Zeppelin in Concert: o maior festival do underground gaúcho

Resenha - 14º Zeppelin in Concert (Manara Bar, Porto Alegre, 14/05/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos














Em sua 14ª edição, o Zeppelin in Concert, definitivamente, se consolidou como o maior festival do underground gaúcho. Na cena desde 2003, o evento manteve na versão 2010 o mesmo formato das quatro últimas edições - dois palcos com shows alternados de oito bandas, dos mais diferentes estilos dentro do heavy metal.

Fotos: Denis Azevedo

Uma realização em conjunto entre a loja que empresta o nome ao festival e a Abstratti Produtora, o Zeppelin in Concert é hoje, nitidamente, a maior referência em shows para as bandas do sul do país. O evento - que contou com um público de cerca de trezentas pessoas - trouxe bandas já consagradas no cenário gaúcho, como a TIERRAMYSTICA e a DESOLATE WAYS; gratas revelações, como a IT'S ALL RED e a ILITHYIA; e ótimas bandas covers, como a ROSENROT e a HELLWALKERS; em mais de cinco horas ininterruptas de música pesada.

Com início pontual às 22h15, a primeira banda a subir no palco Zeppelin, localizado na pista alternativa do Manara Bar, foi a TRIBAL-CORE. Uma pena não acompanhar o show do grupo de deathcore porque, nesse horário, eu ainda estava me deslocando para o festival, juntamente com o fotógrafo Denis Azevedo, após cobrir o show de CHUCK BERRY na capital gaúcha. No entanto, não perdemos nenhum minuto da apresentação seguinte.

No palco In Concert, localizado na pista principal da casa, a banda IT'S ALL RED subiu exatamente às 22h45 para apresentar o seu death/metalcore. Com influências de diversos gêneros e com uma sonoridade bastante própria, o grupo formado por Júlio Schwan (vocal), Luiz Volkweis (guitarra/vocal), Rafael Siqueira (guitarra/vocal), Rafael Mallmann (baixo/vocal) e Renato Siqueira (bateria) surpreendeu todos os presentes. A banda, que prepara o lançamento do seu segundo álbum - intitulado "The Natural Process of..." - chamou a atenção pela animação brutal em cima do palco e pela qualidade técnica de todos os seus músicos. Difícil dizer qual música se destacou. O repertório do IT'S ALL RED, que me lembrou uma versão mais extrema do KILLSWITCH ENGAGE, mostrou (e comprovou) o porquê do grupo ser apontado como uma das maiores revelações do cenário gaúcho.

Sem pausa para respirar, assim que terminou a apresentação do IT'S ALL RED, a banda ROSENROT já estava pronta para iniciar o seu show no espaço secundário do Manara. Uma das poucas bandas a prestar tributo aos alemães do RAMMSTEIN em todo o país, o grupo de Porto Alegre enfrentou uma série de problemas técnicos. Aislan Rocha (vocal), Luciano Tia (guitarra), Márcio R.F. (guitarra), Rodrigo Louque (baixo), Evandro Striker (sintetizador/teclado), Dani Dutra (teclado) e Rikardo Schoreder (bateria) sofreram, justamente por ser um hepteto em um palco de proporções reduzidas. Embora seja impossível reproduzir de forma idêntica o trabalho da banda alemã, o ROSENROT foi competente na sua proposta e deixou o público contente. Com um set um pouco reduzido devido a problemas com o pedal de uma das guitarras, os destaques da apresentação ficaram por conta de trinca que fechou o show: "Du Hast", "Te Quiero Puta" e "Amerika".

Na sequência do festival, o próximo show ficou por conta da TIERRAMYSTICA, no palco principal do Manara Bar. A banda - que foi a representante gaúcha na edição brasileira do Wacken Metal Battle - mistura o seu heavy melódico/progressivo com influências da música andina. Guilherme Antoniolli (vocal), Fabiano Muller e Alexandre Tellini (guitarras), Ricardo Duran (charango/violão/ocarina/vocal), Rafel Martinelli (baixo), Luciano Thumé (teclado) e Eduardo Gomes (bateria) mostraram algumas das músicas que vão fazer parte do primeiro disco da banda, intitulado "A New Horizon". Entre as músicas próprias, destaque para "Golden Courtyard" e "New Eldorado", executadas no logo no início da apresentação. No entanto, o cover "Sign of the Cross", do AVANTASIA, levantou o público presente. Nessa música, subiram no palco os vocalistas convidados Mike Polchowicz (ex-HANGAR, VENUS ATTACK) e Dan Rubin (ex-MAGICIAN). De forma evidente, o TIERRAMYSTICA é uma banda suficientemente madura, que merece colher bons frutos com o seu primeiro álbum.

Com um público bastante concentrado na frente do palco Zeppelin, o ILITHYIA foi a próxima banda a se apresentar no espaço alternativo da casa. O grupo formado por Cíntia Rodrigues (vocal), Diego Chiappin (guitarra), William Mangoni (guitarra), Lucas Biassusi (baixo), Krystoff Knapp (teclado) e Leonardo Benites (bateria) foi, certamente, o mais prejudicado pelos problemas técnicos que incomodaram todos os que executaram o seu repertório no ambiente menor do evento. O ILITHYA apresentou duas composições próprias de muito bom gosto, "Misfortunes" e "Rise of a Day". No entanto, os problemas com o som impediram que eles tocassem uma terceira composição própria e até mesmo de executar inteiramente "Rise of a Day". Mesmo assim, o grupo conseguiu contornar os imprevistos e ainda mandou "Pull Me Under" (DREAM THEATER), "Wish I Had an Angel" (NIGHTWISH) e "Coming Home" (STRATOVARIUS), influências evidentes do seu metal gótico/melódico. Embora tenha pouco tempo de estrada - a banda foi formada no final de 2008 - o ILITHYIA deveria investir em composições próprias e em um primeiro registro em estúdio logo.

Com um set de aproximadamente quarenta minutos, a DESOLATE WAYS foi a próxima atração do Zeppelin in Concert. Uma das mais antigas bandas do Rio Grande do Sul, o grupo formado por Max Lima (vocal/guitarra), Eliseu Heinzenreder (guitarra), Ulisses Orix (baixo) e Igo Menegaz (bateria) aproveitou a sua terceira passagem pelo festival para divulgar o seu novo disco, intitulado "Last Moons", lançado no ano passado pela Die Hard Records. Com um repertório que contou exclusivamente com músicas próprias, a banda de Torres (RS) executou um doom metal bastante interessante, com características bastante próprias, que chega a aproximar as composições da banda à fase mais antiga do METALLICA. Além de mostrar as novas (e ótimas) "Regret" e "Immaculate", a DESOLATE WAYS, apesar do pouco tempo disponível, não deixou de fora músicas dos seus outros discos, como "Sacred Mortals" e a clássica "Drowned in Tears", que fechou a apresentação e tem, inclusive, um belo videoclipe disponível na internet.

Por volta das 2h, a ASHES subiu no palco alternativo do Zeppelin in Concert para executar trinta minutos de um deathcore brutal. Na ativa desde 2008, Phill Barragan (vocal), André Freitas e Adriano Costa (guitarras), Dudu Paiva (baixo) e Leo Boeira (bateria) apresentaram somente músicas agressivas, dinâmicas e certeiras. Se a ASHES foi a banda menos prejudicada pelos problemas técnicos que atrapalhou quase todos os músicos no ambiente menor do Manara Bar, o grupo contou com uma intensa participação do público, que agitou do início ao fim da apresentação. O encerramento do festival ficou a cargo do HELLWALKERS - banda cover do PANTERA - formada por Scud Graven (vocal) e os conhecidos Magnus Wichmann (guitarra), Pedro Fauth (baixo) e Francis Cassol (bateria). Em grande performance, o quarteto executou de forma impecável os sucessos "Cowboys from Hell", "Domination", "I'm Broken" e "Walk".

Depois de mais de cinco horas de show, o público que resistiu até o fim da apresentação do HELLWALKERS foi para casa satisfeito com tanto heavy metal de qualidade. Com ótimas bandas escolhidas a dedo pelo anfitrião Alexandre Thizyu Nascimento, proprietário da loja Zeppelin, o Zeppelin in Concert mostrou a sua importância para a nova consolidação do underground gaúcho. O evento, que se repete e traz novidades duas vezes por ano, ainda distribuiu diversos brindes para os headbangers presentes.

Set-lists:
Tierramystica:
1.Nueva Castilla
2.Golden Courtyard
3.New Eldorado
4.Sign of the Cross (Avantasia)
5.Celebration to the Sun
6.Spiritual Song
Ilithyia:
1.Misfortunes
2.Pull Me Under (Dream Theater)
3.Rise of a Day
4.Wish I Had an Angel (Nightwish)
5.Coming Home (Stratovarius)
Desolate Ways:
1.Senseless
2.Regret
3.Sacred Mortals
4.Blackness
5.Immaculate
6.Frozen Leaves
7.Drowned in Tears

Para ouvir:

Ashes
http://www.myspace.com/officialashes

Desolate Ways
http://www.desolateways.com

Ilithyia
http://www.ilithyia.com.br

It's All Red
http://www.myspace.com/itsallredmusic

Tierramystica
http://www.tierramystica.com



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de Shows

Guitarpedia: Os 10 riffs de guitarra mais complicados da históriaGuitarpedia
Os 10 riffs de guitarra mais complicados da história

Epica: veja fotos da irmã mais nova de Simone SimonsEpica
Veja fotos da irmã mais nova de Simone Simons


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

adWhipDin