Matérias Mais Lidas

Iron Maiden: debilitado, Paul Di'Anno depende de vaquinha virtual para fazer cirurgiaIron Maiden
Debilitado, Paul Di'Anno depende de vaquinha virtual para fazer cirurgia

Timo Tolkki: Ex-Stratovarius abraça teorias conspiratórias negacionistas sobre Covid19Timo Tolkki
Ex-Stratovarius abraça teorias conspiratórias negacionistas sobre Covid19

Rodolfo Abrantes: O sonho da minha mãe era eu voltar aos RaimundosRodolfo Abrantes
"O sonho da minha mãe era eu voltar aos Raimundos"

Snowy Shaw: ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no NightwishSnowy Shaw
Ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no Nightwish

Nirvana: Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.Nirvana
Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.

Carlinhos Brown: ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razãoCarlinhos Brown
Ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razão

Soul Station: projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança músicaSoul Station
Projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança música

AC/DC: Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)AC/DC
Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)

Mercyful Fate: A decepção da banda com a arte original de MelissaMercyful Fate
A decepção da banda com a arte original de Melissa

Metallica: TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully GuitarsMetallica
TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully Guitars

Guns N' Roses: Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivoGuns N' Roses
Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivo

Yngwie Malmsteen: aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigosYngwie Malmsteen
Aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigos

Kurt Cobain: ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistasKurt Cobain
Ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistas

Nirvana: por que Something in the Way foi a mais difícil de gravar em NevermindNirvana
Por que "Something in the Way" foi a mais difícil de gravar em "Nevermind"

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"


Matérias Recomendadas

História do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatosHistória do rock
Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos

Heavy Metal: cristãos podem aprender muito com o gêneroHeavy Metal
"cristãos podem aprender muito com o gênero"

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Freddie Mercury: um relato detalhado sobre as suas últimas horasFreddie Mercury
Um relato detalhado sobre as suas últimas horas

Separados no nascimento: Edu Falaschi e Luciano HuckSeparados no nascimento
Edu Falaschi e Luciano Huck

Baladas de Sangue
Stamp

G3 no Claro Hall: Casa cheia, fãs de Dream Theater e jogo que começou

Resenha - G3 2006 (Claro Hall, Rio de Janeiro , 29/10/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Dee Dumore
Enviar Correções  









Casa cheia, mesas tomadas, fãs de Dream Theater por toda parte pra verem o último show da "tour" com essa formação. Show de G3 é jogo ganho, não importa quem esteja na tour! Nesse caso, Eric Johnson, John "Dream Theater" Petrucci e Joe "O dono da bola" Satriani.

Fotos: Antônio César

O show começa com Johnson, que entra portando uma honestíssima Fender Strato e parcos porém turbinados pedais de efeito, tocando "Summer Jam". De posse do set list, eu já sabia onde seria gol e onde seria tensão do público… A música seguinte de Johnson, "Back Pages" seguiu cantada pelo próprio, que além de uma guitarra excepcional, também canta que é uma beleza! Acompanhando-o, Tommy Taylor na bateria e Roscoe Beck no baixo, que formam com Johnson a sua Electric Band. O show corria tranqüilo até demais considerando a natureza dos shows do G3.

Eric Johnson não é muito chegado a malabarismos e nem a "fritura" de notas (é sem dúvidas o mais tranqüilo dos três), mas na quarta faixa, "Brilliant Room", ele mostra que pode fazer isso tanto quanto qualquer um dos dois colegas de "tour", levantando o público das chatinhas cadeiras do Claro Hall. Em sua primeira vez no País, Eric agradeceu o carinho e a animação do público e prometeu voltar mais vezes.

Depois de um breve intervalo para mudança de equipamentos de palco, é a vez dele – John Petrucci – o cara do Dream Theater (por mais que isso doa no La Brie). A casa inteira de pé para ver a entrada fulminante do guitarrista no palco. Para a distração do público, a primeira faixa começa com a bateria de Mike Portnoy e o baixo de David La Rue. Logo em seguida, Petrucci entra em cena com a sua Ernie Ball Signature Series, mais forte e igualmente animado, tocando "Jaws of Life", para o delírio do público que descaradamente foi para vê-lo. As faixas seguem com muito peso, muita distorção, mas também com muito feeling, tanto nas notas como nos títulos ("Glasgow Kiss", "Lost without You", "Wishful Thinking"), alternando momentos mais intimistas e menos agressivos. A segunda faixa levou a casa inteira à mais completa comoção – "Glasgow Kiss" – com todos os fãs, fotógrafos, redatores e seguranças de pé! E ele seguiu o show ao som do bom e velho "PETRUTCHÊ! PETRUTCHÊ!" do público. A partir da terceira faixa, "Lost without You", Portnoy e sua barba verde começam a disputa da atenção dos ‘Dream Theaters’ presentes, girando baqueta atrás de baqueta, com seus malabarismos característicos, sendo extremamente ovacionado pelo público. Vez ou outra ele deixava a baqueta cair no chão. O show de Petrucci transcorreu tranqüilo, com momentos de calmaria e muito feeling, com outros de peso e notas corridas. Quase um ano depois da vinda do Dream Theater ao Brasil, a dupla Petrucci-Portnoy fez muitos fãs felizes, e David La Rue também fez bonito, com direito a solos e aplausos de pé da parte dos fãs, dentre eles Pepeu Gomes.

Mais um rápido intervalo para a entrada do "dono" do negócio, aquele que convida - Joe Satriani - Satch para os íntimos. O "alien" mais querido da guitarra entrou no palco para "Flying" com a sua Ibanez Signature Series branca de sempre, o mesmo Cry Baby que os outros dois usaram e a casa inteira de pé, aos gritos de "JOE! JOE! JOE!". Joe Satriani é o cara que assovia e chupa cana – a segunda faixa, "Extremist", é acompanhada por ele na gaita e na guitarra. Até aí, a tranqüilidade de Johnson e o feeling de Petrucci deram lugar ao virtuosismo extremo e às notórias brincadeiras de Satch, o mais careteiro dos três e também o mais empolgado. No baixo com ele estava, mais uma vez, David La Rue.

Show de Satriani significa troca de guitarras a cada duas músicas. Já na terceira ele estava com sua Signature vermelha, animando o público, pedindo palmas para La Rue. Na faixa seguinte, Satch começa "Super Colossal" com sua Ibanez que traz seu próprio rosto estampado no corpo da guitarra. Logo em seguida, "Just like Lightnin’", Satch larga a brincadeira e parte para o que todos alí esperam ver – tocando com os dentes, fazendo a guitarra falar como gente e os músicos acompanhando cada passo e cada nota. Ao avistar uma faixa no meio do público em que se lia "Joe, God Bless You", Satch aponta e agradece, sabendo que ele pode fazer quase tudo no palco – a aprovação do público é imediata.

A famosa Ibanez cromada prata entra em cena em "Crowd Chant", onde ele pede ao público para acompanhar com a voz o que ele toca na guitarra, como manda o título da música. O que ninguém, além de mim e dos músicos, sabia era que seguido dessa distração viria "Summer Song" – a queridinha do público. Passado a comoção de "Summer Song" e o solo de bateria aplaudido de pé, veio a décima e última faixa de Satch, "Always With Me, Always With You", com reposta do público brasileiro e seu peculiar "ÔÔÔÔ!!".

Mal terminou o set e Petrucci está no palco, fazendo a segunda guitarra de "Always", para completo desespero do público. Por ultimo entra Eric Johnson para completar o grupo, terminar "Always...", e começar a jam session, que teria "Voodoo Child" como primeira faixa do trio, cantada por Johnson. Seguiram com "Red House", também cantada por Johnson e por ultimo, depois de quase 5 horas de show, "Rockin’ in the Free World", com todos os três e mais a casa toda cantando.

A conclusão??? É bom que não demorem muito para voltar!

ERIC JOHNSON:
"Summer Jam"
"Back Pages"
"Trademark"
"Brilliant Room"
"Manhattan"
"Morning Sun"
"Columbia"
"Desert Rose"
"Cliffs"

JOHN PETRUCCI:
"Jaws of Life"
"Glasgow Kiss"
"Lost Without You"
"Curve"
"Wishful Thinking"
"Damage Control"

JOE SATRIANI:
"Flying In A Blue Dream"
"The Extremist"
"Redshift"
"Cool #9"
"Satch Boogie"
"Super Colossal"
"Just Like Lightnin’"
"Crowd Chant"
"Summer Song"
"Always With Me, Always With You"

JAM SESSION:
"Voodoo Child"
"Red House"
"Rockin’ in the Free World"


Tunecore
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Joe Satriani: saiba quais lendas da guitarra não quiseram entrar no G3Joe Satriani
Saiba quais lendas da guitarra não quiseram entrar no G3

G3: Joe Satriani criou projeto pois sucesso o isolou de todosG3
Joe Satriani criou projeto pois sucesso o isolou de todos


Mr Catra: Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)Mr Catra
Uma lista das suas maiores influências no rock (vídeo)

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsEsquisitices
Algumas exigências bizarras para shows


Sobre Dee Dumore

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.