Sebadoh

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alexandre Luzardo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Originalmente publicada no site Dying Days

Blind Guardian: Algumas verdades sobre Hansi KürschMetallica: Jason Newsted, 14 anos de humilhação

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Sebadoh foi um dos nomes mais representativos do rock alternativo americano durante os anos 90, ajudando a popularizar uma sonoridade conhecida como lo-fi. Ao lado do Pavement dos primeiros discos, o Sebadoh se notabilizou pelas gravações em quatro canais, sem requintes de estúdio, que priorizavam as canções e garantiam o clima espontâneo e verdadeiro de banda de garagem. Sem dúvida, o som do Sebadoh prova que não são necessários muitos recursos além de talento para fazer uma banda acontecer, e até hoje é incentivo para o surgimento de novas bandas nas garagens por aí.

Na verdade o Sebadoh começou quase que por acaso, sem grandes pretensões. Lou Barlow tocava baixo desde 1983 no pioneiro Dinosaur Jr ao lado de J Mascis. Mascis era o principal compositor do Dinosaur, sobrando pouco espaço para Lou, que começou a registrar suas canções em fitas cassete, usando um gravador de quatro canais. Lou tocava guitarra e baixo, e trocava fitas com Eric Gaffney, que adicionava bateria às canções. Eric também compunha e mandava fitas para Lou colaborar em suas músicas. Assim nasceu o Sebadoh, que tinha essa característica de coletivo de compositores, onde Lou e Eric (e mais tarde Jason Loewenstein) escreviam as canções individualmente para depois trabalhar arranjos na banda.

A primeira fita finalizada foi colocada à venda nas lojas de Boston e arredores em 1987, intitulada "Weed Forestin". Consistia somente em músicas compostas por Lou Barlow e foi creditada a Sentridoh (nome usado até hoje por Lou Barlow para seu trabalho solo). A segunda fita, "The Freed Weed" saiu um ano mais tarde, já com músicas de Gaffney e já como Sebadoh. "The Freed Weed" chamou a atenção, principalmente em função do Dinosaur Jr, que tinha acabado de lançar o histórico "You're Living All Over Me", e a gravadora independente Homestead se ofereceu para relançar as fitas.

Nessa época, o entendimento de Lou Barlow com J Mascis no Dinosaur Jr era próximo a zero. Eles praticamente não se falavam, o que fez com que Lou Barlow ficasse cada vez mais desinteressado com a banda. Após o lançamento de Bug, de 1988, Mascis resolve substituir seu baixista e é nesse ponto que o Sebadoh deixa de ser um mero projeto paralelo para se tornar a banda de Lou Barlow.

Por indicação de Eric Gaffney, Jason Loewenstein entra para o Sebadoh como baterista fixo, e Eric e Lou passam a se alternar no baixo e guitarra. No início de 1990, a Homestead relança "Weed Forestin", que mais tarde sai uma nova versão, chamado "Freed Weed", incluindo as músicas de "The Freed Man", totalizando 40 faixas.

Conjuntamente com os relançamentos da Homestead, a banda passou a trabalhar em material inédito, durante 1991 foram dois lançamentos: um EP de título emblemático, "Gimme Indie Rock" e o seu terceiro álbum, "III". Os novos trabalhos mostravam uma banda mais madura e um som mais desenvolvido, ainda que apostando na simplicidade nas gravações e composições, mas já longe de parecer meras gravações caseiras. O álbum "III", em especial mostrava o verdadeiro potencial do Sebadoh, contando com composições de seus três integrantes, Lou e Jason notadamente em canções mais contidas, muitas vezes acústicas, e Eric priorizando as guitarras.

A partir de então surgiram as primeiras turnês, já que tudo que o Sebadoh havia feito até ali foram pequenos shows pela região de Boston. No entanto, justamente quando se preparava para a primeira turnê nacional pelos EUA, que se estendeu durante 1991, Eric Gaffney decide não participar, levando Lou e Jason a se apresentarem como um duo. Durante a turnê eles chamam o baterista Bob Fay para completar a formação.

Após a turnê, Eric retornou e o Sebadoh gravou uma demo com cinco músicas de Barlow que garantiram um contrato com a gravadora Sub Pop. Mais uma turnê pelos EUA e Europa (novamente com Bob Fay substituindo Eric), e o Sebadoh assina com a gravadora City/Slang da Inglaterra, lançando dois EPs, "Rocking The Forest" e "Sebadoh vs Helmet" (nada a ver com a banda Helmet), que nos EUA foram compilados pela Sub Pop dando origem ao álbum "Smash Your Head on the Punk Rock". O disco, como todos os lançamentos do Sebadoh, conciliava canções absolutamente díspares, partindo da furiosa e explosiva "Cry Sis" até a melancolia distorcida de "Mind Meld". Entre os destaques figuram duas covers mais do que especiais. Uma delas é "Everybody's Been Burned", intrigante música de David Crosby dos tempos de Byrds. A segunda foi a proeza de adicionar guitarras distorcidas à bela melodia de "Pink Moon" de Nick Drake.

Em 1993 foi lançado "Bubble & Scrape" de fato o primeiro álbum da banda gravado para a Sub Pop. O disco seria o último a contar com Eric Gaffney, que deixaria a banda em definitivo no final daquele ano. "Bubble & Scrape" é mais uma colcha de retalhos, com todos os compositores da banda contribuindo com bons momentos. As músicas de Eric são as mais estranhas e esquizofrênicas ("Telecosmic Alchemy", "Fantastic Disaster"), enquanto Jason Loewenstein contribui em bons momentos como o entusiasmaste rock de "Sister" e a acústica "Happily Divided", e Lou Barlow ataca na belíssima faixa de abertura "Soul And Fire" e na também acústica "Think (Let Tomorrow Bee)".

Depois de mais uma longa turnê divulgando o novo disco, o Sebadoh se firmou definitivamente junto ao público. Foi uma época bastante fértil para o rock alternativo, com muitas bandas alternativas, como o próprio Dinosaur Jr, assinando com grandes gravadoras e vendendo milhares de discos, enquanto várias outras construíam carreiras sólidas em gravadoras menores. O Sebadoh foi uma delas, ao lado do próprio Pavement, Yo La Tengo, Guided by Voices, Jon Spencer Blues Explosion e Superchunk, entre outras.

Em 1994, Lou Barlow monta o projeto paralelo Folk Implosion (o nome seria uma resposta ao Blues Explosion de Jon Spencer) junto com John Davies e lança dois EPs antes de retornar ao Sebadoh com o disco "Bakesale" lançado pela Sub Pop em setembro.

"Bakesale" foi o disco mais bem-sucedido do Sebadoh até então, contendo como destaques "Rebound" e "Skull" que rodaram bastante nas rádios alternativas americanas. Trata-se de um disco mais conciso e direto que os trabalhos anteriores da banda, ainda que tivesse seus momentos bem distintos, como em "License to Confuse" (de Barlow), onde a banda se aproxima bastante do Mudhoney.

Em 1995, Lou Barlow retoma o Folk Implosion, contribuindo para a trilha sonora do controverso filme independente Kids. O sucesso do filme respingou na trilha sonora e a música "Natural One" do Folk Implosion começou a tocar em rádio rapidamente ganhando popularidade. A música, que flertava com batidas eletrônicas e hip hop, algo inédito na carreira de Barlow, chegou no famoso top 40 americano, atingindo o número 29 e deu a banda a visibilidade junto a um público que jamais havia conhecido o Sebadoh ou mesmo o Dinosaur Jr.

Mas mesmo depois do sucesso do Folk Implosion, em 1996 o Sebadoh retornaria as atividades, lançando o álbum "Harmacy" em agosto. Mesmo se mantendo alheio ao sucesso do Folk Implosion, o Sebadoh reteve e ampliou o seu público. A banda já era o carro-chefe do cast da Sub Pop pós Nirvana, dividindo esse posto com o Sunny Day Real Estate, e Harmacy fez bonito nas vendas, chegando ao número 129 da parada de álbuns da Billboard. O single de "Ocean" chegou a 23º na parada de rock, feito inédito para a banda. Por sinal, "Ocean" continha um apelo pop irresistível, mostrando um Lou Barlow com confiança suficiente para soar pop. Mas Harmacy não fugia muito a cartilha do Sebadoh, o que não desapontou os fãs, que colocam o disco entre os melhores da banda ao lado de Bakesale.

A partir de então, a atividade do Sebadoh passou a ser mais esporádica, dividida entre os projetos de Lou Barlow. Com o baterista Russ Pollard substituindo Bob Fay, o álbum The Sebadoh surgiria somente em 1999 (após mais um disco do Folk Implosion em 1997). The Sebadoh, o álbum, já não teve a mesma repercussão dos anteriores, mesmo sendo um bom disco mostrando uma banda cada vez mais afiada. É difícil explicar os motivos, talvez o fato da constante renovação do público de rock alternativo, que acaba preterindo nomes mais veteranos na busca constante por bandas novas.

O fim da banda nunca foi oficialmente anunciado, mas até agora nem sinal de planos do próximo disco do Sebadoh. Lou Barlow assinou com a major Interscope para o lançamento de "One Part Lullaby" do Folk Implosion, que seguia os passos do hit "Natural One", obtendo sucesso moderado. Mais tarde lançou um trabalho solo de gravações caseiras retomando o nome Sentridoh e finalmente remontou o Folk Implosion sem John Davies, sob o nome de Foke Implojun, mais tarde rebatizado para The New Folk Implosion para o álbum homônimo de 2003. Jason Loewenstein se estabeleceu como artista solo, tendo lançado o álbum At Sixes and Sevens pela Sub Pop em 2002.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Sebadoh"


Blind Guardian: Algumas verdades sobre Hansi KürschBlind Guardian
Algumas verdades sobre Hansi Kürsch

Metallica: Jason Newsted, 14 anos de humilhaçãoMetallica
Jason Newsted, 14 anos de humilhação


Sobre Alexandre Luzardo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336