Be Blues: as mulheres na história do Blues

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Caren Rhoden, Fonte: Revista o Viés
Enviar correções  |  Comentários  | 

O Blues possui uma aura maravilhosa. Ela me parece vermelha, um vermelho que se identifica bem com o tipo humano, varia de lágrimas de sangue a pulsação rápida de prazer. Por que o blues tem essa capacidade de fazer o sangue correr mais rápido, principalmente depois da guitarra. É uma levada que descobre desejos trágicos, arrastados ou derramados. E os desejos derramados são os cruéis. Da primeira vez que eu ouvi um desejo derramado eu chorei, porque eu sabia que era um lamento.

5000 acessosSpin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os tempos5000 acessosHeavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiram

Anos 20

Existe uma entre as vozes que soa mais melancólica. Ela vem dolorida e corrompe qualquer estado de excitação causada por uma voz rasgada e sorridente. Um dos nomes e também uma das canções: CHIPPIE HILL. Ela começou a cantar aos 14 anos e como grande parte das cantoras teve seu início cantando, dançando e interpretando nas apresentações de Vaudeville. Ela gravou em 1926 “Trouble in mind” que depois seria sempre regravada, adotando várias personalidades e soando de formas diferentes. Entre essas personalidades estão NINA SIMONE, JANIS JOPLIN, JOHNNY CASH e JERRY LEE LEWIS. Mas esses são alguns, apenas os que eu ouvi.

É uma voz tão feminina saindo com tanta dor. Tão feminina. Tem uma teoria de um famoso e polêmico homem que diz que o blues veio com as mulheres. Ao contrário dos “blind”, cegos e portando inválidos que não podiam fazer nada além, ou dos trabalhadores nas lavouras de algodão. Eram as mulheres que ficavam com a parte delicada. Isso Elijah Wald escreve em seu livro Escaping the Delta: Robert Johnson and the Invention of the Blues, Amistad, 2005, que ainda não tem tradução para o português. Tampouco nós buscaremos a tradução do mito, então prosseguiremos naquilo que compreendemos.




O fato é que BERTHA CHIPPIE HILL não foi a primeira moça a gravar um blues. Esse mérito entregaremos a MAMIE SMITH. No ano de 1920, no dia 10 de agosto, em Nova York, foi gravado “Crazy Blues” na voz da moça que assim como a primeira citada dançava e atuava, além de tocar piano. He makes me feel so blue, I don’t know what to do… Now I got the crazy blues, assim canta um voz forte e expressiva enquanto a agulha…arranhava.

Essa gravação foi feita pela Okeh, que devido o sucesso fez até uma sessão que viria a perdurar, as “races records”, ou seja: voz de negros para ouvidos negros.

No ano de 1949, por sugestão do jornalista Jerry Wexler viria a ser chamada de Rhythm and Blues records, já que gradualmente brancos começaram a fazer esse tipo de música.

CHIPPIE HILL trabalhava com uma outra mulher, uma tal MA RAINY. O tipo que seria chamada “que lata!”, ela era fogo. MA RAINY teve muitas importâncias. Ela também cantava e dançava em peças de Vaudeville, e tinha um perfil devasso. Começou também aos 14 anos. Dava grandes festas e ia presa por haver mulheres nuas e semi-nuas em seus aposentos, fazia barulho, em todos os sentidos. Em uma das músicas ela falava tranquilamente sobre lesbianismo, afinal, o que tem de mais em ser bissexual na década de 20? Ela tinha marido, filhos e gostava de meninos e meninas. A música é “Prove it on me” (They must’ve been women, ‘cause I don’t like no men), gravada em 1928. A voz de MA RAINY é bem voz de mãe do Blues, uma voz de quem acordou de manhã e não lembrou de ontem, uma voz opaca e intensa.

Assim forte existia mais uma mocinha, CLARA SMITH. Os comentários é que ela conseguia ser sensual e conquistar tanto homens quanto mulheres enquanto cantava. Era daquelas moças que sabiam o que estavam fazendo e dominavam todo um público. Fator que combina perfeitamente com sua voz dizendo “He’s mine, all mine”, dá até para ver a lascívia, experimentem escutar. Ela gravou músicas também com uma outra jovem, BESSIE SMITH, mais conhecida como a Imperatriz do Blues. As duas eram um tanto rivais.

BESSIE SMITH talvez seja o nome feminino do Blues mais conhecido. Ainda dentro daquele circuito de teatro, Bessie entrou como dançarina, pois MA RAINY já cantava. BESSIE também era bissexual, coisa que incomodava muitos ao seu redor e a expunha a mais um entre os preconceitos que a acompanhariam até a morte, sucedida por não haver atendimento médico a negros no hospital onde tentou socorro. Ao lado de sua “mãe” MA RAINY, BESSIE desenvolveu o seu potencial de cantar e apresentar-se. O mercado estava a seu favor e isso a tornaria a artista a ser melhor paga em sua época.

A música que primeiro estourou na voz de equilibrados arranhões e perfeita carga emocional de BESSIE foi “Downhearted Blues”, em 1923, escrita por Alberta Hunter, a sua compositora. Uma outra canção que mais remete a Bessie é “Nobody knows you when you down and out”, uma grande verdade escrita por JIMMY COX, regravada por ERIC CLAPTON, JANIS JOPLIN, NINA SIMONE e B.B. KING, entre outros brilhantes nomes, como ALBERTA HUNTER.

A compositora mais “bonitinha”, diga-se de passagem, é ALBERTA HUNTER. Sem ser menos intensa por isso, HUNTER escrevia e cantava músicas. Com seu sorriso de enrugar o nariz, cantava de um modo irreverente, e talvez por isso fosse impressionante quando parecia realmente chorar em um blues triste.

Existiu aí nessa brilhante década de 20, SIPPIE WALLACE. A encantadora e doce SIPPIE. Ela gravou em 1923 “Shorty George” e depois cantou novamente com JOHN MAYALL & THE BLUESBREAKERS em 1982. Ela deu uma paradinha depois do sucesso na década mãe, e retornou em 1966 para cantar ao lado de VICTORIA SPIVEY.

VICTORIA SPIVEY começou a carreira aos 19 anos e, assim como muitas outras, cantava em cassinos e cabarés, teve seu período de atuação e dança até tocar piano. Nos primeiros anos da década de 20 ela gravou com BLIND LEMON JEFFERSON e com IDA COX, mais tarde, compôs títulos indeléveis da história do blues, tais como “TB Blues”, de 1927, onde mostra, assim como em outras interpretações, uma voz aguda e solta, que parecia ser trilha sonora adiantada dos anos 50.

Depois dos anos 20

Se a década de 20 pertenceu aos grandes nomes do blues, os anos trinta afundaram-se em swing. Big Bands como as de GLENN MILLER (papanananananananaapáa) estouram e tomam conta da década. BIG BILL BROONZY e SONNY BOY aparecem no final dos anos trinta e início dos quarenta. É nesse início de década que T-BONE WALKER coloca a guitarra elétrica para gritar. Nos anos cinquenta o blues de MUDDY WATERS faz o ritmo extrapolar as barreiras territoriais.

Depois da guitarra


As cantoras de blues continuaram a gravar até essa época, mas com menos intensidade. O Jazz recebia mais atenções. Nesses anos BIG MAMA (Willie Mae) THORNTON grava “Hound dog” (1952) e “Ball and Chain”. A moça grande começou a cantar aos catorze na igreja batista, saiu de casa depois da morte da mãe e foi adotada musicalmente por MUDDY WATERS. Tocou entre os maiores nomes, principalmente nos anos 50 e 60, época digamos que de ouro do blues elétrico. Ela tinha um jeito muito peculiar, tocava gaita de boca com perfeito domínio, além de tocar bateria, era de um estilo único.BIG MAMA teve fases de alcoolismo e acabou morrendo por complicações no fígado.

E, então, surge um nome doce como chocolate: KOKO TAYLOR, que recebeu o primeiro nome justamente por gostar tanto de chocolate (que vem do cacau) e que se inspirava em VICTORIA SPIVEY. Koko gravou “Wang Dang Doodle” em 1968, escrita por WILLIE DIXON. KOKO é totalmente apaixonate, tem uma voz negra, canta com arranques e torna maravilhosas canções como “I’m a Woman”, maravilhosamente clássica: I’m a woman, I’m a ball of fire. Não a toa é chamada “rainha do blues”, procurem o álbum “The Eartshaker” e comprovem.

KOKO TAYLOR morreu em 3 de junho de 2009 . Existe uma menina ruiva que canta músicas que antes estavam em sua voz, como “Queen Bee” (variação da música “King Bee”), SUE FOLEY. Sue é branca e tem uma voz assim, se aproxima, talvez, de VICTORIA SPIVEY. Sue toca guitarra e blues desde 1984 e teve sua primeira gravação em 1992.

King Bee foi gravada também por músicos do filho do blues, o Rock and Roll [que segundo RAUL SEIXAS morreu com ELVIS PRESLEY (“eu faço raulseixismo”)], por nomes como ROLLING STONES.

LED ZEPPELIN também gravou um blues antigo. Claro, gravou muitos, mas entre eles um bastante importante, composto por uma moça que quase não se ouve falar e tampouco encontra-se informação: MEMPHIS MINNIE. É o tipo de mulher que dá orgulho. Ela foi a primeira em sua época, ou seja, nos anos 20, a cantar e tocar violão, além de fazer as suas composições. Depois, quando T-BONE WALKER trouxe os ruídos elétricos, foi uma das primeiras mulheres a tocar. É por isso que ela está na capa dessa reportagem. LED ZEPPELIN gravou When the levee breaks, e isso é só uma parte. Na lápide dela está escrito:

Listening to Minnie's songs we hear her fantasies, her dreams, her desires, but we will hear them as if they were our own

Escutando as músicas de Minnie nós escutamos suas fantasias, seus sonhos, seus desejos, mas escutamos isso como se fossem nossos.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosMulheres no Rock: resistência em um meio machista5000 acessosCristina Scabbia: "muito orgulho de ser mulher"5000 acessosAngela Gossow explica o papel da mulher no Metal5000 acessosAndre Matos: o que ele faria se fosse mulher por um dia?5000 acessosAngela Gossow: "Mulher numa banda de Metal incomoda!"5000 acessosG1: site lista as 15 roqueiras mais importantes da história5000 acessosMulheres e guitarras: as mais importantes segundo a Gibson5000 acessosGutural: mulheres que fazem vocal em bandas de Metal5000 acessosDuetos: 10 dos mais fabulosos com mulheres e guitarristas5000 acessosMulheres no Rock: as mais importantes segundo rádio inglesa5000 acessosMulheres Negras: confira algumas que sabem fazer rock5000 acessosMulheres: Metal não é só estilo, mas beleza e agressividade5000 acessosMulheres: as bandas mais famosas em suas versões femininas5000 acessosMulheres no Metal: assista documentário sobre a cena brasileira1639 acessosDia da Mulher: relembre fatos marcantes da carreira de Joan Jett5000 acessosBateria Fácil: mulheres bateras que você tem que saber quem são1832 acessosPlanno D: O crescimento das mulheres no Metal907 acessosShadowside: "Nunca fui desrepeitada por ser mulher"3266 acessosArch Enemy: o positivo e o negativo de ser uma mulher no metal5000 acessosMetal Calcinha: onze bandas lideradas por mulheres5000 acessos8 de março: Algumas das mulheres que marcaram o Rock e Metal

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias

MotorheadMotorhead
Escolhido o nome de banda mais legal pela Spin

Heavy MetalHeavy Metal
Celebridades que curtem ou já curtiram o estilo

Dimebag DarrellDimebag Darrell
Whisky e guitarra de Eddie Van Halen num caixão do Kiss

5000 acessosCinema: 60 filmes pra quem ama Rock e Metal5000 acessosMetallica: Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed5000 acessosGuns N' Roses: melhores músicas segundo a Ultimate Classic Rock5000 acessosIron Maiden: noiva toca versão emocionante de música durante casamento5000 acessosMetallica: Análise vocal de James Hetfield5000 acessosGaleria - Rock N' Roll Ribs: conheça restaurante de Nicko McBrain

Sobre Caren Rhoden

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online