Ozzy no RJ: Rock n' roll de qualidade nunca é demais

Resenha - Ozzy Osbourne (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 07/04/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Ozzy ainda é um astro do rock. Os milhares de fãs que praticamente lotaram o Citibank Hall, no Rio de Janeiro, na última quinta-feira (7) podem comprovar isso. Três anos depois de sua última passagem pelo Brasil e com uma banda reformulada, havia (bastante) fãs que estavam um tanto cético quanto ao desempenho de Ozzy Osbourne e de seus novos companheiros. Mas erraram os pessimistas. Do alto de seus 62 anos, e carregando no físico a marca de um histórico de abuso de drogas e álcool, o Madman deu realmente um show e apresentou uma banda competente.

5000 acessosOzzy Osbourne: Uma porrada em Zakk Wylde na divulgação de festival5000 acessosHeavy Metal: diagrama explica a origem dos nomes de bandas

A noite começou pontualmente, às 21h30, quando Ozzy surgiu no palco acompanhado de Gus G. (guitarra), Rob Nicholson (baixo), Adam Wakeman (teclados e guitarra) e Tommy Clufetos (bateria), para delírio de uma plateia de todas as idades. A apresentação era da turnê do novo álbum, “Scream”, porém, só uma faixa do disco aparece no set list. Se enrolando em uma bandeira do Brasil, Ozzy abriu o show com “Bark at the Moon”, que, claro, empolgou bastante o público.

Com o repertório batido, seguiram-se a nova “Let me Hear You Scream” e “Mr. Crowley”, do álbum “Blizzard of Ozz”, com sua clássica introdução que deixa os fãs sempre enlouquecidos. Depois veio outra faixa do mesmo disco, “I Don’t Know”. Com direito a jatos de espuma e corridinhas pelo palco para jogar baldes de água na plateia, Ozzy comandava os fãs com seus pulinhos e pedindo palmas a todo o momento. Já o público reverenciava o Madman vibrando em uníssono o coro de “Ozzy, Ozzy, Ozzy, Ozzy...” e com as mãos em punho. Depois, o Príncipe das Trevas “resolveu” lembrar os bons tempos de Black Sabbath com “Faries Wear Boots”, sendo incrivelmente bem recebida pelo público. “Suicide Solution” e a balada “Road to Nowhere” mantiveram os fãs empolgados, mas foi com “War Pigs” que o Citibank Hall explodiu. Não havia quem estivesse parado naquele momento.

Um pouco mais para frente, era hora de Ozzy sair de cena e deixar seus companheiros serem mais protagonistas e menos coadjuvantes. Enquanto o Madman descansava fora do palco, sua banda executava a instrumental “Rat Salad”. Ao mesmo tempo Gus G., que substitui Zakk Wylde depois de 20 anos na banda de Ozzy, dava seu show particular com a guitarra, provando que pode segurar a barra de entrar no lugar de um músico de peso como Wylde. Gus G. soube ganhar a plateia e executou um solo de “Brasileirinho”, que fez todos ficarem grudados nos movimentos de seus dedos. Já o baterista Tommy Clufetos usou a interação para manter o público entretido, enquanto demonstrava toda a sua técnica e agilidade no comando da bateria.

Logo em seguida, Ozzy retornou ao palco para deixar os fãs alucinados com a sequência de “Iron Man”, “I Don’t Wanna Change the World" e “Crazy Train”, que encerrou o set com muita animação. Para a tristeza do público, veio, então, o bis. “Mama, I’m Coming Home” foi cantada com muita vibração pelos fãs e em seguida chegou a hora de “Paranoid” provocar na plateia do Citibank Hall um surto coletivo.

Assim, com pouco mais de uma hora e meia de duração, terminava mais um show de Ozzy Osbourne no Brasil. Enquanto isso, o público pedia “No More Tears”. Mas, infelizmente, a banda não fugiria ao set list apresentado show após show sem surpresas. Repertório, inclusive, muito parecido com aquele de 2008. Ozzy deixou o Citibank Hall mostrando que sua aposentadoria continua distante. A potência de sua voz pode até ter ficado irregular mais para o final da apresentação, mas quem se importa quando é o ex-líder do Black Sabbath que está no palco? Ozzy pode, sim, se dar ao luxo de cantar sempre as mesmas músicas e falhar a voz. Afinal, rock n’ roll de qualidade nunca é demais, mesmo quando repetido.

Set List:
1 - Bark At The Moon
2 - Let Me Hear You Scream
3 - Mr. Crowley
4 - I Don't Know
5 - Fairies Wear Boots
6 - Suicide Solution
7 - Road To Nowhere
8 - War Pigs
9 - Shot In The Dark
10 - Rat Salad (com solos de guitarra e bateria)
11 - Iron Man
12 - I Don't Want To Change The World
13 - Crazy Train

Bis:
14 - Mama, I'm Coming Home
15 - Paranoid

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Ozzy Osbourne (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 07/04/2011)

1227 acessosOzzy Osbourne no RJ: Mostrando porque arrasta multidões5000 acessosOzzy Osbourne: como foi o show do madman no Rio de Janeiro

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Uma porrada em Zakk Wylde na divulgação de festival

1410 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ozzy Osbourne"

ListedListed
TV americana elege os maiores bad boys da música

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Para sempre em débito com Robin Williams

Mike BordinMike Bordin
"Regravar partes de álbuns de Ozzy foi uma m*rda"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"

Heavy MetalHeavy Metal
Diagrama explica a origem dos nomes de bandas

Planno DPlanno D
Uma lista de 10 coisas que irritam metaleiros

Sebastian BachSebastian Bach
Descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo

5000 acessosPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra5000 acessosDébil Metal: quando os fãs assustam os ídolos5000 acessosNirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain5000 acessosCourtney Love narra intimidades com Cobain5000 acessosBillboard: discos de rock/metal que atingiram o topo nos anos 20005000 acessosCorey Taylor: "O rock não está morto. A velha guarda está morta"

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online