Brasil Papaya: celebrando 15 anos em Florianópolis

Resenha - Brasil Papaya (Florianópolis, 28/08/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carolina Brand
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

É... tinha banda debutando em Florianópolis no último dia 28 de agosto. Numa noite agradável, músicos, amigos, convidados e fãs reuniram-se no Teatro Álvaro de Carvalho para celebrar esta data com Eduardo “Dudu” Pimentel (guitarra); Adriano “Baga” Rotini (baixo); Renato Pimentel (guitarra) e Alex Paulista (bateria).

5000 acessosFotos de Infância: Robert Plant, do Led Zeppelin5000 acessosBatismo: Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e Metal

Casa cheia, o público estava ansioso por essa comemoração... com dez minutos de atraso começou no telão um pouco da história do Brasil Papaya que surgiu em 1993, “misturando o radical hard rock com outros estilos mais populares, como o chorinho, sempre soando rock and roll”, mostrando as formações e fotos antigas (muito exclamadas). Em seguida uma apresentação editada, com flashs, imagens e bandas que influenciaram e fizeram parte desses 15 anos.

Brasil Papaya é uma banda que acompanhou a adolescência e amadureceu até a vida adulta de e com muita gente que curte um bom rock and roll em Florianópolis. Sempre conquistando novos fãs, a banda destacou-se no cenário musical por seu estilo próprio, pela mistura de ritmos e conquista de mais espaço para a música instrumental, quebrando o paradigma da necessidade de um vocal para alcançar o sucesso.

Além das apresentações em telão, o cenário foi bastante aproveitado, o que não é costumeiro em shows de rock. Já de cara o show quebra tudo com "Far All" do CD "Esperanza" e "Happy Guitars", uma das mais famosas do primeiro CD, "Brasil Papaya Instrumental". Em seguida, as músicas "Matando a Inocência" e "Pé na Tábua", sempre intercalando o antigo e o recente trabalho. Nessa última, Eduardo Pimentel usou a chamada “guitarra baiana” com seis cordas e em seguida Baga Rotini teve seu momento solo.

Então veio a lindíssima e pesada versão de "Libertango" de Astor Piazzola com a marcante participação de Marcos “Gaitero” Tottene tocando a Gaita Ponto, responsável por muitos arrepios na platéia que vibrava com a energia contagiante do momento. Aliás, momento de descontração quando os irmãos Dudu e Renato Pimentel sentaram no maior gênero “barzinho e violão” e fazem uma espécie de duelo de talento ou diálogo entre instrumentos de forma impressionante. O que esses músicos têm de verbalmente calados, tem de tagarelas musicais. Conseguem expressar todo o sentimento através da música...

Na seqüência, músicas como "Noyé", uma interpretação de Billy Cobham, a música título "Esperanza", "Punkbone Fighter", "Burst In" e a tão aguardada "Kichute". Nessa hora o astral já estava tão alto, a banda tão sintonizada e o público tão radiante que o pessoal do hotel ao lado do teatro não conseguia mais dormir... tamanha era a altura e a empolgação de todos que estavam presentes.

O show foi todo equilibrado e em harmonia, o som agradou até os ouvidos mais exigentes ou inexperientes, mas para não dizer, a aparelhagem falhou com Dudu Pimentel nos instantes finais, durante o bis. Tudo rapidamente contornado, sem prejudicar o brilho da apresentação, arrancando aplausos do público pela desenvoltura e continuidade de Dudu.

Este foi um show em que todos os músicos foram destacados, muitos puderam conferir a força do baixo de Baga e a velocidade de Alex, que costumam ficar injustamente em segundo plano quando se trata da violenta junção dos irmãos Pimentel.

Um show pra marcar a história do Brasil Papaya e ficar na memória de seus fãs que saíram elogiando, mais do que nunca, a grande capacidade desta banda. Um show para deixar saudade... e que mostrou que ainda haverá muito por vir!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Brasil Papaya"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Robert Plant, do Led Zeppelin, muito antes da fama

Nomes de BatismoNomes de Batismo
Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e Metal

TatuagensTatuagens
Homenagens ao Guns N' Roses na pele dos fãs

5000 acessosBeatles: Quais as pessoas e objetos da capa do Sgt. Peppers?5000 acessosAs regras do Prog Metal5000 acessosSlayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda5000 acessosMegadeth: porque tantos foram demitidos? Mustaine tenta explicar5000 acessosMegadeth: com quantas baquetas se faz um álbum de estúdio?5000 acessosMetallica: Hetfield revela faixa que deveria ter ficado de fora do "Ride The Lightning"

Sobre Carolina Brand

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online