Porcupine Tree: resenha e fotos do show de Steven Wilson em SP

Resenha - Steven Wilson (Teatro Bradesco, São Paulo, 20/05/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

Um show para nenhum fã do progressivo botar defeito. Isto foi a passagem do inglês Steven Wilson por terras brasileiras. Com uma toada própria e um estilo inconfundível, o líder do Porcupine Tree mostrou porque sua carreira solo também é um grande sucesso e como ele pode encantar o público com sua arte, única.

Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaSlipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As 21 horas, conforme o prometido na agenda pela produtora, todos já se encontravam dentro do Teatro Bradesco aguardando o início da apresentação de Steven Wilson. Não demorou muito e o espetáculo começou, com o som de uma das músicas do Bass Communion a apresentação foi aberta com o vídeo da arte de capa do seu último disco, "The Raven That Refused to Sing and Other Stories". Foram 20 longos minutos de música ambiente e uma tela que foi se modificando - a lua, tornando-se torta, formando um rosto macabro, etc.

No final da música, a mudança do áudio ambiente para um tom mais sombrio deu a deixa para a entrada da banda. Um a um os integrantes subiram ao palco e foram ovacionados pelo público presente. Aos gritos, os fãs receberam o ídolo Steven Wilson, e sem espera iniciaram a abertura do show de verdade com "Luminol".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tudo corria bem até que Steven levantou os braços e pediu para a banda parar. Entre sorrisos meio amarelos, Steven brinca com o baterista da banda, que errou a música. "Desculpem, é a primeira vez que isso acontece", diz ele, voltando-se ao público. Resolve então "voltar no tempo" e iniciar novamente o show. Tocam novamente "Luminol", desta vez de forma impecável, causando uma grande impressão no público.

Steven Wilson parecia bastante animado. Arriscou algumas palavras em português e se saiu muito bem com elas! Além do bom e velho "obrigado", Steven ainda arriscou um "é maravilhoso tocar no Brasil" e "eu amo meus fãs brasileiros".

Tocam então "Drive Home" e "The Pin Drop". Ambas igualmente bem executadas, demonstraram a maestria de Steven Wilson e companhia. Não é por pouco que suas músicas tem uma toada inconfundível que encanta o público.

A quarta música foi "Postcard", um som intimista deixou a plateia inteira quieta, apenas ouvindo. Steven Wilson, então, olha para a plateia e se vê aborrecido com o fato de todos estarem sentados no teatro. Convida, então, seus fãs a se levantarem e virem para frente. Pelo visto, não era apenas ele que achava que cadeiras e rock não combinam. Apesar de muitas pessoas descerem para frente do palco, a altura do teatro não prejudicou os fãs sentados nas cadeiras de trás.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "The Holy Drinker", um dos pontos altos do show, a plateia até arriscou um bate cabeça dada à emoção. O público parecia, porém, no geral bastante tímido no barulho. Poucas pessoas cantavam as músicas junto com a banda e apenas batiam palmas e gritavam entre as músicas: pareciam tentar curtir o som ao máximo.

As luzes e o áudio do teatro pareciam completar a qualidade da banda de Steven Wilson. Uma iluminação bem composta, que usava a escuridão para tratar os detalhes e o jogo de luzes deu um encanto a mais ao espetáculo. O som, por outro lado, não falhou em nenhum momento e coroou uma apresentação fantástica da banda.

Uma espécie de véu desceu sobre o palco e sobre ele foi executado o vídeo de "The Watchmaker". A música, inclusive, foi tocada inteiramente por trás deste pano. O jogo de luzes do palco criou sombras fantásticas com os movimentos de Steven Wilson. Em seu violão, o frontman dominou o palco. A música ainda contou com um emocionante solo, que se tornou "visual" pelas imagens que foram jogadas sobre o véu.

O show - e podemos dar bastante destaque para o artigo - prosseguiu com as músicas "Index" e "Insurgentes". Muito bem executadas, também contaram com as imagens projetadas no palco. O bonito é que cada música tinha imagens que condiziam com o sentimento passado na música, tornando o show ainda mais interessante, não podendo arrancar outra coisa senão aplausos da plateia.

Outro destaque da apresentação foi a ótima música "Harmony Korine". Extremamente bem executada, a música encantou a plateia em seus momentos mais calmos e fez o público gritar nas partes mais emocionantes. A dualidade e a variação de sentimentos parece ser algo bem presente nas músicas de Wilson, extremamente inovadoras.

"Este é o último show de uma grande turnê e continuamos nos divertindo", diz Steven Wilson para a plateia, demonstrando bastante alegria. Entre risos, pergunta aos fãs se eles tinham se esquecido do início do show e, com a resposta afirmativa, diz que "seus poderes de hipnotismo parecem estar funcionando".

A banda então toca a longa e emocionante "Raider II". Muito bem executada, a música não poderia conter, conforme Wilson, nenhuma intervenção do público, que deveria ouvir com silêncio toda a música. Os fãs, apesar de cumprirem com sua parte na maior parte do show, acabaram no meio não se aguentando e enchendo Wilson de palmas em uma das pausas da longa música.

A banda finalizou o show com a música título do seu último álbum, "The Raven that Refused to Sing". Sem dúvidas o ponto mais alto do show, a música extremamente intimista e com um toque para lá de especial foi acompanhada por um vídeo emocionante que rolou no pano de fundo do palco. O conjunto, sem dúvidas, emocionou os fãs, que gritaram e aplaudiram firme a banda na saída do palco.

A banda sai para o bis e então volta rapidamente. Steven pega o microfone para agradecer novamente o público. "Sabem", prossegue ele, "se eu tivesse algum hit eu deveria toca-lo agora. Porém, como eu não tenho nenhum, eu posso simplesmente tocar a maldita música que eu quiser!", arrancando aplausos da plateia. A banda então executa "Radioactive Toy", música do Porcupine Tree. Se alguém esperava uma música diferente acabou se enganando, pois a banda apenas repetiu a mesma música apresentada nos shows anteriores.

A plateia, porém, parece ter em geral gostado da escolha de Steven Wilson, e cantou junto pela primeira vez nesta música. Mais a vontade com a canção do Porcupine do que no resto do show, os fãs aplaudiram firme no final do show, com gritos e mãos ao alto: o teatro inteiro ovacionou Wilson e companhia.

A banda agradeceu os fãs e então uma apresentação em vídeo fechou o show, com uma apresentação em desenho de todos os integrantes da banda: uma chave de ouro para um show mais que especial. A produção e todos os envolvidos estão de parabéns pois trouxeram um show fantástico. Se não for pela animação da plateia e a festa, o show valeu pela técnica apurada e por um frontman que não é por pouco que é uma das grandes figuras do progressivo da atualidade.

Setlist:
1. Luminol
2. Drive Home
3. The Pin Drop
4. Postcard
5. The Holy Drinker
6. Deform to Form a Star
7. The Watchmaker
8. Index
9. Insurgentes
10. Harmony Korine
11. No Part of Me
12. Raider II
13. The Raven That Refused to Sing
Bis:
14. Radioactive Toy (Porcupine Tree cover)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Porcupine Tree"


Greta Van Fleet: horríveis, piada, boy band, imitação grosseira do Led ZeppelinGreta Van Fleet
"horríveis, piada, boy band, imitação grosseira do Led Zeppelin"

Steven Wilson: não existe mais guitarra pesada hoje no metalSteven Wilson
Não existe mais guitarra pesada hoje no metal


Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaFotos de Infância
Max e Igor Cavalera, do Sepultura

Slipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscaraSlipknot
Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280