Rock Cordel: Show com quatro veteranas do público cearense

Resenha - Rock Cordel (CCBNB, Fortaleza, 23/05/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna, Fonte: Rock-Ce
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O "Rock Cordel" abriu sua programação no dia 21 de fevereiro e durante as sextas-feiras seguidas vem recebendo artistas da música underground até a realização do festival que será do dia 16 a 26 de julho. O Metal pesado é um dos atrativos do calendário - já pisaram no palco até aqui, nomes como SOH, Oráculo, Warbiff, Fist Banger e muitos outros. No momento desse registro estavam quatro veteranas do público cearense.

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaGuns N' Roses: o "Chinese Democracy" que você nunca viu

FOTOS: André Rocha

Pontualmente na hora marcada, a tia assassina GSTRUDS levou para os presentes muito peso e descontração. Músicas como 'Puta Purulenta' e 'Maldição Do Ovo' que fazem parte do CD 'Only Tia Gertruds Is Real', foram executadas pelo quarteto que também brindou os bangers com composições antigas como, 'Panelada' e 'Vingança Do Seu Madruga'. Um dos momentos mais brutais aconteceu em 'Churrasco Dos Vermes', com a participação de Felipe Ferreira (baixista e vocalista do Clamus) nos vocais e o 'frontman' Luiz Lemos da "GS" descendo do palco para rodar no 'circle pit'.

A empolgação seguiu com CLAMUS e seu furioso Death/Thrash. A banda se destaca pela performance vocal dividida entre o baixista, Felipe e o guitarrista Lucas Gurgel. O trio que também conta com Edu Lino na bateria, divulga o EP III que mostra uma banda bem mais técnica e violenta e, que também, já começou a emplacar belos elogios na imprensa especializada. Em palco, a fórmula se repete com guturais e rasgados alternados, combinados às palhetadas de Lucas e ao baixo de Felipe. Por um instante a força causou uma queda na eletricidade, porém a equipe técnica fez sua parte antes da festa esfriar. Lucas aproveitou o momento para agradecer ao programa cultural e à massa de bangers presente. Entre as músicas do Clamus, entrou no 'set list' o cover de 'Wolverine Blues' (Entombed).

O momento aguardado pelos 'Speedthrashers' chegou empossando o DARKSIDE. O novo baterista Bosco Lacerda (ex-Final Prophecy) teve três ensaios para pegar o repertório, e assim o fez sem ressalvas. A intro 'The Apocalypse Bell Part. II' abre as portas para 'Legacy Of Shadows', nova canção tocada em outros shows que já tem seu refrão acompanhado pelos fãs. O vocalista Marcelo Falcão vem evoluindo suas entonações a cada palco, sendo este um de seus melhores momentos. O povo, mais aglomerado, procurava espaço na pista para comportar as rodas que iam surgindo. O público headbanger tem sido um grande expoente das programações e cantou com a banda a primeira execução do álbum 'Prayers In Doomsday', 'Sacrificed Parasites', para então receber as notas de 'Born For War'. O momento foi de estrapolação completa, uma troca insana de energia que você pode até conferir no Youtube. As pedras rolaram com mais duas inéditas, 'Dust Devil' e 'Megashits On Microminds' até chegar em 'Bubonic', canção que se tornou hino para os fãs.

Depois de um 'satge diving' do guitarrista Tales Groo, o Darkside se despede junto com a tarde e, para continuar, a noite não poderia trazer atração melhor do que o Obskure. Os "obscuros" começam o set com 'Brave's Arrival', passagem que abre o primeiro álbum, 'Overcasting' (1997) para então ecoar 'Christian Sovereign', lançada como clipe de divulgação de 'Dense Shades Of Mankind' (2012). A galera incansável se dividia entre os que ficavam 'bangeando' e os que se lançavam do palco, enquanto isso os músicos começam trabalhar em 'Aton's Servant'. O vocalista Germano Monteiro cativa o público e incita a fazerem rodas que, evidentemente, era atendido. O repertório seguiu com 'Tension Eve Massacre' e 'Hidden Essence Rescue', música que traz participação da vocalista Claudine Albuquerque (Nafandus) na versão de estúdio. O clima dos teclados de Fabio Barros - acertando nuances com os solos e riffs da dupla Amaudson Ximenes e Daniel Boyadjian - ao vivo é tão perfeito quanto nos álbuns, a cozinha do batera Wilker D'angelo e do baixista Jolson Ximenes é tão entrosada que, até fora do Obskure, trabalham juntos em outros projetos. Aqui a apresentação foi seguindo com 'Memories Of A Recent Past', 'Barren Evolution', 'From One Who Stopped Dreaming' e a velhinha de 1992, 'Factoring Sarcasm'. O evento terminou com Germano se atirando aos fãs e a banda saindo do palco sob uma chuva de aplausos.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Gstruds"Todas as matérias sobre "Clamus"Todas as matérias sobre "Dark Side"Todas as matérias sobre "Obskure"Todas as matérias sobre "Darksyde"


Melhores de 2012: as escolhas do redator Leonardo Daniel TavaresMelhores de 2012
As escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares


Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista

Guns N' Roses: o Chinese Democracy que você nunca viuGuns N' Roses
O "Chinese Democracy" que você nunca viu

Duff McKagan: Nikki Sixx, do Motley Crue, é um gênio!Duff McKagan
"Nikki Sixx, do Motley Crue, é um gênio!"

Guns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl RoseDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaMike Portnoy: trolls de internet tem culpa no suicídio de Cornell e ChesterIron Maiden: Veja as primeiras imagens do Eddie da nova tour

Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.