Imagine Dragons: Plateia afiada e som limitado no Lollapalooza

Resenha - Imagine Dragons (Lollapalooza Brasil, São Paulo, 05/04/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Este era sem dúvidas um dos shows mais esperados da garotada. Expoente da nova geração do rock, o IMAGINE DRAGONS veio com tudo para o Lollapalooza para tentar demarcar seu nome definitivamente como banda da nova geração. O público compareceu em peso ao palco Ônix: a garotada na vontade ver a banda que ouvem nas rádios, no MP3 e em todos os lugares; os mais velhos querendo saber o que diabos seria esse artista e se ele seria capaz de traduzir no palco aquilo que fazem no disco. No final, boa parte do público saiu energizada, mas a maioria acabou na interrogação, sem saber ainda do que esses caras são capazes.

1078 acessosLollapalooza: UNE processa festival por suspeita de burlar meia5000 acessosWonder Years: O soundtrack do grande sucesso de público e crítica

Fotos: Renan Facciolo / Roadie Crew

O Palco Ônix, um dos reservados para tocar as principais bandas da noite, parecia um plano bem arquitetado. A elevação na parte de trás, como que uma montanha, criava um clima meio de arena. Parecia bonito, teoricamente parecia muito inteligente... certo? Porém não, não foi. Nem para a visão do público, que mesmo do alto apanhou bastante para conseguir ver a banda, nem para o áudio que não conseguiu nem de perto alcançar os ouvidos dos fãs, que eram muitos: parecia que o público quase como um todo estava extremamente curioso para saber afinal do que essa nova geração era feita.

A banda abriu o show com “Fallen” e “Tiptoe”, duas ótimas músicas do único disco full da banda, “Night Visions”, e desde o início o som sofrível não conseguia alcançar os ouvidos do público, que se entreolhava e não sabia muito o que estava acontecendo. A plateia da frente, porém, parecia escutar muito bem, e puxou a banda com ótima vontade. Cantando juntos, levantando os braços, causaram ali mais que a banda e rivalizaram com os vocais de Dan Reynolds.

O setlist, para o porte de uma banda de um único álbum, realmente se saiu muito bem e causou o efeito necessário na plateia, que cantou em boa parte do show e serviu como termômetro da banda. O público, porém, pareceu em geral não entender muito bem o cover de “Song 2”, do BLUR. Será que realmente a maioria do público não conhecia a letra da música? O refrão, repetido, era fácil de prever e cantar junto.

O grande destaque do show foi o vocalista Dan Reynolds, que mostrou ser um excelente frontman, dominando o público e guiando a cantoria dos fãs, que não paravam um instante sequer. A capacidade de improvisação da banda, porém, era pouca, e se fixava mais na percussão de Daniel Platzman, que parece ser o integrante mais talentoso da banda e o responsável por puxar e conduzir o ritmo do Imagine Dragons.

Fechando o show, a sequência final realmente emocionou o público. “On Top of the World”, em um ritmo tranquilo e muito puxado para o reggae, fez o público cantar com vontade seu refrão. Realmente aquele tipo de música para animar o público. O show foi fechado com o hit maior da banda, “Radioactive”, com uma puxada extremamente enjoativa do refrão, que é repetido em uníssono por todo o público: pegajoso, perigoso, prende na cabeça, por essas e outras a banda conquistou seu espaço tão rápido e, se continuar a fazer uma música simples e pegajosa, ainda vai dar muito o que falar para a garotada, que parece estar muito familiarizada com este nível musical.

Imagine Dragons é:
Dan Reynolds – Vocal
Ben McKee – Baixo
Wayne Semon – Guitarra
Daniel Platzman – Bateria

Setlist:
1. Fallen
2. Tiptoe
3. Hear Me
4. It's Time
5. Amsterdam
6. Rocks
7. Song 2 (cover do Blur)
8. Cha-Ching (Till We Grow Older)
9. Demons
10. Bleeding Out
11. On Top of the World
12. The River
13. Radioactive

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 07 de abril de 2014


Las VegasLas Vegas
Atirador teria planejado atacar Lollapalooza

1078 acessosLollapalooza: UNE processa festival por suspeita de burlar meia151 acessosAlta Fidelidade: o Lollapalooza 2018 e outras notícias da música1597 acessosVolbeat: banda virá pela primeira vez ao Brasil no Lolla0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Lollapalooza"

MetallicaMetallica
Quem viu pela TV viu um show completamente diferente

MetallicaMetallica
Apresentação no Lollapalooza afugentou alguns fãs?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Lollapalooza"0 acessosTodas as matérias sobre "Imagine Dragons"


Wonder YearsWonder Years
O soundtrack deste grande sucesso de público e crítica

KrisiunKrisiun
Banda lista os 5 picos mais demoníacos do Brasil

PoisonPoison
Bret Michaels passa o cambão na mãe da Hannah Montana?

5000 acessosQuem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?5000 acessosGastão Moreira: A coleção do VJ, apresentador e jornalista musical5000 acessosFotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do Sepultura5000 acessosPaul Di'Anno: vocalista abre o jogo sobre problemas de saúde5000 acessosÓdio musical: os artistas mais detestados em lista da Spinner5000 acessosJohn Lennon: Rapper muda letra de "Imagine" e irrita fãs

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online