Sleeping with Sirens em São Paulo: Fotos e resenha do show

Resenha - Sleeping with Sirens (Carioca Club, São Paulo, 15/08/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Yokota
Enviar Correções  




















Em seu giro sulamericano, o SLEEPING WITH SIRENS passou por São Paulo neste fim de semana com seu rock que os mais chegados em rótulos costumam chamar de "post hardcore". Dada a alta procura de ingressos, foi incluída uma data extra na Clash Club ocorrida no dia anterior.

Fotos e texto por Fernando Yokota
(facebook/fernandoyokotafotografia)

Para a alegria dos espectadores, a maioria de garotas com não mais que dezoito anos, e para o olhar preocupado de alguns dos vários pais que olhavam mais ao fundo quando o vocalista Kellin Quinn decide puxar um coro de impropérios em inglês (verdade seja dita, alguns deles se divertiam junto), a banda executou basicamente o mesmo repertório de suas últimas apresentações.

A soma do fato de ser a primeira visita da banda ao país com a fila que se formava do lado de fora com uma antecedência não muito comum para shows no local transformou o Carioca Club num caldeirão hormonal e a banda não teve muito trabalho para, depois do resoluto set, mandar os fãs contentes para casa. Para este bolorento, neandertálico e antiquado reporter/fotógrafo, ainda que, digamos, não tenha a banda figurando em sua lista de favoritas, é sempre revigorante ver os mosh pits pulsando, jovens e renovados, independente da trilha sonora.

De negativo, fica apenas um registro: quase no fim do show, Quinn atendeu ao pedido de um fã para subir ao palco e cantar com a banda, que por sua vez pedira ao vocalista para que desse um abraço em sua namorada. O vocalista perguntou se ele não a pediria em casamento ali no palco e, se a desenvoltura sobrou para o rapaz na hora de cantar, quando Quinn colocou a bola na marca da cal o fã pediu para não bater o pênalti. Fica para a próxima...

Setlist:

Kick Me
Do It Now Remember It Later
We Like It Loud
Go Go Go
Tally It Up, Settle the Score
Fly
Gold
The Strays
Scene Two: Roger Rabbit
Iris (cover dos Goo Goo Dolls)
Parasites
Better Off Dead
Don't Say Anything
If I'm James Dean, You're Audrey Hepburn
If You Can't Hang

(Com o agradecimento a The Ultimate Music e à Liberation pelo credenciamento)



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Capas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da históriaCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história

Freddie Mercury: Características vocais do cantorFreddie Mercury
Características vocais do cantor


Sobre Fernando Yokota

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin