Sepultura: o que aconteceria se Max não tivesse saído em 1996?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Uma pergunta que até hoje faz parte da maioria dos metalheads brasileiros: o que aconteceria se o Sepultura não tivesse se separado em 1996?

Grandes covers: cinco versões para "Refuse/Resist", do SepulturaAndreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarrista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para responder, é preciso contextualizar o momento que a banda vivia na época. Em 20 de fevereiro de 1996 o Sepultura lançou o seu sexto disco, "Roots", e mergulhou de forma profunda no caminho que havia iniciado três anos antes, com "Chaos A.D." (1993). As batidas primais e a intensificação das influências brasileiras tornaram a música do Sepultura, que sempre foi singular, em algo pra lá de único. A faixa de abertura e primeiro single, "Roots Bloody Roots", deixou meio mundo boquiaberto com a sua sonoridade agressiva, pesada e turbinada por uma batida crua e influenciadíssima pela cultura tupiniquim. Um clássico instantâneo e também apenas a ponta do iceberg, que se revelaria em sua plenitude em composições como "Attitude", "Cut-Throat", "Ratamahatta" e "Breed Apart", que apresentavam uma nova maneira de fazer heavy metal.

"Roots" foi aclamado pela crítica. Os ritmos e andamentos incomuns ao metal foram saudados como uma grande inovação. Veículos tradicionais e fora da mídia especializada no gênero, como o jornal norte-americano Los Angeles Times, saudaram o álbum com frases de efeito como "a mistura entre o metal denso e pesado do Sepultura e a música brasileira criou um efeito intoxicante". O The Dailiy News declarou que "o Sepultura reinventou a roda em Roots. Misturando o metal a instrumentos nativos de seu país, a banda ressuscitou um gênero que apresenta sinais de cansaço, relembrando o que o Led Zeppelin fez ao rock. Mas enquanto o Led uniou o rock inglês a batidas africanas, o banda brasileira utilizou elementos do seu próprio país. Buscando inspiração no passado, o Sepultura mostrou o caminho que o metal deve seguir no futuro".

No jornalismo especializado, a aclamação foi semelhante. O renomado escritor canadense Martin Popoff colocou "Roots" na décima-primeira posição em sua lista com os melhores discos de metal de todos os tempos, presente no livro "The Collector's Guide to Heavy Metal". Nas palavras de Popoff, "Roots é um espetacular álbum de metal e hardcore futurista, uma obra-prima, concebido por uma banda com um coração enorme e uma inteligência ainda maior". A revista inglesa Kerrang! colocou "Roots" na segunda posição em sua lista Os 100 Discos que Você Precisa Ouvir Antes de Morrer, atrás apenas de "In Útero", do Nirvana. A Q Magazine incluiu "Roots" em sua lista Os 50 Álbuns Mais Pesados de Todos os Tempos. A Rolling Stone Brasil colocou o álbum na posição 57 em sua lista com os melhores discos brasileiros já feitos.

O sucesso de crítica se repetiu também com o público. "Roots" alcançou a posição número 27 na Billboard e ficou em quarto lugar na parada britânica. O disco vendeu muito em todo o mundo, alcançando a marca de 500 mil cópias nos Estados Unidos em 2005, 100 mil na França em 1997 e 100 mil na Inglaterra em 2001.

O Sepultura estava no topo do mundo com "Roots", subindo com velocidade e não dando sinais de que iria parar. A criatividade da banda e as composições de Max Cavalera - dez das dezesseis faixas eram assinadas pelo vocalista - jogaram todos os holofotes do mundo para o grupo. A influência de "Roots" foi sentida de forma profunda no groove metal e no ainda nascente nu metal, tornando o disco referência para ambos os estilos. No entanto, não ficou restrita a eles. Outros gêneros como o thrash, o death e até mesmo o black metal foram influenciados pela música da banda, e isso ficou claro com o passar dos anos. "Roots" influenciou o metal como um todo.

Com um público cada vez mais crescente, fazendo shows em todo o planeta e recebendo elogios de músicos que antes eram ídolos, como Ozzy Osbourne, o Sepultura acabou se despedaçando quando o trio Andres Kisser, Paulo Jr. e Igor Cavalera, insatisfeito com o trabalho da empresária Gloria Cavalera, esposa de Max, tomou a decisão de demitir a americana do cargo, alegando que ela dava mais destaque para o vocalista do que para os demais integrantes. Um caso clássico de ciúmes puro e simples, intensificado pelas esposas dos músicos, como ficou claro anos mais tarde. Max, que no período atravessava uma fase complicada devido à morte de Dana Wells, seu enteado e filho de Gloria, ficou enraivecido com o trio e decidiu deixar o grupo, formando o Soulfly em 1997.

Mas e se nada disso tivesse ocorrido e a banda continuasse junto, o que teria acontecido? Até onde o Sepultura poderia ter chegado? É correto supor que, com o sucesso alcançado pelo caminho iniciado em "Chaos A.D." e aprofundado em "Roots", a banda intensificaria as experiências com sons e batidas tribais brasileiras, gravando mais alguns discos nessa linha. Foi o que Max, o principal compositor do grupo, fez nos três primeiros álbuns do Soulfly - "Soulfly" (1998), "Primitive" (2000) e "3" (2002). Com a presença dos demais integrantes, as ideias de Max ao invés de virem ao mundo como vieram nesses discos, teriam o toque pessoal da guitarra de Kisser e das batidas sem igual de Igor, criando algo que certamente seria único e diferente de tudo o que estava sendo feito na época. A criatividade crescente do grupo, incentivada pela aceitação crítica e popular de sua música, daria segurança para a banda criar mais dois ou três discos nessa linha, explorando até o limite o caminho que estavam seguindo nos dos últimos discos com Max e tornando-se um dos maiores nomes do metal em todo o planeta.

Não é exagero - pelo contrário, soa bastante plausível - supor que o Sepultura teria gravado, ainda durante a década de 1990, um disco que poderia ser classificado como uma espécie de "seu Black Album", onde tornaria a já azeitada união de elementos distintos ouvida em "Chaos A.D." e "Roots" ainda mais audível para o grande público. Isso faria a banda estourar de vez em todo o planeta, transformando o grupo em um dos mais populares do metal na década, rivalizando inclusive com Metallica e outros gigantes do período - fato que, na época de "Roots", não estava tão distante assim de acontecer. Se já era possível visitar o interior do País de Gales e encontrar uma pequena ponte com o nome da banda pichado - como relatado por Herbert Viana em uma entrevista -, esse hipotético "Black Álbum" dos mineiros faria com que Max e companhia se transformassem em alguns dos músicos mais conhecidos da época. A relação próximo que o quarteto possuía com nomes como Ozzy e outras lendas tornaria esse caminho ainda mais fácil.

É provável que, com a chegada da década de 2000 e o crescimento gradual da demanda por rock clássico e o retorno de bandas veteranas, o Sepultura, que já havia ido até onde poderia ir com os seus experimentos étnicos, fizesse um retorno gradual ao death e thrash de álbuns como "Beneath the Remains" (1989) e "Arise" (1991), criando uma música que traria elementos destes dois gêneros somada à características dos demais estilos que o grupo explorou durante a década de 1990, como o groove, o nu metal e o toque brasileiro sempre presente. Isso consolidaria uma sonoridade que, além de extremamente particular, também seria muito popular entre os fãs e bastante influente.

Já maduros, rodados e experientes, os integrantes do Sepultura - que manteria a sua formação clássica - possuiriam status de verdadeiros ícones e lendas da música em todo o planeta, algo semelhante ao que é atribuído a nomes como James Hetfield e Dimebag Darrell, por exemplo. Com reconhecimento e estabilidade, a banda seguiria gravando grandes álbuns, intensificando, com a idade, os aspectos extremos de sua música.

A conclusão é que, caso não tivesse se separado, o Sepultura seguiria crescendo e seria uma das maiores bandas de metal de todos os tempos - algo que realmente é, mas em escala muito maior. Popular, influente e original ao extremo, o quarteto mineiro possuiria a força de um Slayer mesclada a popularidade de um Metallica, e se tornaria um dos maiores nomes da história do metal, em todos os sentidos.

Uma pena que o vôo foi abortado logo depois da decolagem e o destino jamais foi revelado.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Sepultura"


Grandes covers: cinco versões para Refuse/Resist, do SepulturaGrandes covers
Cinco versões para "Refuse/Resist", do Sepultura

Sepultura: vídeo profissional de show completo em Paris

Derrick Green: João Gordo pergunta se ele conhece Max CavaleraDerrick Green
João Gordo pergunta se ele conhece Max Cavalera

Sepultura: por que a nova música Isolation não está disponível no BrasilSepultura
Por que a nova música "Isolation" não está disponível no Brasil

João Gordo: com saudades de Max, ele resgata outra foto com SepulturaJoão Gordo
Com saudades de Max, ele resgata outra foto com Sepultura

Max Cavalera: em vídeo, uma cabulosa história que você não conheceMax Cavalera
Em vídeo, uma cabulosa história que você não conhece

Thrash Metal: em vídeo, o top 5 das bandas mais rápidas do Brasil

João Gordo: com saudades do velho amigo Max CavaleraJoão Gordo
Com saudades do velho amigo Max Cavalera

Sepultura: nova música Isolation critica sistema carcerário americanoSepultura
Nova música "Isolation" critica sistema carcerário americano

Sepultura: álbum Quadra é dividido em 4 partes, como um vinil duploSepultura
álbum "Quadra" é dividido em 4 partes, como um vinil duplo

Sepultura: Eles fariam um cover de Bieber por 1 milhão?Sepultura
Eles fariam um cover de Bieber por 1 milhão?

Soulfly: em vídeo, arrasando em Roots Bloody Roots ao vivoSoulfly
Em vídeo, arrasando em "Roots Bloody Roots" ao vivo


Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarristaAndreas Kisser
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer partePoeira
Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336