Johnny Winter: a força e a simplicidade do blues texano

Resenha - Johnny Winter (Via Funchal, São Paulo, 22/05/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Bento Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Sem brincadeira, desde que me conheço por gente, tomei conhecimento de que JOHNNY WINTER “viria” se apresentar no Brasil por no mínimo umas seis vezes. Winter é disparado o campeão de cancelamentos por aqui... Seus shows eram marcados e divulgados, os ingressos eram vendidos, e na hora “H”, o show era cancelado sem mais explicações. As desculpas eram as mais diversas possíveis: “Johnny não aguenta mais fazer longas viagens de avião, por isso ele nunca vai vir tocar aqui”; “o remédio que ele toma não pode entrar no país”; etc, etc, etc. Desde meados dos anos 80 era a mesma história. Isso chegou num ponto que quando alguém chegava pra mim e dizia: “Você viu que vai ter show do Johnny Winter?” eu simplesmente dizia: “Conta outra... Esse eu só acredito vendo, ali na cara do palco”.

5000 acessosClassic Rock: elegendo os 10 melhores álbuns de estréia5000 acessosFotos de Infância: Slash, do Guns N' Roses

Confesso que dessa vez, quando o show foi marcado, algo me dizia que agora iria rolar pra valer... Era a nossa chance de ver aquele texano que surgiu para o mundo da música em 1969, e que desde a sua aparição no Festival de Woodstock, naquele mesmo ano, não parou de brilhar na cena do rock e do blues.
Winter veio, apareceu de verdade dessa vez, e que emoção!

Tanto ele como a platéia parece que sabiam disso, todos sabiam que o encontro havia demorado décadas, mas finalmente havia chegado. Winter veio andando com dificuldade, sentou no seu banquinho e mostrou para os brasileiros o que é música feita com emoção e verdade. Sabedoria pura jorrando de sua guitarra e de seu microfone...

A banda de apoio era sensacional, todo mundo com energia, pegada e técnica na medida. Do lado direito de Winter, o guitarrista Paul Nelson, seu Messias, o cara que o trouxe de volta aos palcos e aos discos. Todos nós brasileiros devemos uma cerveja a Paul, pode apostar!

O som estava bom, coisa rara em se tratando de Brasil e Johnny fez um set especial, tocando clássicos especialmente pinçados para sua tour brasileira, tirando do baú temas que ele há tempos não tocava em suas tours pelo exterior. O show foi transmitido no telão, porém o equipamento de vídeo da Via Funchal é uma decepção completa. Imagem borrada, sem definição alguma. Em plena era de ouro da resolução HD, você paga 300 reais para assistir um show exibido num telão com resolução digna de uma fita Betamax... Lamentável.

Quando Winter detonou uma sublime versão de “Good Morning Little School Girl” (aquela mesma que aparece em seu primeiro álbum pela Columbia/CBS, de 1969), todos já estavam rendidos. O que dizer diante daquela entidade da história da música; peça única da história do rock e do blues? O jeito era curtir cada solo, cada slide do mestre... HENDRIX foi homenageado com uma emocionante e longa versão de “Red House”, que ainda teve citações a “Sunshine Of Your Love” do CREAM. Outros destaques do set foram “She Likes To Boogie Real Low”, “Hide Away”, “Bonny Moronie”, “It’s All Over Now” e a sempre obrigatória releitura de “Highway 61 Revisited”, de BOB DYLAN, que surgiu como encore, onde Winter surgiu carregando sua legendária Gibson Firebird, sua antiga companheira de guerra.

Winter saiu completamente ovacionado. A emoção era palpável no ar, a lenda deu sua graça por aqui. Quem ficou em casa perdeu. Muitos disseram: “se for para ver Winter nesse estado quase terminal, eu prefiro não ver”... Mal sabem eles, que mesmo ali sentadinho, com dificuldade de andar e quase não enxergando nada; nosso novo velho amigo albino deu uma aula, tocando com garra e paixão, e mostrando muita verdade em cada nota.

Foi surpreendente? Sim, muito, pois eu mesmo confesso que não estava esperando tanto dessa apresentação. Foi mais que um show, foi uma aula de simplicidade, de história, de veracidade musical e de vida; enfim, uma aula de blues... Contrastando infinitamente com o show do dia anterior, (ZZ TOP, também na Via Funchal), JOHNNY WINTER e sua banda tiraram o atraso de décadas em questão de horas, mostrando a força e a simplicidade do verdadeiro blues texano. Que Deus abençoe o nosso novo/velho amigo Johnny...

Na nova edição da revista poeira Zine você confere um artigo especial sobre o início da carreira de Johnny Winter. Mais detalhes no site www.poeirazine.com.br.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Johnny Winter"

Dave MustaineDave Mustaine
Os dez álbuns que mudaram a sua vida

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Johnny Winter"

Classic RockClassic Rock
Elegendo os 10 melhores álbuns de estréia

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Slash, do Guns N' Roses, antes da fama

MetallicaMetallica
A reação de James a famosos usando camisetas da banda

5000 acessosDave Mustaine: boatos dizem que ele é tio de Hayley Williams5000 acessosAgressividade: 21 caras que fizeram a história do rock pesado5000 acessosCompridas: As músicas mais longas de grandes bandas4474 acessosBateristas: em vídeo, os 10 melhores do metal5000 acessosTalento: pra quem tem, a idade é apenas um detalhe4734 acessosUltraje a Rigor com Dinho: mandando bem em clássica de Hendrix

Sobre Bento Araújo

Bento Araújo nasceu em 1976. É jornalista profissional e adora a música dos anos 60 e 70. É o editor chefe da Poeira Zine, a única publicação do país dedicada à música dos bons tempos. Lá ele escreve os textos, faz a diagramação, cuida da arte, do visual, faz 'a social' com os anunciantes, distribui, faz correio, banco, responde os e-mails e as cartas e também limpa o banheiro da redação... Além de tudo isso, o cara ainda tira uma onda tocando contra-baixo pela noite paulistana, além de vez ou outra fazer um 'bico' em alguma loja de discos em troca de raridades vinílicas... O Editor também oferece seus serviços jornalísticos e musicais a quem se interessar... (nada que uns bons dólares não possam resolver...)

Mais matérias de Bento Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online