Mr. Breeze: Tributo a Lynyrd Skynyrd em Porto Alegre

Resenha - Mr. Breeze (Eclipse Studio Bar, Porto Alegre, 23/04/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em meio a um feriado prolongado de páscoa, muitas festas e eventos culturais agitaram a capital gaúcha de quarta até domingo. Porém, apenas um show marcado para a noite de sábado conquistou os olhares de um público bastante devoto. A banda MR. BREEZE, que mais uma vez se apresentou no modesto (e interessantíssimo) Eclipse Studio Bar, encheu a casa para prestar mais um qualificado tributo ao LYNYRD SKYNYRD. No repertório, os velhos clássicos do grupo e uma novidade retirada do recente “God & Guns” (2009).

5000 acessosAnos 90: bandas de hard rock e metal que decepcionaram os fãs5000 acessosMaridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Com quase dez anos de carreira, a MR. BREEZE pode ser apontada como uma das pouquíssimas (ou provavalmente a única) banda brasileira a homenagear os norte-americanos do LYNYRD SKYNYRD. O reconhecimento conquistado, sobretudo no underground gaúcho, é uma consequência direta do modo com que o grupo se comporta em cima do palco. A intenção de reproduzir cada detalhe técnico e tático do ícone do southern rock é nítido no line-up composto por Homero Oliveira (vocal), Pedro Leão, Robson Rodrigues e Gabriel Dau (guitarras), Guilherme Borsa (baixo), Guilherme Mittmann (teclado) e JP (bateria), que ainda conta com o apoio das vozes de apoio de Monique Indiara, Julia Lucas e Flávia Moreira. O esforço para executar com a mesma riqueza o som do LYNYRD SKYNYRD ao vivo precisa ser reconhecido, ainda mais quando o grupo ocupa palcos de dimensões reduzidíssimas, como o do Eclipse Studio Bar.

Embora cercada por dificuldades grandes e pequenas, a banda não cometeu nenhum deslize, mesmo que o aperto do palco possa ser apontado como o maior vilão da noite. Por volta da 1h o grupo entrou em cena com a dobradinha “Call Me the Breeze” e “Wishkey Rock-a-Roller”, que contagiou o público que se concentrava na frente dos músicos, ou até mesmo na parte mais ao fundo do Eclipse, perto do bar. Com a casa relativamente cheia – os mais fanáticos pelo LYNYRD SKYNYRD eram facilmente reconhecíveis em meio às pessoas – os fãs ainda viram e ouviram “Gimme Back My Bullets” antes do primeiro destaque da noite. O clássico “Simple Man” comprovou que os ensaios da MR. BREEZE contribuíram para a performance impecável da faixa, ainda mais pela participação interessantíssima das três backing vocals da banda. Com o mesmo pique, “That Smell” veio na sequência, assim como a ótima “Saturday Night Special”, que chegou a ganhar um pouco mais de peso na versão assinada pelos gaúchos.

Por mais que a banda mostre muita vontade, a qualidade de som do Eclipse, infelizmente, oscilou bastante durante a noite de sábado. As falhas podem ser consequência do aperto do palco – ou até mesmo o resultado da ausência de microfones –, mas certos instrumentos (especialmente a bateria) soaram abafados em diversos momentos, assim como um ou outro solo de guitarra que insistia em sumir dos PA’s. De qualquer modo, o grupo mostrou profissionalismo e passou por cima dos inconvenientes. O repertório da MR. BREEZE privilegiou os anos de Ronnie Van Zant com a banda norte-americana e contou ainda com “On the Hunt” e a cadenciada “Tueday’s Gone”. Na sequência, o bom humor do vocalista Homero antecedeu um dos maiores clássicos do southern rock. O cantor pediu o apoio da plateia para a suposta música própria do conjunto. Era “Sweet Home Alabama”.

Embora não desponte como uma clara intenção da banda, novamente uma versão assinada pelos gaúchos surgiu mais pesada do que a sua gravação original. O grupo manteve o alto astral da noite com “I Know a Little”, que surpreendeu com o seu solo de piano. A banda, que cogitava abandonar o palco para uma pequena pausa, preferiu dar continuidade ao show sem nenhum intervalo. Por mais que não possam ser consideradas músicas de sucesso e de valor duradouro na carreira do LYNYRD SKYNYRD, “I Ain’t the One” e “Comin’ Home” comprovaram o domínio pleno da MR. BREEZE sobre a obra (sobretudo a mais antiga) do LYNYRD SKYNYRD. Depois da interessante “Don’t Ask Me No Questions”, o conjunto dedicou “Travelin’ Man” para os (poucos) motociclistas que costumam frequentar a casa. Certamente outro destaque do repertório.

O público, que já aparentava sinais de cansaço, assistiu uma versão extremamente eficiente de “Gimme Three Steps” já na reta final do espetáculo. Os pedidos mais intensos da plateia – que queriam o encerramento com a épica “Free Bird” – não sensibilizaram a MR. BREEZE. O grupo deixou uma novidade para o final do seu repertório. Do álbum “God & Guns” (2009), o conjunto executou “Still Unbroken”, espantosamente conhecida (e reconhecida) pela plateia, que cantou uma boa parte dos versos com Homero Oliveira. De certo modo, a boa receptividade da faixa pode ser encarada pela MR. BREEZE como uma sugestão. A fase pós-acidente do LYNYRD SKYNYRD, sobretudo aquilo que contorna o disco “Vicious Cycle” (2003), guarda faixas valiosas e que podem – por que não – aparecer nos próximos shows da banda. “That’s How I Like It” é apenas um exemplo muito forte do que pode ser cogitado daqui para frente.

Como não poderia ser diferente, para o final do show ficou a previsível (e não por isso desqualificada) “Free Bird”. A música, que pode ser apontada como a mais imponente do repertório do LYNYRD SKYNYRD, é claramente (e igualmente) o maior destaque do show da MR. BREEZE. Por mais que os músicos tenham sofrido um pouco com o som da casa, principalmente os guitarristas Pedro Leão (que fez um inusitado slide com uma garrafa de cerveja – para o delírio dos mais animados) e Gabriel Dau que assumiram os solos dessa última faixa, nada tira o brilho da composição na sua performance ao vivo. Em cerca de 1h45 de show, os gaúchos encerraram o show ao gosto do público, que deixou o Eclipse Studio Bar contente com mais uma homenagem prestada à altura do que representa o LYNYRD SKYNYRD. Não há nenhuma pretensão em apontar a MR. BREEZE como um dos mais grupos tributo mais bacanas do sul do nosso país.

Site: http://www.mrbreeze.com.br

Set-list:
01. Call Me the Breeze
02. Whiskey Rock-A-Roller
03. Gimme Back My Bullets
04. Simple Man
05. That Smell
06. Saturday Night Special
07. On the Hunt
08. Tuesday’s Gone
09. Sweet Home Alabama
10. I Know a Little
11. I Ain’t the One
12. Comin’ Home
13. Don’t Ask Me No Questions
14. Travelin’ Man
15. Gimme Three Steps
16. Still Unbroken
17. Free Bird

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Mr. Breeze"

Anos 90Anos 90
Bandas de hard e metal que decepcionaram

Maridos traídosMaridos traídos
Não adianta: todo mundo terá seu dia de dor-de-corno

HumorHumor
Roupas de seda? Espadas? Você precisa ser épico!

5000 acessosEnquete: Os 10 melhores shows do Rock In Rio 20155000 acessosDinho Ouro Preto: "É assustador ver todo o rock ficar de direita"5000 acessosFotos de Infância: Yngwie Malmsteen5000 acessosMotorhead: Lemmy fala sobre Jimi Hendrix, drogas e mais4424 acessosBill Ward: "Lars Ulrich é um baterista excepcional"4094 acessosClipes: 10 vídeos de rock/metal bem legais lançados em 2016

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online