Creedence em POA: espetáculo marcado pela intensidade

Resenha - Creedence Clearwater Revisited (Teatro Bourbon, POA, 15/11/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Maximiliano P., Fonte: rockrevista.blogspot.com
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Na segunda-feira, indo para Porto Alegre ver o CREEDENCE CLEARWATER REVISITED, começou a tocar no CD do carro a lindíssima “Long As I Can See The Light". Olhei para a camiseta que estava levando para o show (da banda, obviamente), e minha mente começou a voar.

5000 acessosTarja Turunen: vocalista reprova cover do Children Of Bodom no The Voice5000 acessosMetallica: foto rara de formação original do grupo

Imediatamente recordei quantas bandas cover assisti na minha vida “boêmia”, e quantos por cento delas fizeram releituras do CREEDENCE. “Proud Mary”, “Hey Tonight”, “Have You Ever Seen The Rain”, “Who Will Stop The Rain”, “Green River”... Imagens vieram à minha cabeça: as capas dos discos do CREEDENCE que meu tio me apresentou no final dos anos 80; os CD's “Chronicals Vol. 01 e 02”, que nove em cada dez roqueiros com mais de 30 anos com certeza possuem...

Só aí caiu a ficha: faltavam instantes para estar pertinho daqueles caras que praticamente me debutaram no rock'n roll e que criaram todos esses sucessos... Pensei em quão imortal é uma banda para continuar arrastando seguidores pelo mundo, mesmo 38 anos após ter se separado, e dei um amplo sorriso pela oportunidade que estava por ter.

Ao chegar no teatro e entrar na pista, confesso que me senti muito à vontade, por ter a impressão de estar em um grande bar: encontrei amigos, observei toda aquela galera se espremendo na beira do palco, tomando cerveja e conversando sobre trivialidades enquanto aguardavam a banda. Como eu já imaginava, estavam lá muitos motoqueiros, alguns yuppies, outros poucos carinhas engravatados. O CREEDENCE é universal, assim como os Beatles e os Rolling Stones: agrada pobres e ricos, homens e mulheres, selvagens e domesticados, jovens e não tão jovens assim...

Seis minutos após o anúncio da banda, que foi feito pontualmente às 21h, os membros originais do CREEDENCE, Stu Cook (bateria) e Doug Clifford (baixo), acompanhados do guitarrista Tal Morris, do multi-instrumentista Steve Gunner e do vocalista John “Bulldog” Tristão, vieram dos bastidores e abriram com a clássica “Born On the Bayou”.

À propósito, “clássica” é uma palavra que expressa precisamente o repertório dos 91 minutos de show. Todas as músicas foram cantadas do início ao fim pela platéia, que conhecia todos os 19 sucessos da noite.

O espetáculo foi marcado pela intensidade, do público e da banda... O gaúcho tem o rock na sua essência, e isso ficou claro quando canções mais roqueiras, e não só os maiores hits, empolgaram a platéia. Foram os casos de “I Heard it Trough The Grapevine” e “Susie Q.”, esta com uma performance sensacional do inspirado guitarman Tal Morris.

Obviamente o momento que o teatro veio abaixo foi quando, no bis, a banda anunciou e tocou “Have You Ever Seen The Rain”. Da mesma forma, muitos foram às lágrimas no momento em que o baixista e o baterista relembraram Tom e John Fogerty, os outros membros originais da banda, e celebraram com um forte abraço 52 anos de amizade e convivência profissional.

O set list completo foi o seguinte: Born on the Bayou, Green River, Cotton Fields, Commotion, Who Will Stop The Rain, Susie Q., Hey Tonight, Long As I Can See The Light, Down on The Corner, Looking Out My Back Door, I Heard it Trough The Grapevine, The Midnight Special, Bad Moon Rising, Proud Mary, Fortunate Son. Bis: Have You Ever Seen The Rain, Travelin' Band, Good Golly Miss Molly e Up Around The Bend.

Na volta, novamente o “shuffle” do som me premiou com o CREEDENCE (desta vez “Walk On The Water”), e o sentimento saudosista da ida foi substituído pela satisfação de um garoto que acabou de comer um enorme pirulito colorido.

Concluí que o CREEDENCE é eterno, seja na formação original, seja apenas com dois membros natos, ou até mesmo nas bandas de cover dos bares da vida... Afinal, citando Carlos Drummond de Andrade, “eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica e nenhuma força jamais o resgata...”.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Creedence Clearwater Revival"

VietnãVietnã
A representação do conflito no rock da década de 60

WoodstockWoodstock
Quanto faturaram Jimi Hendrix, Creedence, The Who...?

Johnny CashJohnny Cash
10 músicas de rock que ele regravou

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Creedence Clearwater Revival"

Tarja TurunenTarja Turunen
Vocalista reprova cover do COB no The Voice

MetallicaMetallica
Foto rara de formação original do grupo

Keith RichardsKeith Richards
Colocando Justin Bieber em seu devido lugar

5000 acessosChickenfoot: Eddie Van Halen é uma piada perto de Satriani5000 acessosMetallica: Hetfield fala sobre a sensação Ghost5000 acessosEnquete: Os 10 melhores shows do Rock In Rio 20155000 acessosOzzy Osbourne: o epitáfio do Madman, segundo ele próprio5000 acessosSteven Adler: autor de biografia diz ter sido enganado5000 acessosBandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresa

Sobre Maximiliano P.

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online