Resenha - Impacto Profano (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 08/01/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em uma tarde bem chuvosa, na Lapa, mais um evento do Garage, comemorando o aniversário de Fábio 'Garage' Costa (conhecido batalhador da cena Metal carioca) e da banda IMPACTO PROFANO.

Guns N' Roses: melhores músicas segundo a Ultimate Classic RockMike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?

A produção do evento foi caprichada, com uma aparelhagem de som de boa qualidade, ainda auxiliado pelo fato de Eregion (do UNEARTHLY) ter aproveitado sua presença e dado uma força nas carrapetas, máquina de fumaça, cortina e vários enfeites de comemoração de aniversário.

Abrindo a noite, vieram os Thrashers cariocas do PRIEST OF DEATH, com seu som calcado no Thrash da Bay Area anos 80 e 90, mas personalizado, técnico e com muita energia, sem soar datado ou repetitivo. O quarteto fez um set baseado em composições de seu primeiro EP, 'Soluções Violentas', como a própria faixa-título, 'Same Shit, Another God', algumas novas, e um cover muito legal para 'Black Magic', do SLAYER, onde a banda mostrou domínio de palco e boa postura, especialmente porque André (guitarra/vocal), Gabriel (guitarra) e Henrique Silva (baixo) não ficam parados um minuto que seja, enquanto Henrique (bateria) mostra ser uma verdadeira usina de força na bateria. Esperamos mais shows e que venha logo o CD deles.

Em seguida, um dos nomes mais esperados pelo público sobe ao palco: o trio Black Metal VELHO, que fez o público (que começou a aumentar neste momento) agitar bastante durante o set, com músicas próprias na linha do HELLHAMMER e DARKTHRONE, e um cover do último. Mas a banda, apesar de ter uma música legal, possui dois calcanhares de Aquiles bem evidentes: a postura de palco ainda é meio estática, e sua música carece de personalidade própria, pois ainda está muito à sombra de suas influências. Mais ensaios e shows ajudarão a corrigir estas falhas, e levemos em consideração que a banda está com formação nova.

A terceira banda foi o Power trio mineiro AKERBELTZ, com um Black Metal cuja sonoridade remete às bandas dos anos 80, tanto do próprio Black Metal como do proto-Thrash/Speed/Black Metal da época, e com algumas pitadas de Rock'n'Roll/Hardcore/Punk, uma característica bem particular da música do conjunto, e executaram músicas de seu Demo CD 'Under the Signo of Satan', como a faixa-título e 'Welcome to the Sabbath', e do novo, 'Akerbeltz Coven Rising', como 'The Cry of the Hawk', 'Ave Lucifer' e 'Apocalyptic Rising'. O som andou um pouco embolado durante seu set em vários momentos, mas percebe-se que a banda faz bonito no palco, a postura é razoável (especialmente porque o baixista/vocalista Warhammer é seguro e se comunica bem), e conquistaram mais fãs nesta noite, ao ponto de esperamos ansiosos por sua volta aos palcos do RJ.

O próximo foi o quarteto carioca LAND OF TEARS, que mostrou aos fãs que a banda evoluiu muito desde o lançamento de seus Demos CD ('Canon Episcopi', de 2002, e 'Total Disgrace', de 2004), passando pelo CD 'World of Pain' de 2008, pois apesar de manter alguns elementos de suas origens Doom/Death Metal, a banda ficou mais agressiva e brutal, ganhando alguns elementos de Black Metal, sem perder a melodia característica e alguns momentos mais amenos. Boa postura de palco (especialmente por conta do guitarrista Alex Pontes, do AS DRAMATIC HOMAGE, que além de tocar bem, não cessa um segundo de agitar), e boa comunicação com o público por parte do guitarrista/vocalista Robsón Souto. O repertório abrangeu músicas antigas como 'Canon Episcopi' e 'World of Pain', e algumas que estarão no novo CD, que sai em breve, como 'Cerberus', 'Forbidden God' e 'Omega Legions'.

Fechando a noite, o aniversariante IMPACTO PROFANO sobe ao palco para comemorar seus dez anos de existência com um ótimo show, mostrando seu Black Metal brutal e agressivo aos presentes. A postura da banda é perfeita, com a banda agitando bastante, os músicos realmente formam um conjunto bem conciso, e sua música é brutal, envolvente e madura. O vocalista Marduk está cada dia mais adaptado e teve o público nas mãos, bem como a dupla de guitarristas Succubus Kals e Lord Nuctemeron (este ainda fazendo backing vocals) é segura nas bases e solos, e a cozinha rítmica de Pazuzu (que não parou de agitar por um momento que fosse) e Lord Anti-Christ é coesa, pesada e bem trabalhada. Mas outro fato que merece destaque é o das presenças de ex-membros da banda (como Lord Sabazios, Azazel, Azidahaka, Asmodeus, Magus Aegis e Eregion) subindo ao palco com eles durante a execução de músicas como 'Lucifer', 'Fucking God Glory to Black Metal', 'Domain of the Black Art', 'Slave of Illusion' e 'New Era of Christ Fucking'.

Outro ótimo evento, um público muito bom, esperamos os próximos, e damos parabéns ao IMPACTO PROFANO pelos 10 anos, e ao Fabio 'Garage' Costa, pelo aniversário e luta.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Impacto Profano"


Guns N' Roses: melhores músicas segundo a Ultimate Classic RockGuns N' Roses
Melhores músicas segundo a Ultimate Classic Rock

Mike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?Mike Mangini
Um dos bateristas mais rápidos do mundo?

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treinoMetal
16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino

Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenMetallica: ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicosKorn: Um cover de "Another Brick in The Wall" com densidade profunda e únicaGothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336