Kiss e Motley Crue: Agitando o público em Tampa, na Flórida

Resenha - Kiss, Motley Crue (Gary Amphiteatre, Tampa, FL, EUA, 28/07/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mick Balboa
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A turnê conjunta do Kiss e do Motley Cure, batizada simplesmente de The Tour, passou por Tampa no dia 28/07. Contando com o The Treatment como banda de abertura, os veteranos mostraram que após décadas de excessos, ainda têm o suficiente para agitar o público que encheu o Gary Amphiteatre.

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneMuito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmea

Os ingleses do The Treatment fizeram um bom show de abertura, tocando por cerca de meia hora. Eles foram bem tecnicamente, sem chegar a empolgar, embora tenham boas músicas como "The Doctor" e "Nothing to Lose".

Ainda estava claro quando o início do show do Motley Crue foi anunciado. Mulheres cobertas com túnicas vermelhas caminharam pelo palco e no meio do público carregando bandeiras brancas e azuis antes de Tommy Lee, Nikki Sixx, Mick Mars e Vince Neil aparecerem e mandarem "Saints of Los Angeles".

"Saints..." já não é mais exatamente uma novidade, conquistando um lugar na galeria de clássicos da banda. Durante a visceral "Wild Side", outra que também é sempre bem recebida, as dançarianas/backing vocals tomaram o palco, fazendo uma coreografia burlesca e dividindo o microfone com Neil.

A apresentação do Crue foi cheia de explosões, luzes e pirotecnia, mas também demonstrou um agradável equilíbrio entre arte visual e musical. Após "Shout at the Devil", outra pancada que levanta até defunto, Vince pegou o violão para tocar "S.O.S.", uma das canções mais melódicas do repertório da banda.

O novo single "Sex" até é uma boa música, pesada e ganchuda, mas, apesar da empolgação da banda na sua execução, a apatia do público foi notável.

Tirando "Saints..." e "Sex", o setlist foi composto apenas por canções dos primeiros 10 anos do Crue. Apesar da escassez de lançamentos inéditos nos últimos anos, o Crue soube se manter popular. Mesmo ocupando uma posição aparentemente secundária em relação ao KISS, era óbvio o domínio que eles exerciam sobre o público. Tommy, Nikki e Vince têm um carisma canastrão que permanece inabalável após anos de excessos e confusões. Mais discreto, o guitarrista Mick não deixa de impressionar pelos riffs violentos e pela sua figura pitoresca.

Vince Neil nunca foi exatamente conhecido por sua competência técnica, e durante "Don't Go Awy Mad" ele deu umas claras desafinadas. Depois a banda deu uma saidinha rápida e o rockstar Tommy Lee conversou um pouco com a plateia, sentou ao espelhado piano e introduziu a megabalada "Home Sweet Home", dedicada a sua mãe, que faleceu esse ano.

O solo de Tommy foi bem interessante, apesar de eu pessoalmente preferir quando ele usa samplers de clássicos do rock, não de hip hop. Ele chamou o vencedor de um concurso para dar um passeio na roda gigante na qual seu kit de bateria está acoplado.

É impensável ir a um show do Motley e não ouvir "Live Wire", mas infelizmente essa canção entrou no set no lugar de "Looks That Kill", outra que também faz falta.

Antes de "Primal Scream", foi a vez de Nikki interagir com a plateia. Ele fez um ovacionado discurso agradecendo a presença de todos e depois chamou uma garotinha do meio do público, que não aparentava ter mais de 8 anos, dizendo que "...o Motley Crue faz rock para pessoas de todas as idades, do berço até a cova". Mais aplausos e delírio da galera!!!

"Primal Scream" foi uma grande surpresa. Embora não seja um hit, tem figurado constantemente nos setlists das últimas turnês. Além de um grande jogo de luzes, explosões e nuvens de fumaça, impressionou a empolgação dos músicos, principalmente o Nikki e o Vince, durante sua execução. Os caras já passaram dos 50 e nunca foram exemplos de como cuidar da saúde, mas passada uma hora de show e eles ainda estavam com toda a disposição.

No final do concerto, "Dr. Feelgood", "Girls,..." e "Kickstart My Heart" para finalizar uma apresentação irretocável. Durante a música final, várias dançarinas, falsos bombeiros, pessoas com pernas de pau, etc. O Motley agradeceu ao público pela presença e se despediu. Agora era a hora da outra estrela do espetáculo: o KISS.

Só o tradicional anúncio do começo do show do KISS já foi o bastante para deixar os fãs em delírio. Quando Eric Singer se posicionou atrás do imenso kit de bateria e Tommy Thayer, Gene Simmons e Paul Stanley desceram em uma plataforma do topo do palco, parecia que todos os presentes no Gary Amphitheatre gritavam como criancinhas encontrando com os ídolos pela primeira vez. É esse o efeito que o Kiss exerce nas pessoas: fazer com que você reviva a mesma emoção sentida quando foi apresentado ao mundo de fantasia e ilusão do rock n' roll.
Eles iniciaram o show com a tradicional "Detroit Rock City", com labaredas de fogo se acendendo ao final da canção.

Após "Shout Out Loud" Paul Stanley fez um pequeno discurso, pedindo para o público fazer barulho. Como sempre, ele fez o papel de anfitrião, anunciando as músicas, enquanto Gene Simmons, carrancudo, se limitava a fazer os seus costumeiros trejeitos.

O setlist foi uma versão reduzida dos apresentados nas últimas turnês, a exceção de "War Machine". "I Love it Loud", "Love Gun" (quando Paul faz uma espécie de "tirolesa" e canta num mini-palco que se move sobre o público) e "Firehouse" (quando Gene cospe fogo e dá um pequeno voo sobre a plateia).

Eric Singer assumiu os vocais para cantar "Shock Me", canção-símbolo do "Spaceman" original, Ace Frehley. Ele realmente aparenta querer imitar Ace em tudo, não se sabe se por determinação dos chefões Gene e Paul. Depois, Tommy faz um Jam curto com o baterista Eric Singer.

"Hell or Hallelujah", o primeiro single do ainda inédito álbum "Monster", veio em sequência, dando uma energia nova ao show. "The Demon" Simmons cuspiu sangue durante seu manjado solo de baixo. Depois, a banda toda retornou ao palco e mandou "God of Thunder", que levantou o público, enquanto Gene era içado por uma plataforma até o topo do palco.

A empolgante "Lick it Up" fez com que os fãs cantassem. Depois, o resto da banda deu outra saidinha rápida para que o "Starchild" fizesse um pequeno solo. Com todos os músicos de volta em seus respectivos lugares, o KISS tocou a clássica "Black Diamond" (ao final dessa canção, a bateria de Eric "Catman" flutuou).

Após mais um intervalo, a banda retornou para a música final, o hino máximo do Kiss, "Rock N' Roll All Nite". É incrível a capacidade que essa canção tem de empolgar essa canção após quase 40 anos. A chuva de papel picado e a destruição da guitarra de Paul Stanley marcaram o encerramento do espetáculo final da noite.

Terminadas as três horas de rock n' roll, a impressão que fica é que tanto os membros do KISS quanto os do Motley ainda têm muitos anos de carreira pela frente, fazendo o que fizeram melhor durante suas respectivas carreiras: entreter e divertir os fãs, mas sem esquecer de se divertir também.

Setlist do Motley Crue:

. Saints of Los Angeles
. Wild Side
. Shout at the Devil
. Same Ol' Situation (S.O.S.)
. Sex
. Don't Go Away Mad (Just Go Away)
. Home Sweet Home
. Solo de bateria
. Live Wire
. Primal Scream
. Dr. Feelgood
. Girls, Girls, Girls
. Kickstart My Heart

Setlist do KISS:

. Detroit Rock City
. Shout It Out Loud
. I Love It Loud
. Love Gun
. Firehouse
. War Machine
. Shock Me
. Hell or Hallelujah
. Solo de baixo
. God of Thunder
. Lick It Up
. Black Diamond
Bis:
. Rock and Roll All Nite




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Kiss"Todas as matérias sobre "Motley Crue"


Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone

Kiss: as camisetas feitas a mão pelo jovem Gene SimmonsKiss
As camisetas feitas a mão pelo jovem Gene Simmons

Resenha - Alive II - Kiss

Kiss: Orações e empatia não são suficientes, diz Paul Stanley sobre tiroteiosKiss
"Orações e empatia não são suficientes", diz Paul Stanley sobre tiroteios

Kiss: camisetas vendidas em show estavam com o nome da cidade escrito erradoKiss
Camisetas vendidas em show estavam com o nome da cidade escrito errado

Rodz Online: 25 Anos de Philips Monsters of Rock 1994 (vídeo)

Kiss: Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempreKiss
Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempre

Kiss: esposa de Gene Simmons faz imitação hilária do músico em seu dia a diaKiss
Esposa de Gene Simmons faz imitação hilária do músico em seu dia a dia

Kiss: Gene Simmons é parabenizado no palco pelos seus 70 anos; veja vídeoKiss
Gene Simmons é parabenizado no palco pelos seus 70 anos; veja vídeo

Kiss: confira a capa do tributo brasileiro Brazil Rock CityKiss: assista show da banda realizado em Charlotte, nos EUAPokémon: novos personagens devem ter sido inspirados pelo Kiss

Kiss: Gene Simmons inspirou novo Pókemon?Kiss
Gene Simmons inspirou novo Pókemon?

Bruce Kulick: o guitar hero do Kiss fala sobre sua trajetóriaOs anos do Heavy Metal: A decadência e a renovação do estilo

Gene Simmons: Por que Eddie Van Halen não entrou no Kiss?Gene Simmons
Por que Eddie Van Halen não entrou no Kiss?

Carnaval 2016: Angra, Sepultura e Carlinhos Brown tocando KissCarnaval 2016
Angra, Sepultura e Carlinhos Brown tocando Kiss

Kiss: Paul Stanley conta como perdeu a sua virgindadeKiss
Paul Stanley conta como perdeu a sua virgindade


Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaMuito antes do Led Zeppelin
A origem da guitarra gêmea

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversasIron Maiden
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsIron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhorPantera: qual a verdade sobre a imagem do Vulgar Display of Power?Metallica: após 15 anos, vídeo raro de Garage Inc vem à tona

Sobre Mick Balboa

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.