Millencolin: show provou que existe celebração ao Hardcore

Resenha - Millencolin (Carioca Club, São Paulo, 14/11/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Jorge A. Silva Junior
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.










Nos últimos meses, o Carioca Club - casa de shows localizada na zona oeste da cidade de São Paulo - acostumou-se a receber apresentações de bandas ligadas a diversas vertentes do Metal. Porém, neste domingo (14), véspera do feriado da proclamação da república, o local foi "invadido" por um grande número de seguidores do Hardcore - ou melhor, dos suecos do MILLENCOLIN, que trouxeram ao Brasil a turnê de comemoração dos 10 anos de seu álbum de maior sucesso: 'Pennybridge Pioneers'.

Fotos: Filipe Rocha

A abertura da casa, marcada para às 17h, ocorreu trinta minutos após o previsto. Enquanto o público entrava no local, um telão instalado no palco transmitia a partida entre Atlético Goianiense e Palmeiras, válida pelo campeonato brasileiro. Meia hora depois, às 18h, as imagens do jogo foram retiradas para dar lugar à atração de abertura: o FISTT, banda de Jundiaí que debutou em 1999 e recentemente lançou seu quinto álbum, 'Como Fazer Inimigos'.

Usando uma camiseta do BAD RELIGION, o vocalista/baixista F.Nick - ao lado de Mirtão (guitarra), Karacol (guitarra) e Xandão (bateria) - embalou a galera com um Hardcore objetivo, de música simples e letras bem humoradas, entre elas "Minduim", "Pobre F. Nick" e "Meu Amigo Copo". A apresentação, que durou vinte e cinco minutos, teve boa aceitação e serviu como aquecimento para o petardo que viria a seguir.

Ao coro de "olê, olê, olê, olê, MILLEN-COLIN!", às 19h subiu ao palco o prato principal da noite. Formada por Nikola Sarcevic (vocal/baixo), Erik Ohlsson (guitarra), Mathias Färm (guitarra) e Fredik Larzon (bateria), a banda desembarcou no país com a proposta de tocar na íntegra o álbum 'Pennybridge Pioneers', que há dez anos ganhou o disco de ouro e até hoje é considerado o trabalho mais coeso do quarteto.

Logo na abertura, durante "No Cigar" - famosa por estar presente no game 'Tony Hawk’s Pro Skater 2' - mesmo com um breve problema no baixo de Nikola, o que se viu na pista (lotada, diga-se de passagem) foram jovens pulando, dançando e formando diversas rodas que mais pareciam furações humanos. Em poucos minutos, o local se transformou em uma verdadeira sauna gigante, tamanha era a empolgação das pessoas, que curtiram o momento como se fosse o último show da vida. Impressionante foi notar que o clima de festa seguiu durante todas as músicas do primeiro set: das famosas "Fox" e "Penguins & Polarbears", até as que tiveram pouca repercussão na mídia, como "The Mayfly" e "A-Ten" - com destaque para a competência na qual foram executadas.

Os próprios músicos, originários da gelada Suécia, sentindo o calor humano, souberam interagir na dose certa com o público - Nikola distribuiu diversas palhetas e os guitarristas Erik e Mathias tocaram o tempo todo com uma câmera colada em seus bonés, o que, com certeza, captou ótimas imagens para fazer inveja a seus amigos escandinavos.

A poeira só foi baixar (um pouco) durante a única balada da noite. Após tocarem "Pepper", a banda inteira saiu do palco e, segundos depois, voltaram apenas Nikola Sarcevic e um violão. Assim iniciou "The Ballad", cantada em verso e prosa por toda a casa e que emocionou muita gente, inclusive diversos garotos "violentos", organizadores dos chamados "bate-cabeças".

Por incrível pareça, em apenas 45 minutos, todos no Carioca Club já estavam satisfeitos com a apresentação. Mas a cereja do bolo estava guardada para o Bis - grande parte dele composto por canções dos primórdios do MILLENCOLIN, época em que a banda misturava elementos de Ska com Punk Rock e Hardcore. Foram resgatadas do disco 'Life On A Plate' (1995), famoso por sua inconfundível capa, as rápidas "The Story Of My Life", "Killercrush" e "Bullion", esta considerada por muitos como o hino da banda. Para encerrar a divertida celebração ao Hardcore, "Black Eye", do álbum 'Home From Home' (2002), inflamou de vez o público, que, de tanto agitar durante uma hora e vinte minutos, voltou para casa com a alma e o corpo lavados.

MILLENCOLIN EM SÃO PAULO
Carioca Club, 14 de novembro de 2010

Vocal/Baixo: Nikola Sarcevic
Guitarra: Mathias Färm
Guitarra: Erik Ohlsson
Bateria: Fredik Larzon

Set List
1. No Cigar
2. Fox
3. Material Boy
4. Duck Pond
5. Right About Now
6. Penguins & Polarbears
7. Hellman
8. Devil Me
9. Stop To Think
10. The Mayfly
11. Highway Donkey
12. A-Ten
13. Pepper
14. The Ballad

Bis
15. The Story Of My Life
16. Dance Crazy
17. Random I Am
18. Buzzer
19. Vixen
20. Killercrush
21. Mr. Clean
22. Bullion
23. Leona
24. Black Eye

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


241 acessosMillencolin: levantando a plateia em São Paulo296 acessosMillencolin: muitas rodas, moshes e satisfação em Porto Alegre143 acessosMillencolin: Baterista fala sobre os primórdios na cena sueca79 acessosMillencolin: veja como ganhar um ingresso para o show em POA0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Millencolin"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Millencolin"


Collectors RoomCollectors Room
Uma das mais invejáveis coleções de metal do Brasil

HeadbangerHeadbanger
Mostre que você é true em qualquer oportunidade

NirvanaNirvana
Lendário show no Hollywood Rock completa 20 anos

5000 acessosCapas de álbuns: 30 das piores artes da história5000 acessosVocalista: dez razões pelas quais os demais integrantes o odeiam5000 acessosSepultura: Andreas Kisser explica por que nunca rolará reunião4871 acessosPunk: as 10 bandas mais influentes da história5000 acessosSala de Som: 5 discos pra começar a ouvir heavy metal5000 acessosHelloween: confira o alcance vocal de Andi Deris

Sobre Jorge A. Silva Junior

Jorge Junior é paulistano, jornalista diplomado e colaborador do Whiplash.Net desde 2009. Tem mais de 400 matérias e notas publicadas, que somam aproximadamente um milhão e meio de acessos. Também realizou a cobertura de shows de grande porte, entre eles Ringo Starr, Eric Clapton, Deep Purple, System Of A Down, Red Hot Chili Peppers e Ozzy Osbourne. O autor pode ser seguido no Twitter: @jorgejunior85.

Mais matérias de Jorge A. Silva Junior no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online