Slayer: Se essa agressividade fosse direcionada a outras áreas...

Resenha - Slayer (Chevrolet Hall, Belo Horizonte, 03/09/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade









Não há praticamente nada em Minas Gerais que escape ao tradicionalismo. Costumes, crenças, hábitos, política, visão social, etc. Tudo aqui é marcado, ao extremo, pelo culto às tradições. A música não é exceção. Não à-toa bandas mais antigas, as ditas clássicas, sempre obtêm uma ótima recepção nestas terras.

Fotos: Thiago Sarkis

Nuclear Assault, Sodom e Kreator, ano passado, haviam sido apenas o aperitivo. Para os afoitos por "instituições sagradas", nada melhor que uma das bandas fundadoras do thrash metal. E o belo paradoxo que o Slayer trouxe a Belo Horizonte, sendo tradicional e contestatório ao mesmo tempo, em meio a todo o provincianismo/pequeno-burguês/religioso - três coisas diferentes reunidas com muita intensidade no mesmo lugar - dos mineiros, foi, no mínimo, curioso de se ver.

Uma ótima oportunidade para todos os reprimidos e pacíficos moradores deste lugar sentirem-se encorajados pela força do rebanho, vestirem suas camisas pretas, as caras de maus, os indefectíveis acessórios, empunharem suas vodkas baratas e celebrarem mutuamente não só a própria desgraça pessoal, como a sonora. Bom seria se toda essa "agressividade" fosse direcionada para outras áreas do circo local, como a política clientelista, por exemplo, mas é querer demais.

Desta forma que os 23 anos de "horror como entretenimento" dos estadunidenses desembarcou pela primeira vez em BH com o peso de saciar toda uma horda de seguidores sedentos, adivinhem, por clássicos. E sem dúvida saciou. Há sempre os dois lados, que acabam se entrecruzando e colaborando, ou não, para o sucesso único. No business, o Slayer é infalível, exemplar. Boatos não confirmados dizem que o cachê gira em torno de 50 mil dólares. "Christ Illusion", o excelente último álbum, some das prateleiras. Ao vivo, no show como negócio, são irrepreensíveis: chegam, executam, satisfazem e vão embora. Música, afinal, é um trabalho como qualquer outro. Além do que, caos e violência atraem e vendem muito facilmente. Nada o que recriminar Tom Araya e seus companheiros. Sabem explorar como poucos as fraquezas e imbecilidades humanas. E sem dúvida se divertem muito ao observar alguns fanáticos que caem nessa historinha de louvar a Satã e coisas parecidas.

Por tudo isso que o resultado foi um Chevrolet Hall bem cheio - 70 ou 75% de sua capacidade - o maior público, na casa, que já vi em termos de metal. E não é só pela performance e a qualidade das composições, como principalmente por toda a atmosfera criada em torno, que o Slayer supera, ao vivo, as outras bandas citadas no início deste texto.

As várias rodas de mosh que se perpetuavam por todo o local era o exemplo nítido da catarse coletiva que o metal sempre foi. Pescoços maltratados, açoites capilares, corpos empapados de suor, calor, fumaça, luzes, incontáveis decibéis - todo o cenário característico era transmitido ao palco, encontrando a fonte de toda aquela entrega.

Dave Lombardo rege o caos sonoro com admirável competência e punch, adotando uma postura simples e descompromissada: boné para trás, tênis e roupa comum. O principal signo estético da banda está mesmo em Kerry King. O corpo imenso e rijo coberto de tatuagens tribais, a careca e a barba peculiar, botas, correntes, guitarras estilizadas, os riffs cavalares e os solos desarmônicos e ultra-distorcidos. Jeff Hanneman é um coadjuvante de luxo, enquanto Tom Araya age com naturalidade e simpatia, encarnando o frontman insano que os fãs esperam nos momentos adequados.

O Slayer é o tipo de banda que não entra num palco para ser avaliada, mas apenas esperam a adoração do público, alimentando-os com clássicos incontestáveis (somente uma do novo álbum, "Cult", foi apresentada) e o tipo de performance que todos querem ver.

Cifras altas proporcionam uma boa equipe e um verdadeiro profissionalismo, o que foi sentido no uso da estrutura sonora, realmente admirável. E isso contribuiu para que as mais de duas décadas de espera dos belo-horizontinos fosse bem recompensada. Urros, saudações e vibrações de toda natureza eram sentidas a cada música, sendo que uma rápida olhada pelo set-list nos permite observar toda a esperteza dos sujeitos. Mestres da eterna arte de "só fazer aquilo que lhe dará retorno certo" - ao contrário de outras bandas de sua época que, ao arriscarem demais, acabaram caindo em desgraça eterna. "War Ensemble", "Postmortem", "Raining Blood", "Dead Skin Mask" e "Angel Of Death" são apenas alguns exemplos da refinada e cuidadosa escolha do set.

O sonho do mercado é que houvesse muitos "Slayer's" por aí. Os estadunidenses "dão aula" em todos os quesitos. Música segmentada de primeira, estética, mito, adoração, imagem, dinheiro. Esta turnê será, sem dúvida, extremamente bem-sucedida. Como todas as outras. Ao menos desta vez eles têm um bom álbum de apoio. Que voltem mais vezes. Mas é uma pena que toda a energia e "vivacidade" dos presentes no Chevrolet Hall se restrinjam àquele momento, no primário sentimento de estar fazendo algo "forte" e "chocante". Quando a catarse acaba e as máscaras decaem, sobra pouquíssima coisa.

Site Oficial: www.slayer.net



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Slayer"


Megadeth: Mustaine cogita possibilidade de shows em formato Big 10Megadeth
Mustaine cogita possibilidade de shows em formato Big 10

Slayer/Exodus: Gary Holt detona o Imagine Dragons nas redes sociaisSlayer/Exodus
Gary Holt detona o Imagine Dragons nas redes sociais


Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Marilyn Manson: Sou ainda pior fora do palcoMarilyn Manson
"Sou ainda pior fora do palco"


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.