30 Seconds To Mars: O Jesus Cristo do pop/rock alternativo

Resenha - 30 Seconds To Mars (Espaço das Américas, São Paulo, 27/09/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson de Souza Lima
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Espero não passar por herege. Não pretendo provocar a ira de católicos fervorosos nem chocar os fãs da Thirty Seconds To Mars. Mas o vocalista da banda, Jared Leto, tá a cara de Jesus Cristo. Pelo menos daquele Jesus que nos é mostrado desde o Renascimento. Com olhos claros, cabelos compridos e barba bem feita o americano tá a cara do Filho do Messias e, assim como esse, leva seus seguidores a um estado de empolgação e euforia.

Kiss: as 10 músicas mais "demoníacas" da bandaEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs

Isso não é novidade pra ninguém e gera piadas até mesmo entre os fãs do grupo. No show que rolou no Espaço das Américas, na quinta-feira, 27 de setembro, não foram poucos os gritos de "Glória, Jesus".

Enfim, piadas à parte o Thirty Seconds To Mars está percorrendo a América Latina com a "The Monolith Tour".

A banda que completa 20 anos de atividades mostra plena forma e sua mistura pop/rock alternativo/eletrônico sacudiu a casa que lotou. Como sempre gosto de dar uma sacada no público e notei que é muito heterogêneo: patricinhas, mauricinhos, adolescentes, pais acompanhando filhos, caras com jeito headbanger e muitos covers de Jared Leto.

Primeiro um pouco do que rolou antes. Sabia que ia ser tumultuado, pois Jared Leto e seu irmão Shannon (bateria) têm milhares de fãs em terras brasucas e que a casa ia lotar. Não deu outra: trânsito carregado nos arredores do Espaço e tive que deixar o carro num estacionamento que cobrou a paulada de R$ 50,00. Faz parte.

Peguei minha credencial. Fica aqui meu agradecimento ao Costábile e à Estela e entrei. Um rolê pela casa, sapeada aqui e ali. Confesso que não sou conhecedor da obra thirtysecondsmarciana , mas nos últimos dias fiz a lição de casa, ouvindo algumas músicas e pesquisando a história da banda.

Os caras utilizam diversos símbolos e selos de tempos em tempos. Todos eles, segundo a banda, para levar a um grau de entendimento e integração com os fãs. Então tá.

Esses símbolos estavam presentes em bandeiras, daquelas usadas em estádios de futebol nos bons tempos, para serem agitadas pelo público.

Quando vi pessoas carregando as bandeiras fiquei um pouco sem saber o que era aquilo. Mas saquei logo que os acessórios faziam parte da festa que é o show do Thirty Seconds. O clima tava tranquilão. Galera circulando pra lá e pra cá e eu tratei de me posicionar o melhor possível pra acompanhar o show.

Por volta, das 20h40 as luzes apagam, fãs gritam e celulares em punho anunciam que a festa ia começar. Shannon Leto entrou primeiro provocando histeria, mas a galera explodiu quando Jared entrou com suas roupas "diferentosas", sobretudo azul sobre uma espécie de quimono colorido e óculos escuros. Nota dez em moda. Mas o que importa é o som. Mandaram "Monolith", do recente "América". Aliás, o set list foi composto por metade de canções do novo álbum: 9 pra ser exato.

Entre elas, "Kings and Queens", "Hail To Victor", "Love is Madness" e "Live Like a Dream".

A cada música o público gritava e pulava e a cada palavra de Leto pedindo "Mãos ao alto" era loucura total. Leto é grande front man: exaltou o público paulistano, que adora tocar em São Paulo e que não tem lugar no Brasil mais animado. Rasgando a seda total. Na quarta música 'This is War" vários balões gigantes foram jogados pra galera que deu ainda mais clima de festa/show.

Leto chamou dois fãs ao palco pra animarem o público, chamou outros pra tirar selfie, desfilou com a bandeira do Brasil. Tudo o que se espera de um ótimo front man.

Dois momentos legais foram a participação do rapper Projota cantando um trecho em português em "Rescue me" e Shannon que deixou um pouco a bateria de lado e cantou bem "Remedy". Me arrisco a dizer que a voz dele é mais legal que a do irmão.

Pouco antes de encerrar Jared Leto mostrou ainda mais semelhança com Jesus e mandou sua "Walk on Water".

Encerraram a apresentação às 23h11 com "Closer to The Edge" com o palco lotado de fãs e sem direito a bis. Simplesmente deixaram o palco e nada de tchau.

Sorte dos que estavam no palco que iam encontrar os caras no backstage.

Mas pela reação tranquila do público ficou de bom tamanho.

Valeu.

SET LIST - THIRTY SECONDS TO MARS
Monolith - Disco América
Up in the Air - Disco Love Lust Faith Dreams, de 2013
Kings and Queens - Disco América
This Is War - Disco This is War de 2009
Dangerous Night Disco América
(Stripped intro)
From Yesterday Disco A beautiful lie de 2005
Do or Die - Disco Love Lust Faith and Dreams
(Fans onstage)
Love Is Madness - Disco América
Hail to the Victor - Disco América
City of Angels - love lust faith and dreams
Rescue Me - Disco América
(with Projota)
Hurricane - Disco This is war de 2009
Remedy - SHANNON NO VOCAL - Disco América
Live Like a Dream - Disco América
The Kill (Bury Me) Disco This is War
Walk on Water - Disco América
Closer to the Edge - Disco This is War
(Fans onstage)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "30 Seconds To Mars"


30 Seconds To Mars: Jared Leto comenta sobre o Coringa de Heath Ledger30 Seconds To Mars
Jared Leto comenta sobre o Coringa de Heath Ledger

30 Seconds To Mars: fã mandou uma orelha para Jared Leto30 Seconds To Mars
Fã mandou uma orelha para Jared Leto

Jared Leto: carta de amor e rato vivo para Margot RobbieJared Leto
Carta de amor e rato vivo para Margot Robbie


Kiss: as 10 músicas mais demoníacas da bandaKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda

Eddie: a foto que supostamente inspirou Derek RiggsEddie
A foto que supostamente inspirou Derek Riggs

Slipknot: Demissão de Joey Jordison foi a decisão mais difícil da carreiraSlipknot
Demissão de Joey Jordison foi a decisão mais difícil da carreira

Raul Seixas - Perguntas e RespostasHard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gêneroDavid Gilmour: em vídeo, performance fantástica ontem na TVFacebook: a popularidade das bandas segundo a rede social

Sobre Nelson de Souza Lima

Jornalista, repórter, resenhista, colunista musical. Assim é Nelson de Souza Lima. Mas acima de tudo um amante do rock, classic, hard e metal. Entre minhas entrevistas estão as feitas com Angra, André Mattos, Royal Hunt, Blind Guardian, entre muitas outras. Além disso sou baixista da banda de Classic Rock e metal The Green Pigs.

Mais matérias de Nelson de Souza Lima no Whiplash.Net.

adGooILQ