A-Ha: Nem só de bacalhau vive a Noruega

Resenha - A-Ha (São Paulo, Espaço das Américas, 14/10/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar Correções  

Tenho duas belas lembranças do início de minha adolescência com o a-ha. Uma na 2ª edição do Rock in Rio, em 26 de janeiro de 1991 e a outra em 5 de junho do mesmo ano em Salvador. Para este último tentei ir, mas não tive sucesso em casa. Aliás, a censura não iria permitir minha entrada, mas este argumento do meu pai não me convenceu à época. Naquela altura, eu já curtia o som dos noruegueses há pelo menos uns 4 anos, tinha os LPs lançados e conhecia de cor algumas de suas letras, em especial "You Are The One" por tocar todos os dias no extinto Xou da Xuxa, dentre outros hits do trio. Achava-os divertidos, pareciam caras normais, daqueles que poderiam ser encontrados em cada rua de seu país e, portanto, o representavam bem. Creio que não estava de todo errado. Demorou, mas finalmente pude apreciá-los ao vivo 24 anos após aquela vinda à Bahia. Acompanhe o resumo disto.

A-ha: turnê no Brasil deve rolar no 1° semestre de 2021, diz jornalista

Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidade

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A nova "Cast in Steel", do homônimo lançado há pouco mais de um mês abriu o show e, mesmo com problemas no som, mostrou sua beleza pela primeira vez em solo paulistano. Tenho escutado bastante este novo e belo álbum nas últimas duas semanas, o que provocou arriscar algumas linhas com o vocalista Morten Harket, mas cantei baixinho ali no meu canto e me safei das erratas. Na sequência dois clássicos, "I've Been Losing You" e "Cry Wolf", ambas do essencial 'Scoundrel Days' [1986], talvez o meu favorito da primeira fase. Em uníssono, seus refrões foram entoados por fãs e banda em sincronia quase perfeita. "Move to Memphis", do subestimado 'Memorial Beach' [1993], fez-me recordar de como curto aquele trabalho do a-ha. Adoraria ter ouvido também a perfeita "Angel in the Snow", mas fica para uma próxima.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Mythomania", outra novinha em folha [belo andamento e letras], mostrando que Magne Furuholmen, tecladista, está em plena forma. O moço, aliás, arrasa escrevendo sozinho ou com Pål Waaktaar-Savoy, guitarrista e principal compositor no a-ha. De todo modo, deixo aqui registrado, que minhas duas favoritas em 'Cast in Steel' não são itens deles, mas de Harket, a saber "The Wake" e a emocional "Living at the End of the World". Pena que nenhuma delas foi lembrada no repertório daquela noite. A trinca seguinte foi de chorar. Escutar/ assistir "Stay on These Roads" [sempre irretocável], "Scoundrel Days" [vocais de Morten um pouco a desejar, mas sem comprometer o resultado final] e "Crying in the Rain", o cover de Carole King [nem a própria dona consegue fazer melhor] levou de volta ao quarto de um carinha sonhador, nascido no interior, repleto de sonhos e sem a mínima ideia de como realizá-los.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por falar em 'Scoundreal Days', o álbum teve bastante destaque no set. Além das já mencionadas, mandaram - nesta ordem - "Soft Rains of April", a bacana "We're Looking for the Whales" e uma de minhas favoritas, "The Swing of Things", mas achei um pouco demais, para dizer a verdade. Por conta disto não houve, por exemplo, espaço para nada do meu predileto de todos, 'Minor Earth Major Sky' [2000], nem 'Lifelines' [2002] ou 'Analogue' [2005]. Fiquei grilado, não me julguem ;)

Bem, dali em diante a cantoria rolou solta entre banda e público porque de "Foot of the Mountain", passando pelo hino "You Are the One", a soberba "Sycamore Leaves", a onipresente "Hunting High and Low" e os dois 'encores' trazendo nada menos que "The Sun Always Shines on T.V." [com imagens de São Paulo rolando no telão e declaração de amor à cidade no final], a ótima "Under the Makeup", primeiro single extraído de 'CiS', tocada em versão acústica e outro dos meus xodós no repertório do a-ha, "The Living Daylights", cada nota, cada palavra e cada aperto de mão de Morten aos sortudos [quase] colados no palco parecia como se fosse a primeira vez, se é que me entendem. Lindo momento, apesar do calor senegalês dentro do Espaço das Américas. Faltava apenas "Take on Me" para que a festa nórdica atingisse seu apogeu e mantivesse um sorriso nos presentes pelos próximos dias. Pela performance geral nela, tenha certeza de que vai ser assim mesmo. Lindeza!

Agradecimento especial à Midiorama pelo credenciamento e atenção.

Set-list:
Cast in Steel
I've Been Losing You
Cry Wolf
Move to Memphis
Mythomania
Stay on These Roads
Scoundrel Days
Crying in the Rain (Carole King cover)
Soft Rains of April
We're Looking for the Whales
The Swing of Things
Foot of the Mountain
You Are the One
Sycamore Leaves
Hunting High and Low

Encore 1:
The Sun Always Shines on T.V.
(imagens de São Paulo no telão e um 'eu te amo sp')
Under the Makeup (Acoustic)
The Living Daylights

Encore 2:
Take on Me

P.S.: Se algum leitor souber os nomes dos músicos que acompanharam o trio, gentileza postar na área de comentários logo abaixo. Obrigado!




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


A-ha: turnê no Brasil deve rolar no 1° semestre de 2021, diz jornalistaA-ha
Turnê no Brasil deve rolar no 1° semestre de 2021, diz jornalista


Separados no nascimento: Morten Harket e Patrick SwayzeSeparados no nascimento
Morten Harket e Patrick Swayze

Metallica: cover de Take On Me do A-HA em show na NoruegaMetallica
Cover de "Take On Me" do A-HA em show na Noruega


Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidadeMusas do Metal Nacional
Combo de talento e sensualidade

Floor Jansen: Eu não sou uma puta arroganteFloor Jansen
"Eu não sou uma puta arrogante"


Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280 GooInArt