Resenha - Motorhead (Via Funchal, São Paulo, 18/04/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Glauco Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.








Quantos sexagenários você conhece que sobem em um palco, tocam com os amps no talo, bebem e fumam como condenados, e ainda levam à loucura milhares de fãs ensandecidos? Posto isso, assistir de novo a uma apresentação do Motörhead não é apenas divertido, insano e energético: trata-se, antes de qualquer coisa, de um verdadeiro privilégio.

Fotos: Alexandre Cardoso

Apesar de retornarem com uma mais que saudável freqüência à terra brasilis, ainda é impressionante ver como Lemmy, Phil e Mikkey sempre arrastam gigantescas hordas de seguidores encantados com a música e atitude do longevo trio britânico. No Via Funchal cheio (e arredores) dava pra ver de tudo: headbangers, punks, casais, crianças, coroas, bêbados, caretas… todos em harmonia e esperando ansiosamente - e com surpreendente paciência - para terem seus tímpanos impiedosamente estourados.

Explicando a questão paciência: o show da atração principal foi adiado em cerca de uma hora, devido ao atraso na liberação alfandegária do equipamento que veio de Recife (onde se apresentaram na noite anterior)… a mim, particularmente, veio a calhar pois infelizmente não consegui chegar à capital a tempo de ver o Baranga - que, faço questão de registrar, teve um desempenho correto e bem elogiado segundo testemunhos que colhi, com destaque ao guitarrista.

Às 23h30min as luzes se apagam, e a lendária trupe inglesa adentra o palco: Mikkey primeiro, Phil e finalmente mestre Ian Kilmister, a quem muitos chamam de "deus" - e este escriba se inclui entre os que crêem fielmente. O arrepio é inevitável quando, empunhando seu Rickenbacker, Lemmy se aproxima do microfone ao alto e anuncia, com aquela voz inconfundível: "We are Motörhead… and we play rock 'n' roll!" - mesmo já tendo presenciado essa cena mais de uma vez ao vivo. Já começam quebrando tudo com a clássica "Iron Fist" e, como era de se esperar, uma gigantesca roda se abre no meio do povo. Sem tempo pra respirar, já mandam outra favorita de seu arsenal de hinos: "Stay Clean", perfeita e já dando pra sacar algo que rolou durante toda a apresentação: a mudança no andamento, um pouco mais lenta que nas gravações originais.

Seria demérito ou truque para mascarar a inabilidade/cansaço da banda? De forma alguma: ao contrário de muitos que abusam deste expediente (não convém citar nomes, o leitor atento saberá identificar um bom punhado), o Motör conseguiu através dessa sacada tornar sua música AINDA MAIS pesada, chegando a ser quase claustrofóbico algumas vezes. Após "Be My Baby" e mister Campbell dar um belo grau em seus Marshalls (o som ainda não estava no volume ensurdecedor que sempre caracterizou sua carreira), mostram na nova "Rock Out" que fazem rocks de primeiríssima: afinal, o que são 34 anos de estrada sem dar o menor sinal de cansaço ou estagnação? Impressionante, pra dizer o mínimo.

Aí mandaram a deliciosa "Metropolis" pra fervura subir novamente na platéia, e desenterraram a pequena pérola "Another Perfect Day", do álbum homônimo de 83, que só de uns tempos pra cá tem tido seu devido reconhecimento. Lemmy já mostrava não estar lá muito satisfeito com a sonorização, e o motivo de sua irritação ficou evidente após uma falha técnica que sabotou o início de "Over The Top". O frontman contornou de boa conversando com o povo, e rapidamente o som foi normalizado para a seqüência com "One Night Stand", "You Better Run" e a contagiante "I Got Mine".

Aí veio o primeiro solo da noite, e o Phil mandou ver com algo meio em falta no mercado: feeling puro. A última vez que assisti os caras foi no Monsters de 96, e então senti mesmo a falta do contraste com o alucinado Würzel na segunda guitarra - mas isso agora se tornou uma vaga reminiscência. Pra quem acha que tocar muito guitarra é fritar em milhares de notas por minuto, a lição de classe, segurança e precisão do titular das seis cordas há 25 anos foi memorável - e emendada na bela "The Thousand Names of God", que fecha o mais recente álbum do grupo.

Outro clássico recente, a grande "In The Name Of Tragedy", precede um solo fenomenal do Mikkey Dee: ainda é impressionante o quanto o sueco desce o braço em sua Sonor, e desde seus dias com o King Diamond! Não pára um segundo de agitar durante o show, brinca com o público, faz chover baquetas, esbanja e força e agilidade tal qual um garoto… quaaase dá pra esquecer que um dia o grande Philty 'Animal' Taylor já se sentou naquele glorioso trono de pratos e peles no fundo do palco.

Falando nos velhos tempos, mandaram então a surpresa de "Just 'Cos You Got The Power" do EP 'Eat The Rich', que trouxe saborosas memórias sobre o primeiro show de Metal que assisti na vida, deles mesmo, no Ginásio do Ibirapuera no já longínquo 1989 (show que, aliás, só foi completado uma semana depois, no Projeto SP, pois os geradores não agüentaram!). A desaceleração que mencionei no início desta resenha atingiu seu ápice nesse belo cutucão aos políticos, fazendo com que a longa canção atingisse uma proporção quase épica - até pelo inspiradíssimo solo do Phil… que peso monolítico, pra mim foi disparado o destaque do repertório.

Se o Lemmy já gostou de conversar/provocar o pessoal na intro da última, o deleite foi ainda maior na seqüência-apelação que seguiu: "Going To Brazil" (escrita quando voltavam da primeira excursão à nossa terra), "Killed By Death" e a locomotiva "Bomber"… ufa! Pausa pra respirar pro encore final, que começou bem light com a deliciosa "Whorehouse Blues" apresentando Mikkey e Phil no violão, Lemmy só cantando e ainda mandando uma respeitável canja na gaita. Aí veio o tiro de misericórdia, trazendo a casa abaixo com seu hino mais esperado: "Ace Of Spades". Clássico atemporal, que não perdeu sequer uma centelha de sua capacidade em incendiar platéias.

Como era de se esperar, o coice "Overkill" encerrou o massacre com o pique lá em cima: lágrimas, hematomas (de quem fica nas rodas como eu) e enormes sorrisos estampados em cada uma das faces que populavam a casa paulistana. Um show magnífico, preciso, esgotante, liderado por mister Kilmister, nada menos que um exemplo de vida: bem-sucedido, saudável, com longevidade e integridade inquestionável em mais de três ininterruptas décadas de história nos anais do Heavy Metal. Obrigado… e amém, Lemmy!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Motorhead (Via Funchal, São Paulo, 18/04/2009)

2028 acessosMotorhead: "Nós somos como pesadelo... sempre voltamos..."5000 acessosResenha - Motorhead (Via Funchal, São Paulo, 18/04/2009)


Judas PriestJudas Priest
Lemmy significou muito para Rob Halford

588 acessosMotorhead: edição especial de 40 anos do primeiro disco1958 acessosFuturo Headbanger: Pai homenageia Lemmy e Mustaine em nome do Filho30 acessosEm 16/05/2000: Motorhead lança o álbum We Are Motörhead24 acessosEm 09/08/1986: Motorhead lança o álbum Orgasmatron14 acessosEm 04/06/1983: Motorhead lança o álbum Another Perfect Day0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 discos essenciais lançados nos anos 1970

LemmyLemmy
Heavy Metal é o máximo, o Radiohead não tem disco bom

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
O encontro inusitado com Max Cavalera em Londres

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"


Freddy FrenzzyFreddy Frenzzy
O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação

Black SabbathBlack Sabbath
About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

Whiplash.NetWhiplash.Net
O site é um site lucrativo?

5000 acessosMetallica: prejudicando as finanças da Igreja Universal5000 acessosSonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejados5000 acessosRush: Um Adeus Aos Reis5000 acessosNovember, legendário power-trio sueco5000 acessosMotorhead: Lemmy fala sobre Jimi Hendrix, drogas e mais5000 acessosHard e Metal: os 34 álbuns mais aguardados para 2017

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Glauco Silva

36 anos, solteiro, estudou Linguística e Engenharia de Alimentos na UNICAMP. Tem sua sobrevivência (CDs, cigarro e cerveja) garantida no trabalho em uma multinacional. Iniciado no Metal em 1988, é baixista/vocal do LACONIST (Death Metal) e acredita fielmente que o SARCÓFAGO é a melhor banda do universo.

Mais informações sobre Glauco Silva

Mais matérias de Glauco Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online