Robert Plant: uma incrível aula de simplicidade em SP

Resenha - Robert Plant (Espaço das Américas, São Paulo, 23/10/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Nando Perlati
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Deus dourado, nós o saudamos!

2339 acessosLed Zeppelin: Dando peso ao trailer de Thor Ragnarok5000 acessosDeath: "Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"

Assim que pisou no palco do Espaço das Américas na primeira noite em São Paulo, Robert Plant despertou diversos sentimentos, mas a euforia deu espaço a leve sensação de se ter muita sorte por estar vivo e presenciar aquele momento.

A pontualidade britânica se fez presente em uma noite especialmente mágica. Dez horas e as luzes se apagam, o som ambiente cessa. Um a um, os músicos entram em cena tomando seus lugares e instrumentos e então a presença mais esperada entraria após sua banda estar devidamente posta, mas não foi o ocorrido.

Robert caminhou em direção ao centro do palco acompanhado por alguns de seus músicos e enquanto os que já estavam no palco ainda no escuro se posicionavam.

A silhueta alta e os cachos foram inconfundíveis mesmo na penumbra inicial e costumeira e mesmo ali no escuro, Plant cumprimenta com as mãos juntas e calma inabalável todos nós que o recebemos em uma onda sonora a pleno pulmões.

Tin Pan Valley dá o tom da abertura perfeita, faixa vinda do álbum Mighty Rearranger de 2005 que segue para Another Tribe, outra faixa do mesmo disco que na minha honesta e particular opinião, um dos melhores álbuns da carreira solo de Plant e o vejo como o mais próximo que o próprio Led Zeppelin lançaria se tornassem a gravar.

Vou tentar não fazer uma simples narrativa do set list, mas continuar com minha descrição do mar de sentimentos que eu e provavelmente boa parte das pessoas presentes se deixaram levar.

A reverência que senti diante de Robert Plant, em minha mente, foi comparada a estar diante do próprio Deus, não só apenas pela figura histórica que ele é, mas também pela influência que o próprio e sua antiga banda e anos depois seus lançamentos solo, causaram a mim.

Claro que se trata de um ponto de vista particular, mas estar ali ouvindo aquela voz, que sim, ainda soa como as longínquas gravações do Zep.

Eu disse “soa” porque é claro que ninguém minimamente esperto irá esperar que um senhor de 64 anos ainda cante como o garoto de 19 que um dia foi, mas as sutilezas, a maneira como apenas as muitas décadas de experiência moldaram a forma com este senhor conduz o que faz, o sentimento com que cada nota era colocada para fora ou não porque até mesmo nos deslizes havia sinceridade .

As canções do Led ganharam roupagem nova, exclusiva e acredito que para alguém que persegue sair debaixo da sombra do grande Zepelim, pessoalmente não tive dúvidas quanto ao brilho próprio deste vocalista que mostrou o quanto longe um arranjo definido e clássico pode chegar. Não vou pecar aqui dizendo que o próprio Led não fez falta porque sabemos todos que para sempre fará, mas que Robert conseguiu recriar tudo sob seu ponto de vista único, ninguém pode negar.

Houveram momentos onde sua imagem era quase submersa pela baixa iluminação, e ainda vejo aquele rosto marcado pelo rock surgir por trás da escuridão e banhar-se no azul. Foi a chance perfeita para experimentação, para conhecer o novo e improvável. Muitas culturas, muitos amores. África, Índia, Inglaterra e muitas outras dimensões.

Robert Plant deu uma incrível aula de simplicidade e celestial, nos corou com Going to California em uma interpretação emocionada e ainda fechou tudo com Rock and Roll.

Uma hora e meia foi pouco para alguém que teria muitas vidas para cantar.

Obrigado Senhor Robert Plant.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Robert Plant (Espaço das Américas, São Paulo, 23/10/2012)

1145 acessosRobert Plant: uma noite histórica em São Paulo1786 acessosRobert Plant: Rock & Roll está velho mas longe de morrer

Steve VaiSteve Vai
A música que o fez querer ser guitarrista

2339 acessosLed Zeppelin: Dando peso ao trailer de Thor Ragnarok689 acessosEduarda Henklein: tocando e cantando "Immigrant Song" do Led1149 acessosDinamarca: garotinha de 10 anos ganha programa tocando Led e RATM0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Led Zeppelin"

NovelasNovelas
10 clássicos do Rock que a Globo ajudou a popularizar

Hard RockHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero

Led ZeppelinLed Zeppelin
Candidato destrói em Whole Lotta Love no The Voice

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"

DeathDeath
"Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"

AngraAngra
"Como fãs do Pantera, a decepção é ainda maior"

Heavy MetalHeavy Metal
A música fica mais pesada quando a afinação é mais grave?

5000 acessosCourtney Love: "Antes de morrer, Kurt odiava o Nirvana"5000 acessosRed Hot Chili Peppers: ouça baixo isolado de Flea em várias músicas5000 acessosCapas: confira 10 das mais belas do Rock/Metal Nacional5000 acessosDerek Riggs: a inspiração para a capa do álbum Iron Maiden5000 acessosMetallica: Falha geral no sistema de som durante show no RIR5000 acessosKoRn e Slipknot: bandas foram banidas pelo Departamento de Defesa dos EUA?

Sobre Nando Perlati

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online