RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro


Stamp

Aborted: memorável momento pútrido da história de SP

Resenha - Aborted, Unearthly, Desecrated Sphere (Hangar 110, São Paulo, 18/02/2012)

Por Durr Campos
Postado em 22 de fevereiro de 2012

Com o pessoal da Tumba Produções não há trégua aos nossos tímpanos. A saraivada de eventos extremos em 2011 só confirma isso, mas parece que neste ano a coisa será ainda "pior". No último dia 18 a Whiplash.Net esteve presente no mítico Hangar 110 para acompanhar de perto quatro shows que prometiam, literalmente, abalar as estruturas do lugar, a saber: DESECRATED SPHERE, ANARKHON, UNEARTHLY e os belgas do ABORTED, que visitavam o país pela primeira vez. Acompanhe como foi nas próximas linhas.

Fotos: Luciano Piatonni

Direto de Mogi-Guaçu, interior paulista, o agora quinteto Desecrated Sphere gerava uma ótima expectativa tendo em vista o sensacional debut The Unmasking Reality, editado em 2011. A técnica apurada na parte instrumental (nota do redator: Aliás, uma constante durante toda a noite.), aliada à performance irrepreensível do vocalista Renato Sgarbi, deram um toque ultra profissional ao negócio. Tocaram com bastante garra e conhecimento de causa, especialmente nas excelentes "Ruin", "Presage of Apocalypse" e em uma das minhas favoritas, "Gospel is Dead", cujo vídeo oficial você confere ao final desta resenha. Já tinham crédito comigo e só agregaram após a devastação sonora que presenciei.

Já o Anarkhon eu tive o prazer em ver algumas vezes ao vivo e, sempre, repito: SEMPRE, me impressiono com o que fazem no palco! Aron Romero & Cia. não só possuem hoje um dos repertórios gore mais eficientes deste país, como do mundo. As guitarras são impecáveis, sem contar na cozinha matadora, digna de um Cannibal Corpse – influência confessa dos caras. Abriram a festa com "A Dor da Imortal Putrefação", passando pelas novas "Regurgitating Maggots", "Corporal Sores" e "Rotten Flesh Reanimated", fechando a imundice com o hino "Satisfação em Costurar um Corpo Retalhado com Arame Farpado". Destaco ainda a humildade dos membros em agradecer a todo momento a presença do público e a oportunidade em estar ali. Não ouse ignorar este nome!

Daí, mal eu me recuperava das duas monumentais apresentações anteriores, me chega o Unearthly, direto do Hell de Janeiro (nota do redator: Carinhoso apelido dado à Cidade Maravilhosa), nos brindar com o primeiro show na capital paulista promovendo o mais recente álbum, Flagellum Dei, unanimidade na lista de melhores de 2011 de 10 entre 10 jornalistas especializados – incluindo minha pessoa. Aproveito inclusive para deixar o link mais abaixo à resenha que fiz sobre o dito cujo. O repertório incluiu velhas composições, mas era durante as novas que o público delirava. Fiquei boa parte do set ao lado do baterista R. Lobato, um dos melhores que pude ver ao vivo. Sério, esse cara é humano? Porque a tranquilidade com a qual executava as velocíssimas partes de canções como "Baptized in Blood", a própria "Flagellum Dei" e, especialmente, durante a minha favorita "Black Sun (Part I)", foram qualquer coisa de sobrenatural. Sobre esta derradeira citada só posso dizer que se trata de uma das músicas mais inspiradas já criadas sob a alcunha do black metal. Aliás, é pouco dizer que seja exclusivamente algo feito neste estilo. A perfeita união de metal extremo e baião funcionou de tal forma que até o saudoso Luiz Gonzaga deve ter desejado estar ali para uma canja. O final com "Age of Chaos", do homônimo disco lançado em 2009, não poderia ser melhor. O único "defeito" deste show foi ser curto demais. Espero ansioso pelo retorno!

O Aborted, para quem não conhece, é uma banda de death metal formada na Bélgica em 1995 pelo vocalista e único membro original até os dias atuais, Sven de Caluwé. Sua discografia é bem interessante e conta com pelo menos meia dúzia de álbuns, alguns EPs, demos e splits, tudo dentro do estilo denominado splatter/gore/grind na linha de Carcass antigo, Mordicus, Nasum, mas sem deixar de lado aquela pegada de nomes como Suffocation, Entombed, Slayer, Dismember e até mesmo Hatebreed, referência confirmada pelo grupo inclusive. Apesar de pequenos problemas com as guitarras logo no comecinho, nada ali parecia intimidá-los. Muito pelo contrário, pois a simpatia e perfeita presença de palco ganhou a plateia da primeira à última canção. Destaques imediatos à trinca do meu álbum favorito deles, The Archaic Abbatoir (2005), com "Threading on Vermillion Deception", "Gestated Rabidity" e "Dead Wreckoning". Como se não bastasse ainda fecharam com a fabulosa "The Saw and The Carnage Done", voltando em seguida no encore com a arrasa-necrotério "Nailed Through Her Cunt", do segundo registro de estúdio, Engineering the Dead, editado há mais de dez anos. Em tempo, menciono as presenças do novo membro Kevin Verlay no baixo, além dos já conhecidos Ken Bedene na bateria e a dupla de guitarras Eran Segal e Ken Sorceron. Nem mesmo o cancelamento do EXHUMED apagou o brilho deste momento pútrido da história metálica de São Paulo.

RESENHA "FLAGELLUM DEI", DO UNEARTHLY:

Resenha - Flagellum Dei - Unearthly

Set-list do Aborted

1 Global Flatline
2 Meticulous Invagination
3 Coronary Reconstruction
4 The Origin of Disease
5 The Holocaust Incarnate
6 Expurgation Euphoria
7 From A Tepid Whiff
8 Sanguines Verses
9 Threading on Vermillion Deception
10 Gestated Rabidity
11 Dead Wreckoning
12 The Saw and The Carnage Done

Encore:
13 Nailed Through Her Cunt

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Death Metal: cinco bateristas do gênero que são insanos

Bélgica: confira 10 bandas de heavy metal formadas no país


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.
Mais matérias de Durr Campos.