RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Stamp
Stamp

Alice Cooper: místico, emblemático e histórico

Resenha - Alice Cooper (Rock In Rio, Rio de Janeiro, 21/09/2017)

Por Rudson Xaulin
Fonte: Rudson Xaulin
Postado em 22 de setembro de 2017

Nome místico, emblemático e histórico: ALICE COOPER.
Com essa credencial, vamos falar um pouco do que foi o show, bem no que se refere à palavra "SHOW", de um dos nomes mais queridos do rock n’ roll mundial. Até então para muitos, o melhor show do festival, por enquanto. E eu não sei se alguma banda poderá fazer um show, como a palavra mesmo abrange, melhor do que o da titia! E injusto, acho eu, ele ser colocado no palco Sunset, obviamente.

Alice Cooper - Mais Novidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

A abertura do show, sombria e tenebrosa como sempre, ficou a cargo de BRUTAL PLANET, e estava aberto o teatro de horror! E alguém ali reclamaria disso? O local ficou lotado, mostrando que muitos ali esperavam pelo casamento perfeito de "música e teatro", a arte como um todo, que só a tia sabe fazer! ALICE COOPER faz isso com tanta maestria, que muita gente ali quer ver sangue, decapitação, bonecos horrendos e tudo o que se pode esperar do show de horror já tradicional dele, e mais uma vez, todos devem ter ficado satisfeitos.

A banda é muita coesa, ALICE deixou de lado coisas muito recentes, mas a banda mostra sempre calibre para as faixas mais antigas. Destaques para UNDER MY WHEELS, clássico absoluto, que ficou pesado, frio e levou o público para os cantos mais sombrios da alma, acho que era bem isso mesmo que ele, e conseguiu. O set foi bem curto, passagens interessantes para um solo de guitarra de NITA STRAUSS e um belo desempenho em POISON. Uma das mais sinistras faixas de ALICE é HALO OF FILES, que ao vivo é mais um translado entre sanidade e loucura, mas é isso que se espera de um show dele, e mais uma vez, tivemos isso de modo gritante. Muitas pessoas desavisadas estranham a performance de ALICE COOPER, mas depois de entenderem o que ele de fato faz, percebe-se que estamos diante de um dos últimos showman legítimo que o rock n’ roll vai gerar. Mesmo ALICE estando na casa dos 70 anos, parece o mesmo jovial roqueiro maluco que te da um show alucinógeno.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Em FEED MY FRANKENSTEIN, que levou ao palco um boneco gigante e grotesco, nada de efeitos especiais, é mesmo um cara andando pelo palco, naquela fantasia doida, divertindo todo mundo. Um velho efeito visual que nunca perde a graça! Tivemos em destaque ainda COLD ETHYL, uma das faixas que ficaram mais pesadas ao vivo, mostrando total competência da cozinha da banda, e um ALICE "chamando umas bonecas na porrada", carregando mais polêmica para o seu show, mas no fim é apenas o velho COOPER encenando ele mesmo, quando está no paco, se tornando o cara malvado do rock n’ roll.

ALICE COOPER ainda foi parar na guilhotina! E o efeito é tão bom, que você pode ouvir alguém dizer dentro da sua mente "cabeças irão rolar", de tanto que se espera por isso no show. Depois ainda uma espécie carrasco demoníaco anda por aí com uma cabeça decepada, hilário e chocante! Para o cover de FIRE, tivemos a participação de ARTHUR BROW, o mestre, com a cabeça em chamas! E assim a primeira parte do show terminou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

Para o bis, claro que SCHOOL’S OUT, essa não pode ficar de fora e é sempre o carro chefe dos shows de COOPER. Como se diz sempre: "O melhor fica para o final". ALICE trouxe ao palco seu amigo JOE PERRY, do AEROSMITH para essa faixa e terminaram o show juntos, de forma maestral e única. ALICE COOPER deu ao Rock In Rio uma performance inesquecível, ensinou de fato como se faz o bom e velho rock n’ roll ainda chocar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Maiato

Loudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta

Alice Cooper e TNT: a semelhança de Be my Lover e Não Sei


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Andre Facchini Medeiros | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Jesus Leitão Souza | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Roberto Andrey C. dos Santos | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal