The Beatles: 50 anos de uma revolução cultural

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel de Paiva Cazzoli
Enviar correções  |  Ver Acessos

Não sou o primeiro e nem serei o último a escrever sobre este álbum. Nada do que eu comentar aqui será novidade. Tudo já foi dito e revelado sobre o processo de composição, o conceito criado por PAUL MCCARTNEY, a arte da capa, as ousadias em estúdio... não há novidades.

Sexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário RockSeparados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda Lima

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas estou falando de algo eterno. Meio século. Cinco décadas. Cinquenta anos. O número é simbólico e o assunto é sério. Sim, tudo que se relaciona com arte deve ser tratado com seriedade.

Agora, quando o tema é envolto em mística e adquire contornos históricos, é impossível ficar calado. "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" não é meu álbum preferido dos Fab Four. "Álbum Branco" ainda fica na frente. Só que não há como discordar da revolução que essa preciosidade trouxe ao mundo. Nada do que foi feito antes soava parecido... e muito do que se fez depois bebeu dessa fonte. Para quem duvida da genialidade daqueles quatro rapazes nascidos em Liverpool em plena Segunda Guerra Mundial, está aqui neste disco a prova definitiva de que os BEATLES não vieram ao planeta Terra a passeio.

Instrumentos nunca utilizados, músicos de orquestra com narizes de palhaço, JOHN LENNON e sua rebeldia inspiradora, exigindo que um som de circo invadisse "Being for the Benefit of Mr. Kite!", a cítara instigante de GEORGE HARRISON alinhada à psicodelia da época, RINGO STARR sendo ele mesmo ao pedir uma "pequena ajuda de seus amigos". E Paul, o mais completo compositor contemporâneo, musicando uma tragédia com uma melodia maravilhosa: "She's leaving home", sublime em suas notas e harmonias e desesperadora em sua letra.

Só mesmo uma banda fora de série para juntar duas partes de uma canção usando um despertador para anunciar quando acabava o folhetim tragicômico de John e começava o "Woke up, fell out of bed..." de Paul.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O mago dos estúdios, George Martin, soube atender os desejos de cada um daqueles excêntricos roqueiros e utilizar os parcos recursos da época para entregar à posteridade o documento inefável de que a humanidade pode fazer sempre a diferença. Basta traduzir os dons oferecidos pelo Divino em sabedoria e bom gosto.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Beatles"Todas as matérias sobre "Paul McCartney"Todas as matérias sobre "John Lennon"Todas as matérias sobre "Ringo Starr"Todas as matérias sobre "George Harrison"


Beatles: John Lennon e sua paixão por gatosBeatles
John Lennon e sua paixão por gatos

Ultimate Classic Rock: as 50 melhores canções dos BeatlesUltimate Classic Rock
As 50 melhores canções dos Beatles


Sexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário RockSexo Anal
Saiba onde encontrar esse prazer no cenário Rock

Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda LimaSeparados no nascimento
Sebastian Bach e Fernanda Lima


Sobre Daniel de Paiva Cazzoli

Daniel é bancário, professor de Inglês e Português, fanático por Rock'n'Roll em quase todas as suas vertentes, tendo como início de tudo o quarteto fabuloso de Liverpool.

Mais matérias de Daniel de Paiva Cazzoli no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280