Marduk: tomando de assalto as terras cariocas

Resenha - Marduk (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 11/04/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Uma tarde/noite quente de domingo foi a data em que a Divisão Panzer MARDUK tomou de assalto, pela primeira vez, as terras cariocas, com o suporte de três bandas peso-pesado do Metal Extremo carioca na abertura: DARK TOWER, ENTERRO e UNEARTHLY.

1181 acessosLoudwire: as dez bandas mais demoníacas de todos os tempos5000 acessosPlanno D: 10 coisas que metaleiro faz mas quase ninguém sabe

A primeira banda a subir no palco foi o DARK TOWER, que mostrou o porque de ser uma excelente banda das safras mais recentes. Lançando mão do material de seus dois EPs ("Spectres’ Arrival" e "Lord of the Vastlands"), mais algumas novas, a banda realmente tem ótima postura de palco, liderados pelo vocalista Galf, que se destaca pelo vocal diferenciado e pela garra com que interpreta cada música, assim como a técnica e firmeza de Argos na bateria. Usando de elementos de vários estilos de Metal para cunhar sua música violenta, mas climática e única, o Dark Tower só precisa mesmo lançar um full length o mais breve possível.

Um intervalo providencial para beber algo gelado, e a "Marcha Fúnebre" começa a soar na casa. O ENTERRO então mostra seu trabalho, com músicas essencialmente de seu primeiro trabalho ("Nune Scio Tenebris Lux"). Black Metal cru, direto, sem firulas, com algumas músicas mais aceleradas, e outras vezes, bem arrastadas e pesadas, que mostram que há uma identidade sonora na banda, e por isso, foram recebidos de forma bem calorosa. A banda é compacta e os seus integrantes possuem boa postura de palco, com destaque para o vocalista Nihil, que além de cantar muito bem, é um frontman único, pois prende a atenção do público. Não dá para tirar os olhos dele, que é extremamente performático. Quem puder vê-los ao vivo, entenderá o que digo...

O UNEARTHLY subiu ao palco pouco depois, e logo surgiu a primeira roda da noite, divulgando seu mais recente trabalho, o CD "Age of Chaos". Não é necessário falar mais do que já foi dito sobre suas apresentações ao vivo, que são cheias de energia, garra e profissionalismo que a experiência lhes deu. Ótima presença de palco, sendo fiéis ao que se ouve nos discos, a banda desfilou músicas de todos os seus CDs, e ainda um cover para "Orgy of Flies", do SARCÓFAGO, em que o público cantou em uníssono o refrão. As músicas "Age of Caos" e "Days of Storm for Christian Souls" se destacaram, e a performance de Leghor Supay, que está de volta a banda, mostra porque é um dos melhores bateristas do Metal Extremo Brasileiro. Isso sem mencionar que o vocalista Eregion chamava a atenção do público para o apoio à cena metálica nacional, fora cantar de forma primorosa.

Muitos deveriam ouvir suas palavras e a praticarem...

Um novo intervalo acontece, e logo começa a tocar uma longa intro, e durante ela, todos os olhos se voltaram para o palco, ansiosos pela banda principal, e logo, surge o guitarrista Morgan, que saúda o público, bem como o batera Lars, o baixista Devo e o vocalista Mortuus. O grande nome da noite, MARDUK, está enfim no palco e tocam de cara "With Satan and Victorious Weapons", e o público começa a agitar freneticamente.

Com um set de pouco mais de uma hora, a banda faz um apanhado de clássicos de todos os seus álbuns, como "Still Fucking Dead", "Materialized in Stone", "Panzer Division Marduk", "Beyond the Grace of God" e "Azrael", bem como outras de seu novo CD, "Wormwood". Mas quando começou a tocar uma sirene de ataque aéreo, muitos já sabiam que era a vez de um de seus maiores clássicos, o ponto alto da noite: "Baptism by Fire".

É impossível que alguém não compreenda o porque do MARDUK ser um dos pilares do Black Metal em todo mundo ao ver um de seus shows, porque a presença de palco da banda é insana. Os quatro não param um momento de agitar, sem contar que Mortuus não é apenas um ótimo vocalista e intérprete, mas também um frontman que se agiganta no palco e tem o público em suas mãos. Morgan e Devo levam os presentes ao delírio com ótimas performances em seus instrumentos e em suas interações com o público, e Lars segura a base rítmica como poucos bateras do estilo.

A banda encerrou seu show e foi mais que ovacionada pelo público presente, deixando saudades e a promessa de retorno em breve.

A Mysterian Art e DJ Terror (da From Hell) estão de parabéns não só por trazer a banda ao Rio pela primeira vez, mas pelo profissionalismo apresentado em relação a cada detalhe do evento, e espero que esta dobradinha possa realizar mais e mais eventos desta escala. Os públicos carioca e nacional merecem e o Metal precisa de pessoas sérias assim...

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

1181 acessosLoudwire: as dez bandas mais demoníacas de todos os tempos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Marduk"

Rock x IgrejaRock x Igreja
Veja 12 artes que mostram essa impávida luta

MardukMarduk
Guitarrista tem pedaços do crânio de Dead, do Mayhem

MetalMetal
Em vídeo, 10 bandas satanistas de fato

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Marduk"

Planno DPlanno D
10 coisas que metaleiro faz mas quase ninguém sabe

Sharon OsbourneSharon Osbourne
"Pensei em pagar por sexo"

ExcessosExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

5000 acessosSlayer: assassino do pai culpa a banda e assume morte de Jeff5000 acessosWikimetal: Seis motivos para gargalhar ouvindo Heavy Metal5000 acessosPhil Anselmo: Arrependido, vocalista pede "segunda chance"5000 acessosZakk Wylde: "Se continuasse bebendo iria sangrar internamente!"5000 acessosBlack Sabbath: 20 fatos sobre a banda que talvez você não saiba5000 acessosEm 21/08/1989: Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online