Mais que um cover: Review do show do Australian Pink FLoyd em Porto Al

Resenha - Australian Pink Floyd (Teatro Borboun Country, Porto Alegre, 02/10/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lucas Steinmetz Moita
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.





Basta assistir a apenas uma performance da banda para saber porque os Floyd's originais cederam permissão para execução de suas músicas. O próprio Pink Floyd faria melhor?

Inicialmente parabenizo a produção do evento pela organização que conseguiram manter no local. O teatro não estava lotado, mas foi o suficiente para tremer o solo.

A banda cover formada por Steve Mac (Guitarra), Jason Sawford (Teclado), Colin Wilson (Baixo/Voz), Damian A. Darlington (Guitarra/Voz), Paul Bonney (Bateria), começou a apresentação pontualmente às 21 horas. Contando com um breve intervalo de 20 minutos, o show durou exatamente 2h40! Cansativo? Parece que ficou um gosto de "Quero mais!".

Logo no início a banda tocou clássicos do porte de The Dark Side Of The Moon, um jam "free style" de vocal à lá Black Music das backing vocals que foi de invejar muitas divas renomadas do meio artístico atual.

Apenas após a sexta música a banda cumprimentou o público para entrar no intervalo.

A semelhança de toda a banda com o Pink Floyd original era inacreditável. Brincadeiras no local afirmavam o uso de play back. Realmente impressionante.

Com variados solos de guitarra, marcante no rock progressivo, o show não obteve número abusivo de músicas mesmo em quase 3 horas, devido à longa duração das canções do Pink Floyd. Iluminação e efeitos especiais foram um show a parte. Um telão no fundo passando imagens um tanto quanto "alucinógenas" durante todo o tempo, e muita, muita luz.

Os dois pontos altos do show foram, como esperado, "Wish You Were Here" e "Another Brick In The Wall". Para o bis, voltaram para encerrar com "Confortably Numb" e "Run Like Hell".

Com promessa de voltar no próximo ano, os australianos deixaram o palco. Muito mais do que satisfeita, a platéia aguarda o próximo show daqueles que ficarão conhecidos como os "sucessores" do Pink Floyd, já que ser denominado de "banda cover" não era justo com a qualidade musical de The Australian Pink Floyd



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Australian Pink Floyd"


Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1
Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1

Batismo: Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e MetalBatismo
Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e Metal

Ultimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os temposUltimate Guitar
As 28 canções mais sombrias de todos os tempos

Queen: novas fotos do recluso John DeaconMetallica: A reação de James a famosos usando camisetas da bandaSlayer: É difícil ser um pai responsável enquanto canta sobre morte?Sebastian Bach: quando o pai do Bon Jovi ameaçou matá-lo

Sobre Lucas Steinmetz Moita

Formado em Jornalismo pela Unisinos, atua em duas áreas bastante bipolares: música pesada e teologia. Proprietário do site CristianismoHardcore.com.br, atuou durante 5 anos com o Programa MoitaRock, entrevistando diversos artistas nacionais e internacionais (como Andre Matos, Angra, Sebastian Bach e Blind Guardian). O Programa MoitaRock foi extinto, mas o trabalho com vídeo e entrevistas continua em HeavyTalk.com.br, ao qual também administra.

Mais informações sobre Lucas Steinmetz Moita

Mais matérias de Lucas Steinmetz Moita no Whiplash.Net.