Haunted: mereciam mais público do que o presente

Resenha - Haunted (Hangar 110, São Paulo, 30/11/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alexandre B. Santos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando ouvi "Chasm" pela primeira vez, fiquei impressionado com a "pegada" thrash old school da mesma e ao olhar o nome da banda perguntei a mim mesmo: The Haunted? Fui logo atrás de informaçôes da banda e rapidamente comprei o primeiro álbum. Para minha surpresa, "Chasm" não era a melhor do álbum e vi diante de mim um dos melhores álbuns de thrash que já ouvi. Virei fã incondicional da banda e acompanho tudo desde então. Minha expectativa por um show por aqui foi cultivada por anos. Eis que de sopetão é anunciada uma data para o Brasil e meu sonho virou realidade.

Covers: alguns dos mais legais feitos por bandas de MetalTarja: agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000

Domingão com decisão de campeonato brasileiro, ruas vazias e logo cheguei ao Hangar, por volta das 19:10. Para minha surpresa, não havia muita gente, mas ainda era cedo e haveria banda de abertura. Estacionamento fácil e rapidamente estava na porta do local. Fiquei jogando conversa fora com meus camaradas e nada do público chegar. Nem entrei para ver os Bandanos, banda de abertura. De surpresa, Dolving, Anders, Jonas, Jensen e Per Moller, passaram por mim e entraram pela porta da frente. Quando percebi que o show de abertura terminou, corri para dentro.

Vazio. Assim estava o Hangar para prestigiar esta grande banda. Que desperdício. Alguns ajustes com a cortina do palco fechada e logo as luzes se apagaram. A intro de bateria começou ainda com a cortina fechada e a primeira frase de "Little Cage" é gritada. Paulada direta e roda rapidamente feita. Selvageria. Dolving com cara de louco olhando a galera, Jensen do seu direito e os irmãos Bjorler a esquerda. No fundo Per Moller com um pano com a arte do "Revolver" e o nome da banda. Já havia ido atrás do setlist da Colômbia, então já sabia a sequência das músicas e elas foram fielmente executadas. Fiquei meio com um pé atrás, já que haveria muitas músicas do "The Dead Eye", que não é meu álbum favorito, mas ao vivo estas músicas ganharam um peso extra e ficaram muito boas. Dolving é um cara engraçado e agressivo ao mesmo tempo. Não parava de agitar um segundo, agachando, dando socos como um boxeador e cantando muito. Como sua voz encaixa com o som permanece potente em todas as músicas e variações. Jensen ficou posando para as fotos e era o mais de boa. Per Moller moeu a batera sem sinais de desgaste ou sofrimento. O baixo de Jonas é muito presente, dando peso extra para a cozinha. E Anders. Ah, o Anders... Como toca o sujeito. Parece que está brincando de tocar guitarra. O solos ficaram perfeitos, como nos álbuns. Claro que os destaques vão para as músicas mais clássicas, como "Trespass", "Bury your Dead", "In Vein" (um pouco embolada), "All Against All", "No Compromise" e "99". Até "Moronic Colossus" (do último álbum) caiu nas graças do público que agitou muito com essa grande música. Dolving pediu no meio desta que a galera gritasse: "SICK". Foi atendida com o "sick, sick, sick" da letra. Muito bom. Para terminar, após a sequência do bis, a galera clamou por "Hate Song" e foi atendida. Com o mais puro thrash praticado com destreza e violência o show terminou do mesmo jeito que começou: Selvagem. "Hate Song"!!!!!!!!

Enfim, foi uma aula de thrash metal que saciou os sortudos fãs que estavam presentes. Fiquei com o pescoço em frangalhos e totalmente feliz. Azar dos que não foram. No final da guerra, Dolving, Per e Jensen desceram do palco e atenderam o público, tirando fotos, dando autógrafos e sendo elogiados pela performance. Mesmo com um baixo público, tocaram como se estivessem em uma grande arena, provando o quanto gostam do que fazem e respeitam os fãs. Claro que peguei meus autógrafos também.

Talvez a sequência de shows (Paradise, Carcass, Judas...) e a pouca divulgação, pesaram contra uma boa presença, mas esta banda merecia muito mais público do que o presente.

Set List:
1. Little cage (Versus)
2. The drowning (The Dead Eye)
3. Trespass (Made Me Do It)
4. Trenches (Versus)
5. Forensick (The Haunted)
6. D.O.A. (One Kill Wonder)
7. Rivers run (Versus)
8. The flood (The Dead Eye)
9. The medication (The Dead Eye)
10. In vein (The Haunted)
11. Faultline (Versus)
12. The fallout (The Dead Eye)
13. Dark intensions (Made Me Do It)
14. Bury your dead (Made Me Do It)
15. All against all (rEVOLVEr)
16. Moronic colossus (Versus)
17. No compromise (rEVOLVEr)
18. 99 (rEVOLVEr)
19. Hate song (The Haunted)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Haunted"


Heavy Metal: 10 bandas com formações tumultuadasHeavy Metal
10 bandas com formações tumultuadas

The Haunted: Dolving relata ida a uma Sauna GayThe Haunted
Dolving relata ida a uma Sauna Gay


Covers: alguns dos mais legais feitos por bandas de MetalCovers
Alguns dos mais legais feitos por bandas de Metal

Tarja: agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000Tarja
Agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000

Slipknot: causando medo no cantor Latino durante o Rock In RioSlipknot
Causando medo no cantor Latino durante o Rock In Rio

Iron Maiden: "se as bandas de metal mandassem no mundo..."Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Kiss: definição jurídica para "God Gave Rock and Roll To You II"Jimmy Page: "não ouçam Led Zeppelin em MP3"

Sobre Alexandre B. Santos

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.