Resenha - Slayer (Chevrolet Hall, Belo Horizonte, 03/09/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.









Não há praticamente nada em Minas Gerais que escape ao tradicionalismo. Costumes, crenças, hábitos, política, visão social, etc. Tudo aqui é marcado, ao extremo, pelo culto às tradições. A música não é exceção. Não à-toa bandas mais antigas, as ditas clássicas, sempre obtêm uma ótima recepção nestas terras.

Fotos: Thiago Sarkis

Nuclear Assault, Sodom e Kreator, ano passado, haviam sido apenas o aperitivo. Para os afoitos por “instituições sagradas”, nada melhor que uma das bandas fundadoras do thrash metal. E o belo paradoxo que o Slayer trouxe a Belo Horizonte, sendo tradicional e contestatório ao mesmo tempo, em meio a todo o provincianismo/pequeno-burguês/religioso – três coisas diferentes reunidas com muita intensidade no mesmo lugar – dos mineiros, foi, no mínimo, curioso de se ver.

Uma ótima oportunidade para todos os reprimidos e pacíficos moradores deste lugar sentirem-se encorajados pela força do rebanho, vestirem suas camisas pretas, as caras de maus, os indefectíveis acessórios, empunharem suas vodkas baratas e celebrarem mutuamente não só a própria desgraça pessoal, como a sonora. Bom seria se toda essa “agressividade” fosse direcionada para outras áreas do circo local, como a política clientelista, por exemplo, mas é querer demais.

Desta forma que os 23 anos de “horror como entretenimento” dos estadunidenses desembarcou pela primeira vez em BH com o peso de saciar toda uma horda de seguidores sedentos, adivinhem, por clássicos. E sem dúvida saciou. Há sempre os dois lados, que acabam se entrecruzando e colaborando, ou não, para o sucesso único. No business, o Slayer é infalível, exemplar. Boatos não confirmados dizem que o cachê gira em torno de 50 mil dólares. “Christ Illusion”, o excelente último álbum, some das prateleiras. Ao vivo, no show como negócio, são irrepreensíveis: chegam, executam, satisfazem e vão embora. Música, afinal, é um trabalho como qualquer outro. Além do que, caos e violência atraem e vendem muito facilmente. Nada o que recriminar Tom Araya e seus companheiros. Sabem explorar como poucos as fraquezas e imbecilidades humanas. E sem dúvida se divertem muito ao observar alguns fanáticos que caem nessa historinha de louvar a Satã e coisas parecidas.

Por tudo isso que o resultado foi um Chevrolet Hall bem cheio – 70 ou 75% de sua capacidade – o maior público, na casa, que já vi em termos de metal. E não é só pela performance e a qualidade das composições, como principalmente por toda a atmosfera criada em torno, que o Slayer supera, ao vivo, as outras bandas citadas no início deste texto.

As várias rodas de mosh que se perpetuavam por todo o local era o exemplo nítido da catarse coletiva que o metal sempre foi. Pescoços maltratados, açoites capilares, corpos empapados de suor, calor, fumaça, luzes, incontáveis decibéis – todo o cenário característico era transmitido ao palco, encontrando a fonte de toda aquela entrega.

Dave Lombardo rege o caos sonoro com admirável competência e punch, adotando uma postura simples e descompromissada: boné para trás, tênis e roupa comum. O principal signo estético da banda está mesmo em Kerry King. O corpo imenso e rijo coberto de tatuagens tribais, a careca e a barba peculiar, botas, correntes, guitarras estilizadas, os riffs cavalares e os solos desarmônicos e ultra-distorcidos. Jeff Hanneman é um coadjuvante de luxo, enquanto Tom Araya age com naturalidade e simpatia, encarnando o frontman insano que os fãs esperam nos momentos adequados.

O Slayer é o tipo de banda que não entra num palco para ser avaliada, mas apenas esperam a adoração do público, alimentando-os com clássicos incontestáveis (somente uma do novo álbum, “Cult”, foi apresentada) e o tipo de performance que todos querem ver.

Cifras altas proporcionam uma boa equipe e um verdadeiro profissionalismo, o que foi sentido no uso da estrutura sonora, realmente admirável. E isso contribuiu para que as mais de duas décadas de espera dos belo-horizontinos fosse bem recompensada. Urros, saudações e vibrações de toda natureza eram sentidas a cada música, sendo que uma rápida olhada pelo set-list nos permite observar toda a esperteza dos sujeitos. Mestres da eterna arte de “só fazer aquilo que lhe dará retorno certo” - ao contrário de outras bandas de sua época que, ao arriscarem demais, acabaram caindo em desgraça eterna. “War Ensemble”, “Postmortem”, “Raining Blood”, “Dead Skin Mask” e “Angel Of Death” são apenas alguns exemplos da refinada e cuidadosa escolha do set.

O sonho do mercado é que houvesse muitos “Slayer’s” por aí. Os estadunidenses “dão aula” em todos os quesitos. Música segmentada de primeira, estética, mito, adoração, imagem, dinheiro. Esta turnê será, sem dúvida, extremamente bem-sucedida. Como todas as outras. Ao menos desta vez eles têm um bom álbum de apoio. Que voltem mais vezes. Mas é uma pena que toda a energia e “vivacidade” dos presentes no Chevrolet Hall se restrinjam àquele momento, no primário sentimento de estar fazendo algo “forte” e “chocante”. Quando a catarse acaba e as máscaras decaem, sobra pouquíssima coisa.

Site Oficial: www.slayer.net

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Kerry KingKerry King
Guitarrista revela qual a sua música favorita do Metallica

616 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores874 acessosBody Count: divulgado videoclipe de covers do Slayer742 acessosBody Count: veja o vídeo para "Raining Blood", do Slayer0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Slayer"

Machine HeadMachine Head
A tarefa inglória de abrir pro Slayer

Dave LombardoDave Lombardo
O que ele realmente acha de Lars Ulrich?

Scott IanScott Ian
Os discos do Big 4 que ele mais gosta

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Steven Tyler e Márcia Goldsmich

NoisecreepNoisecreep
As dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s

VelocidadeVelocidade
Top 10 de músicas de Metal para ser multado

5000 acessosBlack Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward5000 acessosInspiração: 30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado5000 acessosMetallica: prejudicando as finanças da Igreja Universal4575 acessosJames Hetfield: ele se mudou da Bay Area para poder caçar em paz5000 acessosIdioma: bandas que já cantaram em sua língua natal5000 acessosLed Zeppelin: como seria o nono álbum da banda? Jimmy Page conta

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online