta anos. O número é simbólico e o assunto é sério. Sim, tudo que se relaciona com arte deve ser tratado com seriedade.

Agora, quando o tema é envolto em mística e adquire contornos históricos, é impossível ficar calado. “Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band” não é meu álbum preferido dos Fab Four. “Álbum Branco” ainda fica na frente. Só que não há como discordar da revolução que essa preciosidade trouxe ao mundo. Nada do que foi feito antes soava parecido... e muito do que se fez depois bebeu dessa fonte. Para quem duvida da genialidade daqueles quatro rapazes nascidos em Liverpool em plena Segunda Guerra Mundial, está aqui neste disco a prova definitiva de que os BEATLES não vieram ao planeta Terra a passeio.

Instrumentos nunca utilizados, músicos de orquestra com narizes de palhaço, JOHN LENNON e sua rebeldia inspiradora, exigindo que um som de circo invadisse “Being for the Benefit of Mr. Kite!”, a cítara instigante de GEORGE HARRISON alinhada à psicodelia da época, RINGO STARR sendo ele mesmo ao pedir uma “pequena ajuda de seus amigos”. E Paul, o mais completo compositor contemporâneo, musicando uma tragédia com uma melodia maravilhosa: “She’s leaving home”, sublime em suas notas e harmonias e desesperadora em sua letra.

Só mesmo uma banda fora de série para juntar duas partes de uma canção usando um despertador para anunciar quando acabava o folhetim tragicômico de John e começava o "Woke up, fell out of bed…" de Paul.

O mago dos estúdios, George Martin, soube atender os desejos de cada um daqueles excêntricos roqueiros e utilizar os parcos recursos da época para entregar à posteridade o documento inefável de que a humanidade pode fazer sempre a diferença. Basta traduzir os dons oferecidos pelo Divino em sabedoria e bom gosto.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

John LennonJohn Lennon
Em carta inédita ele fala a sua ex esposa sobre Yoko e LSD

171 acessosPaul McCartney e Bono: em vídeo, falando sobre aquecimento global1142 acessosAleister Crowley: em vídeo, 8 fatos obscuros sobre a "Besta 666"1521 acessosBásico: 100 discos que você precisa ter para não passar vergonha491 acessosBiografias: apenas mais um motivo para gostar de rock0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
"Os Beatles mudaram a minha vida!"

BeatlesBeatles
Qual foi o maior erro cometido por Brian Epstein?

BeatlesBeatles
Capivaras catarinenses recriam foto histórica

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"0 acessosTodas as matérias sobre "Paul McCartney"0 acessosTodas as matérias sobre "John Lennon"0 acessosTodas as matérias sobre "Ringo Starr"0 acessosTodas as matérias sobre "George Harrison"

Freddy FrenzzyFreddy Frenzzy
O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação

AC/DCAC/DC
As 10 melhores músicas da banda com Bon Scott

Zakk WyldeZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista

5000 acessosNew York Times: os 100 melhores covers de todos os tempos5000 acessosNotas altas: as dez mais impressionantes do Heavy Metal5000 acessosOzzy Osbourne: os conselhos do Madman sobre masturbação5000 acessosGuitarra: mais uma vez, qual a diferença entre punk e metal?5000 acessosJohn Lennon: O tardio perdão do Vaticano à blasfêmia5000 acessosGuns N' Roses: Syang incorpora Axl Rose em "reality cópia" do SBT

Sobre Daniel de Paiva Cazzoli

Daniel é bancário, professor de Inglês e Português, fanático por Rock´n´Roll em quase todas as suas vertentes, tendo como início de tudo o quarteto fabuloso de Liverpool.

Mais matérias de Daniel de Paiva Cazzoli no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online