Melhores Álbuns Ano a Ano - Parte 6: 1965

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Edson Medeiros, Fonte: O Besouro Musical
Enviar correções  |  Comentários  | 

Imagem
Paul McCartney: K7 exclusivo será lançada na Record Store DayFotos de Infância: Avril Lavigne

Chegamos em 1965 com muitas mudanças acontecendo. No Brasil eram fundados o partido ARENA (que apoiava o governo militar) e seu opositor o MDB, também nascia a emissora mais poderosa do país a Rede Globo de Televisão e começavam as primeiras manifestações contra a Ditadura Militar. No mundo Alemanha Ocidental e Israel restabelecem relações diplomáticas pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial. O ativista negro Malcolm X (*19/05/1925 - +21/02/1965) é assassinado em Nova York e tem início a Guerra do Vietnã com a invasão dos EUA ao Vietnã do Sul.

Na música um fato inusitado: a Rainha Elizabeth II concede o título de Membro do Império Britânico aos Beatles – gerando revolta de heróis de guerra condecorados com a mesma honraria. O Fab Four faz um concerto histórico no Shea Stadium com audiência recorde de 55.600 pessoas, enquanto no Brasil era realizado a primeira edição do Festival de Música Popular Brasileira. Neste ano faleceram o cantor de jazz Nat King Cole (*17/03/1919 - +15/02/1965) e o deejay americano Alan Freed (15/12/1921 - +20/01/1965) considerado o inventor do termo “rock ‘n’ roll”.

Imagem
10º The Byrds – Turn! Turn! Turn!
(Folk rock / Columbia Records)

Com uma mistura de folk e rock inspirada em Dylan e nos Beatles, os Byrds tem o mérito de ter reinfluenciado seus ídolos. Com este álbum se aprofundaram ainda mais no folk recém eletrificado, utilizando em larga escala guitarras de 12 cordas e harmonias orientais.

Imagem
9º The Beach Boys – The Beach Boys Today!
(Rock / Capitol Records)

Este foi o primeiro álbum em que Brian Wilson decidiu cancelar as turnês com os Beach Boys para concentrar-se exclusivamente no trabalho de estúdio – ideia que os Beatles também adeririam em breve. É um álbum estranha, mescla surf rock, classical pop e algumas das primeiras canções com tendências vanguardistas da banda.

Imagem
8º B.B. King – Live at the Regal
(Blues / ABC Records)

Mostra o “Rei do Blues” detonando em uma grande performance no Regal Theater, em Chicago, Illinois. O poder da guitarra de B.B. King com suas interjeições pontuais tornaram-se referência para boa parte dos britânicos que iniciariam um revival do blues que até o final dos anos 60 era um gênero extremamente marginalizado.

Imagem
7º The Who – My Generation
(Rock / Brunswick Records)

A estreia do The Who é uma mistura de blues, r&b e mod rock. Apesar de terem produzido álbuns melhores durante sua carreira nunca mais conseguiram repetir a energia explosiva de My Generation novamente em estúdio. Assim como a estreia dos Beatles sintetiza basicamente canções que costumavam tocar em seus shows nos clubes ingleses. Daí a crueza e urgência do álbum.

Imagem
6º Otis Redding – Otis Blue/Otis Redding Sings Soul
(Soul / Volt Records)

É o álbum comercialmente mais bem-sucedido da carreira do soulman Otis Redding. Sua performance vocal impressionante é amparada por um time estelar de músicos: participaram das gravações Booker T. & the M.G.’s, além de membros do The Mar-Keys e do The Memphis Horns.

Imagem
5º John Coltrane – A Love Supreme
(Avant-garde jazz / Impuse Records)

Considerado a obra-prima do saxofonista John Coltrane que faz um apanhado em sua carreira misturando estilos que havia experimentado previamente, do hard-bop ao modal jazz, passando pelo free jazz. O poder embutido nos quatro temas do disco é de arrepiar. Essencial para quem curte música carregada de emoção.

Imagem
4º The Beatles – Help!
(Rock / Parlophone Records)

A trilha-sonora do segundo filme dos Beatles é uma das maiores preciosidades deixadas pelos anos 60. Gravado no auge da beatlemania, simboliza o início da mudança lírica do grupo que traria mudanças significativas para a música pop mundial nos próximos anos. Pela primeira vez o Fab Four fazia música não simplesmente como entretenimento jovem, mas como arte. Pela primeira vez George Harrison teve uma participação de destaque, colocando duas composições próprias no disco. O álbum traz forte influência da música folk melancólica de Bob Dylan. As harmonias de violão/guitarra dos Byrds também juntamente com o uso extensivo de instrumentos de teclas os ajudaram a moldar um novo tipo de som mais sofisticado.

Imagem
3º Bob Dylan – Bringing It All Back Home
(Folk rock / Columbia Records)

O disco que chocou os puristas do folk. Como podia o messias folkista tornar-se um Judas elétrico?! O próprio Dylan explica: “...Cansei de ser o trovador solitário cantando “Blowin’ in the Wind” dia após dia”. Seu primeiro disco eletrificado tem influencias dos Byrds, dos Beatles e de mestres do blues de Chicago. Deixou as letras politizadas de lado e concentrou-se em escrever temas mais pessoais e/ou abstratos. Seu fluxo de pensamento potencializado pelo consumo de drogas fez com que os versos parecessem jogados em sequência, como uma conversa volumosa e fluída. Podemos facilmente nos perder no jogo de palavras. Apesar de ter um lado inteiro elétrico, o álbum ainda é um momento de transição de Dylan entre a música folk tradicionalmente acústica e sua total fusão com o rock.

Imagem
2º The Beatles – Rubber Soul
(Rock / Parlophone Records)

Foi o primeiro álbum gravado de maneira continua pela banda. As gravações dos cinco discos anteriores aconteceram sempre de maneira gradual entre seus shows. Fortemente influenciados pela recente eletrificação de Dylan, fizeram quase o caminho inverso ao adicionar instrumentos mais orgânicos em suas músicas. O lirismo abstrato foi outra grande influência do cantor americano. É apenas o início do período mais genial na carreira do Fab Four, quando destruíram a barreira da música pop e jogaram-se na música de vanguarda.

Imagem
1º Bob Dylan – Highway 61 Revisited
(Folk rock / Columbia Records)

O batismo elétrico de Dylan. Se no álbum anterior o cantor converteu-se ao rock ao abandonar seu violão e empunhar uma guitarra, seu total sacramento veio em Highway 61 Revisited. Levou esse novo conceito ainda mais longe ao lado de uma banda composta de músicos de outros gêneros de raiz que já haviam se eletrificado anos antes. Com exceção da última faixa, o disco é recheado de um folk rock cortante guiado por licks incisivos do guitarrista Mike Bloomfield e várias camadas de órgão e piano. É de uma clareza impressionante para a época, se colocarmos a bolacha na vitrola e fecharmos os olhos podemos nos situar dentro do estúdio, visualizando claramente a posição de cada músico com a voz de Dylan sempre centralizada. Sua importância para a música popular é inestimável, já que foi um dos discos que mais ajudou a romper limites e expandir os mais diversos horizontes musicais.

Para muito mais sobre a boa música visitem
http://besouromusical.blogspot.com.br/

Os responsáveis são citados no texto. Não culpe os editores. :-)

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

Melhores Álbuns Ano a Ano: Parte 1, 1960Melhores Álbuns Ano a Ano: Parte 2, 1961Melhores Álbuns ano a ano - Parte 3: 1962Melhores Álbuns Ano a Ano - Parte 4: 1963Melhores Álbuns Ano a Ano - Parte 5: 1964Melhores Álbuns Ano a Ano - Parte 7: 1966

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Johnny Cash
10 músicas de rock que ele regravou

Paul McCartney: K7 exclusivo será lançada na Record Store DayBeatles: a história do integrante temporário vai virar filmeBeatles: "Sgt Peppers" ganha edição de 50 anos com faixas extrasBeatles: Ringo e Paul se juntam para gravar novo materialTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Separados no nascimento
John Lennon e Silvio Brito

Canal CMR
Os 10 melhores baixistas de todos os tempos

Futebol
Designer cria camisas inspiradas em clássicos do Rock

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 11 de dezembro de 2015

Todas as matérias da seção Maiores e MelhoresTodas as matérias sobre "Beatles"Todas as matérias sobre "Bob Dylan"Todas as matérias sobre "Beach Boys"Todas as matérias sobre "Byrds"Todas as matérias sobre "B. B. King"Todas as matérias sobre "John Coltrane"Todas as matérias sobre "Who"

Fotos de Infância
Avril Lavigne muito antes da fama

Iron Maiden
Banda cai no riso em show nos EUA de 2008

Exodus
Gary Holt fala sobre Megadeth, Metallica, MP3, tours, Baloff...

Total Guitar: os melhores e piores covers da históriaIron Maiden: incríveis versões em violão clássicoFotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadOzzy Osbourne: foto do pastel favorito do MadmanSean Yseult: "Tinha garotas que achavam que eu era homem"

Sobre Edson Medeiros

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online