Marillion: Banda emociona mais uma vez o público carioca

Resenha - Marillion (Vivo Rio, Rio de Janeiro, 30/04/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Prudente, Fonte: RockBizz
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Depois de dois anos da última visita na capital fluminense, a banda progressiva Marillion retorna ao palco do Vivo Rio com um show de trejeitos de 'best of', onde o caráter festivo e contemplativo a uma carreira pautada por inúmeros hits foi a tônica de toda a apresentação.

Marillion: Afraid of Sunlight será relançado com material inéditoNirvana - Perguntas e Respostas

Sem disco novo de estúdio para divulgar - que será lançado no segundo semestre deste ano -, os britânicos souberam, como sempre, emocionar o público com canções irrepreensíveis que edificaram suas carreiras e discografia de sucesso como é o caso de "The King of Sunset Town", que relembrou o ótimo álbum "Season End" e rememorou o porquê da grande aceitação do até então novo vocalista, Steve Hogarth - completa a banda Steve Rothery (guitarra); Mark Kelly (teclado); Pete Trewavas (baixo) e Ian Mosley (bateria) -, visto os predicados do disco e da canção citada.

O Marillion é uma das poucas, quiçá a única, bandas de rock progressivo considerada clássica que se mantém ativa nos dias de hoje, lançando discos de estúdio com periodicidade e que nada devem ao passado de glória, e uma das provas de tal afirmação pôde ser conferida sob os acordes de "Power", canção que compõe o mais recente lançamento, o brilhante "Sounds That Can't Be Made".

A produção de palco foi de contornos simples com apenas um grande telão, ao fundo do palco, que trazia imagens respectivas às canções, o que fora mais que suficiente para a para celebração da noite progressiva, afinal, quando músicas do quilate de "You're Gone"; "Hooks in You"; "Cover My Eyes (Pain in Heaven)" e "Man of a Thousand Faces" ecoam pelo PA tais detalhes de palco tomam um caráter efêmero.

O carinho e apreço dos britânicos pelo público brasileiro não é novidade, mas parece que os fãs cariocas são tratados de forma ainda mais especial, fato provado com a execução da emocional "Lavender", ganhada no 'grito' pelo público. E se a ideia era emocionar, o ápice emocional da noite veio com a canção "Sugar Mice", que representou o excelente disco "Clutching at Straws" e provou que uma banda pode ter seu momento intimista sem soar piegas e/ou gratuito.

As radiofônicas "Kayleigh"; "Beautiful" e "Easter", cantadas uníssono, enfatizaram, mais do que nunca, o atributo de 'best of' do show. "Sounds That Can't Be Made" fora, infelizmente, prejudicada por problemas técnicos, gerando visível insatisfação em Steve Hogarth que logo, logo, sugeriu à execução de outra canção, sendo "Afraid of Sunlight" a escolhida para desanuviar os problemas da antecessora. E para fechar a primeira parte da apresentação veio à homenagem ao cantor/compositor, Prince, com a canção "King", que contou com imagens projetadas ao telão de ídolos que marcaram a história da música e cinema contemporâneo.

Para o primeiro 'encore' da noite, a progressiva "The Invisible Man" trouxe a tessitura complexa que todo fã de rock progressivo é ávido, figurando em um dos momentos mais celebrados do show. E para o segundo e último 'encore' e para finalizar a sexta passagem do Marillion na capital fluminense, a citada "Beautiful" e o clássico oitentista "Garden Party" convidaram o público a cantar cada verso e melodia, comprovando o quanto a música do Marillion é bem quista pelas bandas de cá.

Com quase duas horas de show, o Marillion fez o que lhe é atribuído e praxe: emocionar seu público com belas canções. Quanto ao público carioca se pode afirmar também que sua atribuição fora feita de forma brilhante, prestigiando e celebrando um dos principais nomes do rock progressivo. Agora, resta a torcida por um retorno breve com a divulgação do próximo registro de estúdio, que promete ser um álbum de contorno progressivo, complexo e denso, o que é uma afirmação mais que benvinda aos fãs do quinteto britânico.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Marillion"


Marillion: Afraid of Sunlight será relançado com material inédito

Mike Portnoy: os dez melhores discos de rock progressivoMike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo

Brasil: Bandas que gravaram discos ao vivo em nosso paísBrasil
Bandas que gravaram discos ao vivo em nosso país

Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo


Nirvana - Perguntas e RespostasNirvana - Perguntas e Respostas

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA

Guns N' Roses: o Chinese Democracy que você nunca viuGuns N' Roses
O "Chinese Democracy" que você nunca viu

Led Zeppelin: a inspiração por trás de KashmirLed Zeppelin
A inspiração por trás de "Kashmir"

Rock Cristão: as principais bandas nacionaisRock Cristão
As principais bandas nacionais

John Lennon: Julian Lennon revela ódio pelo próprio paiJohn Lennon
Julian Lennon revela ódio pelo próprio pai

Apocalyptica: Natal na Finlândia é um período negroApocalyptica
"Natal na Finlândia é um período negro"


Sobre Marcelo Prudente

Marcelo Prudente, 28 anos, nascido em Volta Redonda/Rio de Janeiro. É profissional da área de Comunicação, trabalha com Publicidade e Jornalismo. Começou a tomar gosto pela música quando criança por influência dos pais e tio. Louco pela carreira do velho madman, Ozzy Osbourne. Curte também Iron Maiden, Kiss, Rammstein, Rob Zombie, Alice Cooper, etc. E já perdeu a conta dos bons shows que já assistiu e dos ótimos discos que tem. Para mais informação: http://rockonstage.blogspot.com/. Long live to Rock n' Roll.

Mais matérias de Marcelo Prudente no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336