Avril Lavigne: 100 minutos de show impecável em São Paulo

Resenha - Avril Lavigne (Citibank Hall, São Paulo, 29/04/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Monica Prado
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Mais de uma década depois que Avril Lavigne emergiu em Ontário, ela ainda é a princesa do pop punk. Com cinco álbuns e sucessos marcantes, a bela loura, com seu delineador nos olhos – que deve conter alguma magia negra que a deixa mais bela com o passar dos anos - mostrou que gosta do que faz, e sabe fazer muito bem, ela canta com uma naturalidade incrível, e sua beleza estonteante deixou o público mais ávido por Avril na noite fria na capital paulista.

5000 acessosAvril Lavigne: ela morreu e foi substituída por uma sósia?5000 acessosAvenged Sevenfold: "Mike Portnoy não queria sair da banda"

Fotos: Divulgação T4F

Cem minutos de um show impecável fizeram os fãs cantar muito as 18 faixas apresentadas. O set list teve maior visita do último álbum ‘Avril Lavigne’ com 6 faixas executadas. Os álbuns do início de sua carreira ‘Let go’ e ‘Under My Skin’ também fizeram a festa da galera, contribuindo com 4 faixas cada um. Do terceiro e quarto álbum, ‘The Best Damn Thing’ e ‘Goodbye Lullaby’ só 2 faixas de cada entraram no repertório.

A primeira faixa ‘Bad Girl’ contou com a imagem do cantor Marilyn Manson no telão, que a acompanha nos vocais, e faz um som barulhento. Na sequência ‘Here’s to Never’ e a excelente ‘What the Hell’, fez a garotada soltar a voz.

Ao cantar ‘Smile’, ela diz que ‘nós somos o motivo dela sorrir’ e, em seguida, manda ‘Rock N Roll’, onde o clipe em que ela se veste um traje militar punk e interage com Danica McKellar é exibido. A letra, também, conta uma história sobre rebelião: "e se você e eu acabamos de colocar um dedo médio para o céu/Deixe que eles saibam que ainda somos rock ' n' roll’

Depois de ‘I Always Get What I Want’, ela troca a camiseta punk pelo modelito - tutu de ballet negro e chifrinhos de diabo na cabeça – e volta ao palco pronta para ‘Give You What You Want’ e ‘When you’re gone’.

A atmosfera estava elétrica com os gritos dos fãs - adolescentes na grande maioria - mas também os pais que os acompanhavam e adultos que ainda curtem (e muito) o som dela.

Avril Lavigne parece que se orgulha da sua rebeldia, já que ela conseguiu transformá-la na ferramenta do seu trabalho, que hoje lhe rende o posto de uma das jovens mais ricas do mundo, segundo a revista Forbes. Mas ela não é mais tão rebelde, está mais madura, apesar de apenas 29 anos e casada pela segunda vez, ela mostra que tem total controle de tudo que envolve seu nome (músicas, perfume, roupas), e tem um grande cuidado com isso. Pode-se ver durante o show ela, elegantemente, olhar para a mesa de som e gesticular pedindo que aumentassem o som de seu microfone. Ela tem tudo sob controle.

Lavigne encontrou inspiração na instabilidade da juventude para criar seus dois primeiros álbuns e eles dominaram a sequência do show com ‘Nobody’s Home’, ‘I’m with you’, ‘Complicated’, ‘Things I’ll Never Say’, ‘Don’t Tell Me’, ‘My Happy Ending’, ‘He Wasn’t’ e ‘Sk8er Boi’.

Agora, vestindo um blazer colorido e uma tiara com um laço dourado, ela volta para mostrar a deliciosa e açucarada ‘Hello Kitty’, finalizando com ‘Girlfriend’. A experiência de ver Avril ao vivo é infinitamente melhor do que apenas ouvi-la cantar. Este show provou isso. A garota canadense não se deixou consumir pela fama, nem pela indústria. Ela faz tudo do seu jeito, consegue imprimir sua marca, e o público adora.

Line up:
Avril Lavigne – vocais
Jim McGorman - guitarra
Rodney Howard - bateria
Al Berry - baixo
Stephen Anthony Ferlazzo Jr - teclado
Steve Fekete - guitarra

Set List:
Bad Girl
Here's to Never Growing Up
What the Hell
Smile
Rock N Roll
I Always Get What I Want
Give You What You Like
When You're Gone
Nobody's Home
I'm With You
Complicated
Things I'll Never Say
Don't Tell Me
My Happy Ending
He Wasn't
Sk8er Boi

Encore:
Hello Kitty
Girlfriend

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Avril LavigneAvril Lavigne
Ela morreu e foi substituída por uma sósia?

675 acessosBillboard: há rock na lista de 100 melhores refrães do século 210 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avril Lavigne"

Avril LavigneAvril Lavigne
Defendendo o Nickelback de bullying do Mark Zuckerberg

Meet & GreetMeet & Greet
Como os roqueiros de verdade se comportam

Black MetalBlack Metal
Versão pesada de "Hello Kitty" da Avril Lavigne

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 07 de maio de 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Avril Lavigne"

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
"Mike Portnoy não queria sair da banda"

MetallicaMetallica
O prefácio de Lars Ulrich para o livro de Shawn Clown

Duff McKaganDuff McKagan
"Entre 1989 e 1993 eu cheirei meu peso em cocaína"

5000 acessosChorão: Tico Santa Cruz solta o verbo à sociedade hipócrita5000 acessosGaleria - Algumas das beldades do Rock e Metal nacional5000 acessosIron Maiden: banda cai no riso em show nos EUA de 20085000 acessosDeuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos eles5000 acessosLemmy: Jon Lord, ser uma lenda e a descrença na humanidade5000 acessosSammy Hagar: ego fora de controle ou mentiroso descarado?

Sobre Monica Prado

Sou formada em Engenharia pela E. E. Mauá e atualmente curso Filosofia na FFLCH-USP. Sou professora e tradutora de Inglês. Amo música e curto desde música clássica até o Heavy Metal. Música brasileira não é meu forte, mas sei apreciar um som de qualidade. A música me ajuda a sobreviver neste mundo, e ele ainda vale a pena por causa dela!

Mais matérias de Monica Prado no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online