Iron Maiden: A antítese ao rock preguiçoso

Resenha - Iron Maiden (Allianz Parque, São Paulo, 26/03/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Bruno Martim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Caro leitor (a): você se recorda de quantos lançamentos presenciou das chamadas grandes bandas de rock, como Iron Maiden, Rolling Stones e Metallica, nos últimos 20 anos?

943 acessosBruce Dickinson: data de lançamento de sua autobiografia5000 acessos1986: O ano definitivo da música pesada

Se você já passou da fase dos vinte e poucos  —  como eu  — sabe que os dois últimos nomes não têm disponibilizado novas músicas com a frequência de outrora. Pior que isso, têm vivido apenas de turnês e lançamentos esporádicos  —  no caso do Metallica já são quase DEZ anos desde o seu último disco de estúdio: “Death Magnetic”, de 2008; e no dos Stones, mais que isso: são 11 anos à espera de um novo álbum.

Ou seja, em estúdio, determinadas bandas acabam, sim, sendo mais preguiçosas que outras.

Falta de criatividade? Problemas internos que dificultam a agenda para gravações? O peso da idade? Decidam.

Mas raciocinemos: se um grupo, como o Iron Maiden, se coloca na vanguarda de um movimento importante, como a NWOBHM (New Wave Of British Heavy Metal), e busca inovar, com frequência, a cada álbum, explorando novas sonoridades e conceitos, preguiçoso é que ele não é.

Nem um pouco, diga-se.

A banda inglesa é comumente encontrada em listas de melhores discos do ano e bate recorde de vendas em países do mundo todo.
Mais que isso, traz novos elementos a cada um dos seus álbuns.

Para traçarmos um paralelo: nos últimos 20 anos, o Iron Maiden gravou e lançou seis álbuns de estúdio. Se somados, Rolling Stones e Metallica gravaram cinco.

Assim, fica fácil entender o impacto que a Donzela de Ferro tem em seu segmento, a música pesada, e também no cenário da música pop mundial. Afinal, é um fenômeno a ser observado.

Os ingleses poderiam estar em casa, deitados, ou na praia, torrando abaixo de um sol escaldante. Mas não, querem e vivem em função da sua música. É o que dá vida a eles.

E isso foi o que se viu, neste último sábado, 26, no Allianz Parque, em São Paulo.

Sempre que visita o Brasil, a trupe de Steve Harris e Bruce Dickinson coleciona lembranças, estádios — e, agora, aeroportos — lotados e fãs aficionados por vê-los e ouvi-los.

E, mais uma vez, foi assim.

A apresentação na capital paulista se resumiu a uma experiência saudosa  —  não clichê, entretanto — para grande parte dos fãs.

Composta por uma maioria mais velha  —  acima dos 25 anos  —  a plateia do Iron Maiden vibrou.

Cantou.

E aproveitou cada uma das 16 músicas executadas in loco.

Fãs de um perfil etário mais jovem também foram vistos por todos os lados. Registro que mostra uma renovação no perfil do público da banda.

E, convenhamos: com discos lançados com frequência, é mais fácil fidelizá-los.

ADENDO: Trazer o Iron Maiden para a América do Sul é, também, uma grande oportunidade para organizadores e promotores de grandes eventos.

Só na capital paulista, segundo a organização, foram mais de 42 mil pessoas.

Trazer a banda pra cá é, sem dúvida, garantia de retorno financeiro e de exposição na mídia.

Vale a pena apostar, portanto.

Voltando à apresentação.

Com trocas de figurinos e cenários, o Iron Maiden deixou evidente a sua preocupação e esforço em oferecer algo novo, diferente do habitual.

Em uma nova roupagem, a banda deu aquilo que conhecemos, há algum tempo, a muitas pessoas que os viam pela primeira vez.

Uma novidade. Mesmo que piegas para alguns.

No show, também optaram por valorizar suas novas composições, que fazem parte do recém-lançado e aclamado “The Book Of Souls”.

Destaque para “The Red And The Black” e “Speed Of Light”, duas das mais comemoradas do atual setlist.

O Iron Maiden, enfim, ousa e arrisca como nenhuma outra grande banda do seu patamar.

Sem medo.

Mais progressiva, com canções longas e com novas harmonias, redefine o caminho desenhado por ela durante a última década, em discos como “Dance Of Death” e “A Matter Of Life And Death”.

Fatos que comprovam a ideia de antítese ao rock preguiçoso. Aquele de pouca coisa nova e já acomodado.

Afinal, inovação e criação sintetizam a busca pela perfeição.

Mesmo que em um processo de reciclagem, como a fase da banda pode parecer para alguns.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Data de lançamento de sua autobiografia

1233 acessosIron Maiden: banda inclui "The Great Unknown" na Bélgica186 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands960 acessosTales Of The Iron Maiden: "From Here To Eternity" em novo vídeo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Os dois primeiros álbuns soavam horríveis, diz Di'anno

HelloweenHelloween
Markus e Dani falam sobre os fãs, Maiden, Avantasia

Iron MaidenIron Maiden
A Matter Of Life And Death é melhor álbum da década?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de abril de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

19861986
O ano definitivo da música pesada

Rob HalfordRob Halford
"Talvez eu seja o único vocalista gay de Metal!"

Guns N RosesGuns N' Roses
Duff comenta sobre Axl e mudanças na indústria musical

5000 acessosRock progressivo: bandas que merecem ser ouvidas5000 acessosJames Hetfield: "Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"5000 acessosNirvana: como soa a voz de Kurt Cobain isolada?3076 acessosMetallica: cover de "Battery" no banjo por Rob Scallon5000 acessosKirk Hammett perdendo a guitarra para o público em 19835000 acessosMetallica: Hetfield revela faixa que deveria ter ficado de fora do "Ride The Lightning"

Sobre Bruno Martim

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online