Bon Jovi: no Rio um show bom, mas poderia ter sido melhor

Resenha - Bon Jovi (Apoteose, Rio de Janeiro, 08/10/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Rodrigo The Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Cheguei por volta das 20 horas e 30 minutos na Apoteose e o Fresno finalizava sua apresentação. A própria banda achou que seria hostilizada mas no fim foram respeitados pelo público e até ganharam alguns aplausos. A Apoteose estava cheia mas bem longe de estar lotada. As arquibancadas estavam bem vazias em relação ao show do Guns e quando olhei pra lateral da pista VIP, enxerguei também um enorme vazio. A pista comum estava bem cheia. Talvez reflexo do feriado prolongado ou até mesmo dos altos valores dos ingressos.

Rock In Rio: saiba quais dias esgotaram primeiro na pré-vendaBruno Sutter: ouça em primeira mão o 1º single, "The Best Singer in the World"

O tempo ajudou e apesar do dia inteiro nublado aqui no Rio, nenhuma gota de chuva. Exatamente às 21:27 as luzes se apagaram e rolou o vídeo de introdução da The Circle Tour. Eu sei que o Bon Jovi muda o set list de show para show mas minha expectativa de um show parecido com os de Buenos Aires e São Paulo, recheado de clássicos, começou a se dissipar logo na primeira música. O som estava muito baixo, mal dava pra escutar a guitarra do Sambora, e a banda abriu de "Lost Highway", que apesar de ser uma música simpática não tem a força necessária pra se abrir um show. Já me deixou com o pé atrás.

A banda seguiu fazendo a mesma sequência paulista e levantou a poeira da Apoteose quando tocou "You Give Love a Bad Name" e "Born To Be My Baby", fazendo os cariocas cantarem em uníssono. A parte técnica do show (fora o som) estava impecável no palco, com iluminação e telões de alta definição simplesmente perfeitos. A apresentação em si, se intercalava entre morna nas músicas novas e esquentava durante os clássicos, provocando gritos estéricos em algumas fãs mais exaltadas. A banda optou for intercalar os clássicos com novos singles e acabou desapontando a maioria dos fãs antigos, incluindo eu, por deixar de fora músicas como "I'll Be There For You","Blaze of Glory","In This Arms","Lay Your Hands On Me" entre outras, tocando faixas dispensáveis em um show, como "Loves the Only Rule" e "Thorn in My Side".

Todos os clichês foram executados por Jon Bon Jovi com maestria, com as caras e bocas ensaiadas, e as dancinhas exóticas, tudo como de costume. Até mesmo Richie Sambora, teve sua parcela de destaque cantando "Homebound Train" do album New Jersey. Apesar disso, Richie aparentava estar mais contido que o normal, já que muitas vezes sua técnica apurada e seus solos envolventes roubam a cena nos shows. Mesmo não interagindo muito com o público, o ponto alto foi quando Jon Bon Jovi , numa encenação teatral, rasgou o set-list e num dos raros momentos, discursou que iriam tocar o que tivessem vontade, sem se prender ao setlist. Eu não tive acesso ao set, mas pelo visto era melhor ter seguido a risca, afinal de contas, deixando de tocar hits como "I'll be There for You" e tantos outros que já citei, a banda demostrou que não estava muito disposta a fazer um grande espetáculo como o de São Paulo e de Buenos Aires.

Depois de tocar "Keep the Faith" e com uma ausência enorme de clássicos, a banda abriu as apostas em relação ao bis. Burocraticamente retornaram com a fantástica "Wanted Dead or Alive" que teve sua introdução cantada exclusivamente pelo público, "Livin’ On A Prayer", a mais festejada da noite e encerraram, às 23:40h em ponto, tocando um segundo bis com "These Days". Sei que algumas fãs mais fanáticos dirão que o show foi perfeito mas na minha visão, depois de 2 horas e 10 minutos de apresentação, a impressão que ficou foi de um show muito bom, mas que poderia ter sido muito melhor.

Setlist completo:
1. Lost Highway
2. We Weren’t Born to Follow
3. You Give Love a Bad Name
4. Born to Be My Baby
5. Superman Tonight
6. The Radio Saved my Life Tonight
7. Just Older
8. Runaway
9. It’s My Life
10. Bad Medicine + Roadhouse Road
11. Homebound Train (com Richie Sambora nos Vocais)
12. What Do You Got?
13. Always
14. Happy Now
15. Thorn in My Side
16. Someday I’ll Be Saturday Night
17. Who Says You Can’t Go Home
18. Loves the Only Rule
19. Keep the Faith

Bis
20. Wanted Dead or Alive
21. Livin’ On A Prayer
22. These Days

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Bon Jovi (Apoteose, Rio de Janeiro, 08/10/2010)

Bon Jovi no Rio: grande show, apesar do pequeno set-list

Rock In Rio
Saiba quais dias esgotaram primeiro na pré-venda

Rio Rock City: Bon Jovi não faz mais música boa?Todas as matérias e notícias sobre "Bon Jovi"

Bon Jovi
Richie Sambora: Pouco se fodendo pra modismos

Bon Jovi
Tráfico, uso de drogas e escândalo sexual?

Stryper
É do Bon Jovi a maior canção sobre fé já feita

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Bon Jovi"

Bruno Sutter
Ouça em primeira mão o 1º single, "The Best Singer in the World"

LGBT
Confira alguns músicos que não são heterossexuais

Justin Bieber
Detonado por tirar foto com camisa do Metallica

Jon Bon Jovi: "já perambulei pelo lado negro"Jack White: Sem laços de amizade com a "eremita" Meg WhiteInvisible Oranges: os 5 melhores momentos Metal dos filmesJudas Priest: uma insana versão caipira do clássico Painkiller!Black and "Blues": a influência do lamento negro no Black SabbathSepultura: aceite ou não, a maior banda brasileira da história

Sobre Rodrigo The Rock

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online