The Doors: filme de Oliver Stone resgata a banda nos anos 90

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Adriano Carlos Tardoque, Fonte: Blog Sonoro Panegírico
Enviar correções  |  Comentários  | 


Em 2009, após dezoito anos do lançamento do filme nos cinemas, The Doors, de Oliver Stone foi lançado em DVD, pela Sony Pictures. O box continha dois discos: o primeiro com o filme que apresenta versões de áudio e legendas em português (aleluia!) e o segundo com extras de produção, cenas excluídas, locações e depoimentos, todos estes relacionando o casting com a própria trajetória da banda. Surpreendente é ver no verso da capa do DVD, um selo da APCM (Associação Anti-Pirataria Cinema e Música), ao lado da indicação “não recomendado para menores de 18 anos... contém: conflitos psicológicos, violência, sexo e consumo de drogas”. Deixando a questão da censura para outro momento, The Doors – O Filme é um dos casos clássicos em que os responsáveis pelos direitos do filme “clamaram” pela pirataria. Levando-se em conta o papel do longa em seu período de lançamento, seu sucesso junto ao público, impulsionado pelo forte apelo comercial da indústria fonográfica que “re-descobria” o rock, levar quase uma década para tal lançamento foi, no mínimo, burrice! O filme foi interminavelmente copiado em VHS, DVD e digital! Algo óbvio, uma vez que o fã de cinema e rock certamente desejará tê-lo na estante, tamanha sua importância. O duro é saber que só foi permitido o lançamento agora, em vésperas da transição do atual formato para a tecnologia blue-ray (que já dispunha do título, bem antes). Brasileirices.
542 acessosThe Doors: todos os singles estão compilados em novo lançamento5000 acessosManowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?

O “SOLDADO CONHECIDO”: OLIVER STONE

Todas as vezes que você souber do lançamento de um filme do cineasta Oliver Stone, jamais deixe de observar o contexto de acontecimentos históricos, pelo menos nos cinco anos anteriores a sua estreia. Quando tomou as telas em 1991, o filme The Doors tinha como pano de fundo principal, no contexto norte-americano, a Guerra do Golfo e, no panorama mundial, os “cacos” do Muro de Berlim. Eternamente contrário ao “sonho republicano” dos grandes mandatários da política do Tio Sam (indústrias armamentista e petrolífera – ambas necessárias para se fazer guerras), Stone recuperou sua memória atormentada de ex-soldado no Vietnã (já explicitada por ele de forma impressionante em Platoon, de 1986 e Nascido em 4 de Julho, de 1989), quando em meio às alucinações de dor e terror, se entregava ao delírio e sensualidade da poesia de Jim Morrison. Portanto não havia um período mais indicado para a efetivação de uma obra cinematográfica que retratasse toda a rebeldia embalada pelo bom e velho rock, do que aquela que unia no “Rei Lagarto”, a síntese da loucura psicodélica, libertação sexual e pluralidade de crenças dos anos 60. Mas, não foi somente isso...

Stone, quarto da esquerda para direita: ex-soldado no Vietnã e cinema 100% contextualizado
Stone, quarto da esquerda para direita: ex-soldado no Vietnã e cinema 100% contextualizado

A INDÚSTRIA FONOGRÁFICA: SEMPRE ELA!

Com as bandas de Seattle, metendo os pés na mídia dos anos 90, dominada pela música pop, um filão de bandas chamadas “antigas” voltaram a dar o ar de sua graça[1]. No respiro que o rock conseguiu dar neste contexto (e desde os anos 50 sempre foi assim!), fosse com pseudo-punks, hard-farofa, "old-new-ages" ou dinossauros jurássicos, novamente passou a ocupar seu lugar nas alturas. O período marcava a transição dos LP’s (ainda amados por muitos), para os CD’s (cuja promessa de durabilidade nos enganou a todos!). Com o sucesso do filme “biográfico” (Stone não aceita essa ideia) de Jim Morrison e banda, a indústria fonográfica (sempre ela!) arregalou os olhos e durante pelo menos cinco anos consecutivos, lançou incontáveis títulos, fossem estes da discografia original ou ao vivo, não somente do The Doors, mas de todos os ícones do rock dos anos 60 e 70: The Beatles, Rolling Stones, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Led Zeppelin (apenas para citar alguns). Dos porões das gravadoras, surgiram centenas e milhares de gravações “inéditas”, conversas entre músicos, vídeos, fotos perdidas, textos manuscritos, etc, que rechearam os encartes de disquinhos prateados no decorrer dos próximos 15 anos.

OS ANOS 90, CONSTROEM SEU “MITO”. E DEPOIS?

Tendo seu fôlego retomado, o rock requisitou aquilo que tanto fez na sua trajetória sexagenária: construir mitos. Mais importante do que as bandas que retomaram suas atividades e fizeram shows pelo mundo, o marco da década foi o suicídio de Kurt Cobain que, aos 27, encontrou a morte, objeto de tanto fetiche do “xamã” Jim Morrison. Depois disso, nada mais foi igual no rock. Nem mesmo o atual revival dos anos 90, com bandas retornando a ativa e fazendo shows, tem empolgado. A geração dos “2000” não foi capaz de se quer produzir um mito, uma vez que Amy Winehouse, pouco conseguiu "fazer" após sua morte. Assim, é possível entender às tantas e infindáveis manifestações a Michael Jackson, na sua recente partida. Começo a imaginar que as gerações vão derrapando pela sua incapacidade de gerar mitos (Jung explica!), característica essa que marcou o cheiro da juventude pelos tempos. This is the end?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

542 acessosThe Doors: todos os singles estão compilados em novo lançamento0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Doors"

AngraAngra
Anjo da capa de "Rebirth" aparece em outras duas?

RockstarsRockstars
Veja algumas fotos antes da fama - parte 2

USA TodayUSA Today
As 20 maiores de todos os tempos nos Estados Unidos

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Doors"

ManowarManowar
Você acha as fotos da década de 80 ridículas?

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Cazuza e Lauro Corona

Big FourBig Four
Astros da cena Heavy escolhem banda preferida

5000 acessosVocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rock5000 acessosRegis Tadeu: "Lemmy era tão poderoso que seu corpo não teve coragem de contrariá-lo"5000 acessosAlfabeto do Rock: as 15 melhores músicas de Metal5000 acessosEurope: confissões de Tempest sobre excessos dos anos 805000 acessosRush: o discurso mais criativo e engraçado da música4768 acessosBlack Sabbath: Ozzy seguirá em carreira solo após última turnê

Sobre Adriano Carlos Tardoque

Adriano C. Tardoque, 38 anos, Historiador, Pesquisador e Técnico em Museus. Estudou a História Social do Rock, com predileção pela contracultura e sua reverberação. Blog pessoal: www.sonoropanegirico.blogspot.com.

Mais matérias de Adriano Carlos Tardoque no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online