Robert Plant: uma noite histórica em São Paulo

Resenha - Robert Plant (Espaço das Américas, São Paulo, 23/10/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Eduardo Bianchi Rolim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Uma noite histórica, principalmente para quem nunca tinha tido a oportunidade de ver um membro do Led Zeppelin ao-vivo.

5000 acessosWhitesnake: Coverdale fala de novo disco e lamenta por Jimmy Page5000 acessosAerosmith: As 20 frases mais ultrajantes de Steven Tyler

Cobertura pré-show:

Uma noite muito quente de segunda-feira (repetindo: SEGUNDA-FEIRA) e expectativa bem legal para novamente ter o privilégio de ver a lenda Robert Plant. Foi chegar do trabalho, trocar de roupa e correr para o metrô, rumo ao bairro da Barra Funda.

Cambistas estão agindo até na própria rampa do metrô. O movimento está enorme, pois na região há faculdades, terminas de ônibus, a rodoviária e empresas, além de vários condomínios.

Quem veio de carro terá que pagar absurdos R$ 50,00 de estacionamento – isso se conseguir encontrar vaga. Parar na rua, nesta região, praticamente impossível.

O show:

As 22h00 em ponto, Robert Plant ganhou o palco com a banda The Sensational Space Shifters em uma quentíssima casa sold out. Eu, que estava na pista VIP, não me senti apertado em nenhum momento, até porque o público nesta pista era bem genérico: além dos tradicionais fãs que nitidamente são as pessoas que sempre acompanham shows, nesta oportunidade pude observar que havia muita gente que estava ali “por estar”, mais preocupada em atualizar as redes sociais para dizer que estava, entre outras coisas que ouvi por ali, “no show do Led Zeppelin” e preocupada em aparecer nas câmeras do Terra, que estavam fazendo a transmissão do espetáculo.

A entrada de Robert Plant foi extremamente calorosa. Com uma camiseta listrada (a camisa branca, que remete ao clássico período com o Led, não faz parte mais do guarda-roupa atual do vocalista), Plant cunmprimentou o público e antes mesmo dele abrir a boca, foi possível notar a emoção dele e dos fãs. Realmente só a presença dele caminhando pelo palco já emocionava. E aquele primeiro momento dele cantando fez abrir sorrisos e sorrisos, emocionando muitos presentes, que chegavam às lágrimas – não é todo dia que se tem a oportunidade de ver um músico com a história de Plant tão próximo…

E aí começou a avalanche de estilos que a banda se propõe a fazer. Muito do show se baseia em sons “West Africa”, coisa que Plant realmente mergulhou e se aprofundou nos últimos anos. Os momentos que se ouve algo que se pode classificar como “rock clássico” são mínimos, mesmo – existem, mas de verdade, não é o foco do projeto. A apresentação se apóia ainda em blues, folk e psicodelismos…

Era óbvio que todos aguardavam por músicas do Led Zeppelin. E elas vieram, sendo praticamente metade do repertório da noite composto por músicas de uma das mais brilhantes discografias da história da música, ainda que executadas como citei acima, sem praticamente nenhuma característica com as originais em termos de arranjo.

Isso se reflete no momento que cada música era iniciada. Todos ficavam atentos, no claro intuito de tentar identificar se seria uma música do Led ou não. Quando identificada, cada uma delas arrancava (mais) gritos e (mais) aplausos dos fãs. A primeira do Led, Friends, começou nesta clima, com todos se “cutucando” e falando “olha, essa é do Led”. Um outro cover (Howlin’ Wolf), Spoonful, também foi cantada por muita gente, e quem não conhecia a música, logo cantava o fácil refrão da música.

Pausa para falarmos da voz de Plant: o grande carro-chefe da noite agradava e muito. O fator “tempo” chegou a ele também, mas em nenhum momento Plant decepcionou – pelo contrário, os arrepios foram frequentes a cada nota que ele atingia e que remetia aos anos 70…

A banda prepara terreno e traz Black Dog, um dos maiores clássicos do Led Zeppelin. A música, em minha opinião, foi a mais ”descaracterizada” do Led executada na noite (em termos de arranjo), mas por ser tão conhecida, tão clássica, era cantada por todos. Plant não tirou o “ahhhh, ahhhhh, ahhhhh” e a interação com o público nesta parte, mesmo realmente muito descaracterizada, foi muito legal.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Outro grande momento do show foi em Ramble On que, pelo menos no meu caso, que não estava acompanhando o que Plant e CIA estavam tocando nos últimos shows, foi uma agradável surpresa – e a versão abaixo já é mais próxima da original:

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Fechando o show antes do BIS, Whole Lotta Love, outro clássico que levantou o público paulista por estar podendo presenciar de tão perto a música sendo cantada por Robert Plant…

No BIS, outra agradável surpresa, a música da noite que talvez mais tenha chegado perto da versão original: Going To California fez uma moça ao meu lado chorar copiosamente enquanto cantava a empolgante letra. O choro dela ajudou a traduzir um pouco da emoção geral que tomava conta do Espaço das Américas naquele momento.

Por fim, a mais do que esperada Rock and Roll, em clima total de festa, como o próprio Plant a anunciou. A versão, ainda que bem diferente da original, agradou, dentro da proposta do grupo.

Plant se despediu e o show realmente acabou ali, as 23h45. Uma grande noite, uma noite histórica, principalmente para quem nunca tinha tido a oportunidade de ver um membro do Led Zeppelin ao-vivo – meu caso, por exemplo. E talvez estes shows tenham sido a última chance que tivemos de vermos alguém da lendária banda tocando em nossas terras…

Para ver mais vídeos, uma galera de fotos, o setlist completo e o link para download oficial deste show, acesse a matéria original no Minuto HM:

http://minutohm.com/2012/10/22/cobertura-minuto-hm-robert-pl...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Robert Plant (Espaço das Américas, São Paulo, 23/10/2012)

2284 acessosRobert Plant: uma incrível aula de simplicidade em SP1791 acessosRobert Plant: Rock & Roll está velho mas longe de morrer

WhitesnakeWhitesnake
Coverdale diz que haverá um novo disco e lamenta por Jimmy Page

2130 acessosChris Cornell: última canção foi "In My Time of Dying"552 acessosDesert Trip: festival não será realizado em 20170 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Led Zeppelin"

GuitarraGuitarra
Os melhores solos da história segundo a Guitar World

EsquireEsquire
Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin

QualidadeQualidade
Governo britânico recomenda Led Zeppelin e Beatles

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"

AerosmithAerosmith
As 20 frases mais ultrajantes de Steven Tyler

DarkthroneDarkthrone
Fenriz comenta Sepultura, Sarcófago e MPB

David Lee RothDavid Lee Roth
O vergonhoso teste de Matt Sorum para a banda

5000 acessosGuns N' Roses: Autor afirma que Mike Patton cagou no suco de Axl5000 acessosBruce Dickinson: curiosidades sobre a voz por trás do Iron Maiden5000 acessosGuns N' Roses: A antiga rivalidade entre Axl e Jon Bon Jovi5000 acessosLed Zeppelin: em quantas músicas Plant não fala "baby"?4976 acessosFoo Fighters: baterista revela a sua formação de banda dos sonhos5000 acessosAs Novas Caras do Metal: especial 20 novas bandas de metal tradicional

Sobre Eduardo Bianchi Rolim

Paulistano, nascido em 1982, bacharel em Sistemas de Informação pelo Mackenzie e pós-graduado em Administração de Empresas (CEAG) pela FGV. Tem como paixão as bandas Iron Maiden e MetallicA, mas é fã de rock e metal internacional em geral. Alguns hobbies são: acompanhar o time do coração, Corinthians; doente por Back To The Future e Indiana Jones; viajar; Playstation; jogar o eterno Duke Nukem 3D. Carros em geral e F1 em especial. Tudo que pode ser relacionado à tecnologia (software e hardware). Ama os velhos receivers valvulados e aquelas maravilhosas caixas pesadas e potentes. Fã do Whiplash desde os primórdios. Criador e administrador do Minuto HM (www.minutohm.com), o blog da família do Heavy Metal (Twitter: @minutohm).

Mais matérias de Eduardo Bianchi Rolim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online