1965 no Rock: a Invasão Britânica e a eletrificação do Folk

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Bemvindo, Fonte: Mofodeu
Enviar correções  |  Comentários  | 

Anuário MOFODEU: 1965
Anuário MOFODEU: 1965

649 acessosPaul McCartney: tocando Beatles com Bruce Springsteen por duas vezes5000 acessosDoentio: Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos

Essa semana o MOFODEU estreou uma nova série: o "Anuário MOFODEU". O objetivo desses programas será analisar a evolução do Rock ano a ano. Uma vez por mês, faremos a limpa em um ano da História do Rock, contando os fatos mais importantes e trazendo algumas faixas lançadas neste determinado ano. Como colaborador do Whiplash!, trarei sempre um artigo fazendo uma análise do ano no Rock.

Começamos com o ano de 1965. Para que não costuma ouvir o MOFODEU, talvez não saiba que 90% das canções que executamos no programa estão no recorte entre 1965 e 1975. Por quê? Por vários motivos, o principal deles é por conta do gosto pessoal dos produtores e apresentadores do programa. Quando surgiu a proposta do programa, limitemos o recorte temporal até o ano de 1979, mas quase sempre ficamos com disco e músicas produzidas no período citado.

1965 foi escolhido como marco inicial por conta do simbolismo dos fatos ocorridos naquela época e, em especial, por preceder um momento em que o rock encontrou-se com o experimentalismo extremo, em fins da década de 1960. Em meados daquela década o Rock ainda tinha as características ingênuas dos seus primeiros anos mas, ao mesmo tempo, começa a se tornar mais político. Isso aconteceu por conta de estarem despontando, naquele momento, dois movimentos bem distintos: o folk rock e a invasão das bandas britânicas nos Estados Unidos.

Enquanto o folk rock encontrava seu auge com canções políticas entoadas por nomes como BOB DYLAN e JOAN BAEZ, acontecia, concomitantemente, um movimento que se reencontrava com as origens do Rock, capitaneado por bandas inglesas como os BEATLES e os ROLLING STONES. O folk rock não era mais uma novidade pois, desde o começo da década, já havia um forte movimento do estilo. Naquele ano, no entanto, o subgênero começava a se transformar principalmente por conta do envolvimento de Bob Dylan com diversas bandas de rock and roll.

Naquele ano, Dylan lançaria seu primeiro álbum inteiramente gravado com o acompanhamento de uma banda de rock, o "Highway 61 Revisited". Anteriormente, predominava no trabalho do cantor, as canções acústicas, sendo a maioria delas executadas apenas com voz e violão. Aquilo seria uma verdadeira revolução para o folk rock, já que além de ter sido bem aceito entre os admiradores do gênero, ampliou sua popularidade, já que conseguiu conquistar fãs de rock and roll clássico.

"Highway 61 Revisited": o álbum que eletrificou o folk rock
"Highway 61 Revisited": o álbum que eletrificou o folk rock

O lançamento de "Like a Rolling Stone", que viria ser a faixa de abertura do álbum citado, é considerado por muitos como um divisor de águas na carreira de Bob Dylan, aproximando-o definitivamente com o artistas do rock.

Algo que ajudou muito no aumento de popularidade de Bob Dylan foi o fato de algumas bandas lançarem suas canções com algum sucesso. Em 1965, os BYRDS estouraram com uma composição de Dylan, "Mr. Tamborine Man".

As músicas de protesto também ganharam bastante espaço, graças, principalmente à escalada da Guerra do Vietnã, que cada vez era mais impopular entre os estadunidenses. O aumento das tropas americanas no país do sudeste da Ásia encontrou como principal opositor no meio artístico BARRY McGUIRRE, que lançou "Eye of Destruction".

Por outro lado, a Beatlemania atingia o seu auge. Os Beatles foram responsáveis pelo boom das bandas britânicas nos Estados Unidos, graças a sua ida ao país em 1964. Um ano depois o sucesso da banda ajudou uma série de outros artistas a se consolidarem na América. Foi o caso de bandas como ROLLING STONES, THE WHO, YARDBIRDS, ANIMALS, entre muitas outras.

O quarteto de Liverpool, por sua vez, começa a mostrar que estava a frente de seu tempo, diferenciando o seu som das demais bandas com o lançamento de "Help" (o álbum e o filme) e, principalmente, de "Rubber Soul". Além do crescimento musical da banda, houve também um crescimento das cifras que envolviam o grupo. Os shows da banda eram cada vez mais caros e as vendas dos singles alcançavam níveis nunca antes experimentados. Durante quase todo o ano eles mantiveram no mínimo três canções entre as mais tocadas, segundo a Billboard, sendo "I Feel Fine" a faixa mais executada naquele ano.

Beatles nomeados Membros do Império Britânico
Beatles nomeados Membros do Império Britânico

O sucesso dos Beatles era tamanho, que a rainha os nomeou como Membros do Império Britânico.

Os Rolling Stones também consolidam sua carreira internacional em 1965, por conta de uma turnê mundial (que incluiu até mesmo a Austrália) e do sucesso de seu primeiro álbum lançado nos Estados Unidos, lançado um ano antes. Os compactos de "(I Can't Get No) Satisfaction" e "Get Out of My Cloud" foram muito vendidos em diversas partes do planeta, mostrando a força dos meninos maus que "combateriam os Beatles".

A carreira de polêmicas envolvendo os Stones começava a crescer também. Jagger, Richards e Wyman são condenados a pagar uma multa por terem urinado em uma parede de um posto de gasolina, em Londres. Além disso, as arruaças, durante as turnês, em hotéis e bastidores passam a ser marca registrada do grupo.

Capa do compacto "My Generation", do The Who
Capa do compacto "My Generation", do The Who

O Who foi outra banda que se deu bem ao pegar carona na onda de invasão britânica, graças às suas performances destruidoras e o evidente talento. O sucesso de "My Generation" e "I Can't Explain" ultrapassou as fronteira Grã-Bretanha, trazendo a banda para o patamar dos grandes grupos.

Outras bandas inglesas como The Animals, The Yardbirds, THE KINKS e MANFRED MANN também conseguem atingir o sucesso com alguns singles tanto na Grã-Bretanha, quanto nos Estados Unidos, mas nada comparado ao êxito dos Beatles e Stones.

Além do folk rock e da invasão britânica, algumas bandas fora desses universos começavam a firmar seus passos, fugindo do um pouco do trivial. É o caso, por exemplo dos americanos da THE PAUL BUTTERFIELD BLUES BAND, que com seu ecletismo que mesclava o rock ao blues, alcançou sucesso de crítica e público com o seu excelente álbum de estréia. O grupo capitaneado por Butterfield foi responsável pela quebra de alguns preconceitos, pois introduzia um vocalista branco, ajudando a disseminação do blues rock, antes restringido aos guetos.

O blues rock demonstra sua força também na Inglaterra, graças a bons trabalhos de grupos como o Yardbirds e THE PRETTY THINGS.

"California Dreamin" foi um dos maiores sucessos de 1965
"California Dreamin" foi um dos maiores sucessos de 1965

Outros americanos que alcançaram sucesso foram os THE MAMAS & THE PAPAS que lançaram o compacto de "California Dreamin'" naquele ano. A faixa entraria no primeiro álbum do grupo, lançado no ano seguinte, mas já em 1965 a canção começa a ganhar status de hino de uma geração. Com o fortalecimento do "flower power", a partir de 1967, a música voltou a ser sucesso, mas isso é assunto para o próximo artigo.

Para ouvir alguns sucessos e canções esquecidas lançadas em 1965, ouça o MOFODEU #071, o primeiro da série "Anuário". Para ouvir, basta acessar o site:

http://www.mofodeu.com

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Lars Ulrich no U2Lars Ulrich no U2
Ele perdeu para Paul McCartney a chance de tocar bateria

649 acessosPaul McCartney: tocando Beatles com Bruce Springsteen por duas vezes2290 acessosE se for verdade?: Famosos que morreram e foram substituídos1447 acessosShows: em vídeo, Top 11 Músicas Viscerais de Encerramento0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Jess GreenbergJess Greenberg
Mais vídeos de covers em voz e violão

BeatlesBeatles
As melhores canções em lista da Ultimate Classic Rock

Super BowlSuper Bowl
Quando as guitarras fizeram touchdown

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"0 acessosTodas as matérias sobre "Rolling Stones"0 acessosTodas as matérias sobre "Bob Dylan"

DoentioDoentio
Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos

Freddy FrenzzyFreddy Frenzzy
O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação

NickelbackNickelback
11 razões para respeitar - muito - a Chad Kroeger

5000 acessosVinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?5000 acessosHeadbanger: mostre que você é true em qualquer oportunidade5000 acessosResenha - Sgt. Peppers - Beatles5000 acessosDave Navarro: quadro da mãe de guitarrista feito com seu sangue2690 acessosBig Joe Turner - Trovoada na Voz, Rock 'n' Roll na Alma5000 acessosIron Maiden: trecho em tecno-brega dos Faringes da Paixão

Sobre Vitor Bemvindo

Historiador de formação, tem verdadeira adoração pelo Rock and Roll desde sua infância. Seu instinto de pesquisador fez com que "se especializasse" em bandas velhas, especificamente as das décadas de 1960 e 1970. Produz e apresenta o MOFODEU (www.mofodeu.com), o Programa que tira o MOFO do ROCK, juntamente com seu parceiro Luiz Felipe Freitas (a Enciclopédia do Rock). O Programa está no ar desde 2007, tocando só bandas sessentista e setentistas sempre com muita informação e bom humor.

Mais matérias de Vitor Bemvindo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online