Andralls: com The Ordher e Peristaltic Movements no Rio

Resenha - Andralls, The Ordher, Peristaltic Movements (Calabouço, RJ, 14/03/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Uma noite chuvosa e quente reuniu três bandas em mais um evento no Calabouço, um point que tem ganhado expressão na Cidade Maravilhosa.

Andralls: novo álbum é pura pancadaria thrash old schoolMetallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

Devido à chuva torrencial que desabou na cidade, o show sofreu um bom atraso, mas a banda carioca PERISTALTIC MOVEMENTS abriu a noite. A banda é ainda bem jovem, e faz o que se pode denominar como Floridian Way of Death Metal, ou seja, Death Metal bem tradicional na linha de bandas como MORBID ANGEL, MONSTROSITY, CANNIBAL CORPSE e outras da região. Nada muito complexo, mas bem feito e competente. A banda é muito boa e homogênea, com destaque para o vocalista Vitor, que possui fôlego privilegiado. A banda só necessita mesmo de mais estrada e uma segunda guitarra para dar punch, mas fora isso, está ótima.

Depois de uma boa espera, porque a chuva parou o trânsito na Via Dutra e atrasou o grupo, THE ORDHER sobe ao palco e detona um set que, embora curto devido a alguns problemas técnicos, teve energia e punch. O estilo da banda é um Death extremo, brutal e rápido, mas a personalidade do grupo é algo sensível em cada música. Eles dispensam maiores comentários. Lançando mãos de músicas de seus dois CDs ("Weponize" e "Kill the Betrayers") eles arrasaram, levando o público a agitar, apesar do pouco espaço. Destaque para Fabiano Penna, uma instituição dentro do Metal Extremo nacional, que possui uma ótima postura e agita o tempo todo.

Fechando a noite, os Fast Thrashers do ANDRALLS fizeram a sua parte, e mostraram que o palco é seu habitat natural, em um show arrasador e cheio de energia, onde nenhum dos três parou de agitar um segundo. Bem humorados e extremamente à vontade, fruto dos anos de estrada, eles levantaram o público com músicas como "The Age of Rage" e "Crosses Shall Burn", com destaque para o batera Alexandre que estava animalesco nesta noite, mostrando técnica, garra e, antes de tudo, profunda felicidade em tocar, coisa que faz falta à muita banda por aí.

Saldo: mais um bom espaço em uma cidade que necessita de mais outros, 3 ótimos shows em uma noite, e espero outros tão bons quanto no mesmo local. Parabéns à produção do evento que soube contornar os problemas de última hora, e ao Calabouço Heavy & Rock Bar, por abrir suas portas aos estilos mais underground, e obviamente, às bandas.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Andralls"Todas as matérias sobre "Ordher"Todas as matérias sobre "Peristaltic Movements"


Andralls: novo álbum é pura pancadaria thrash old school

Metallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritasMetallica
Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

História do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatosHistória do rock
Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosSonho de Consumo
Os 10 palcos de shows mais desejados

Slayer: Kerry King acha que Black Metal norueguês é uma merdaRock Brasileiro: uma lista das 10 maiores bandasLoudwire: escolhendo as 50 músicas do metal do século XXIMick Jagger: modelo diz que ele tem o menor pênis do mundo

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.